Review: Manic Sinners – King Of Badlands

O seu álbum de estreia, King Of The Badlands promete seguir a linha da gravadora que é especialista em rock pesado e melódico. O som dos romenos tem todos os elementos que os fãs desse estilo adoram: vocais crescentes, riffs esmagadores, solos empolgantes, ganchos para os ouvidos e uma esplêndida balada poderosa.

Lucas Santos

Confira mais reviews em 2022:
Underoath – Voyeurist
Wilderun – Epigone

David Bowie – Toy (toy-box)
Venom Prison – Erebos

Gravadora: Frontiers
Data de lançamento: 18/02/2022

Gênero: Hard Rock
País: Romênia


Manic Sinners, uma excelente nova banda de rock, é o primeiro artista da Romênia a assinar contrato com o selo Frontiers. O seu álbum de estreia, King Of The Badlands promete seguir a linha da gravadora que é especialista em rock pesado e melódico. O som dos romenos têm todos os elementos que os fãs desse estilo adoram: vocais crescentes, riffs esmagadores, solos empolgantes, ganchos para os ouvidos e uma esplêndida balada poderosa.

Adrian Igrisan, responsável pelos teclados e bateria do Manic Sinners, é mais conhecido por ser o vocalista e guitarrista do Cargo, a banda de rock mais amada da Romênia. Com vários discos de ouro e inúmeros shows esgotados, ele dividiu o palco com lendas como Iron Maiden, Uriah Heep e Gillan. Ele até foi condecorado pelo presidente romeno por seus méritos culturais. Adrian é, sem dúvida, um dos músicos mais emblemáticos da Europa Oriental e o Manic Sinners é a sua nova aventura sonora.

O vocalista Ovidiu Anton, considerado um dos grandes novos nomes a surgir no país, ganhou grande exposição em 2016 ao vencer a Seleção Nacional do Eurovision Song Contest. Ele também é o vocalista e fundador da banda Anton e um artista solo de sucesso. Seu alcance vocal é bem abrangente e apesar de seguirem muito parecido com muitos dos projetos que a gravadora italiana disponibiliza. Gosto dos seus graves. O guitarrista Toni Dijmarescu, que lida com as partes de guitarra e baixo no estúdio, tem bastante criatividade principalmente nos riffs secundários que acompanham os vocais. Os solos também são bem impressionantes.

A faixa de abertura Drifters Union é um tiro melódico impressionante, rápido, liso e bem empolgante. A faixa título King Of The Badlands tem uma abordagem mais slow pace e com um riff de guitarra mais pesado e Anastasia tem um dos melhores refrões do álbum com uma forte participação dos teclados. Essa música é a que mais ficou na minha cabeça depois das minhas audições. “Anastasiaaa, you’re a movie star!!“.

Temos de resto, ao longo dos quase 60 minutos de música, a mesma pegada das faixas iniciais. Algo mais rápido e dinâmico com Carousel e Under The Gun, uma semi-balada com Ball And Chain e uma faixa de encerramento grandiosa com Down In Flames. A banda inclui também, ao longo do álbum, duas faixas instrumentais Out For Blood e Crimson Queen que não acrescentam muito. São divertidas, mas quebram um pouco a dinâmica e deixam o disco muito longo sem necessidade. O famoso “enchendo linguiça”.

Durante alguns momentos há uma certa empolgação e notável talento do trio de músicos. Infelizmente a maioria das faixas se encaixa naquele “mais do mesmo” que é característico de 80% dos projetos da Frontiers. As músicas mais memoráveis como Anastasia e Down In Flames são muito empolgantes mas o resto do álbum deixa a desejar. Ainda assim, é interessante ver uma banda da Romênia alcançando destaque internacional, mesmo que seja em um estilo tão saturado.

Nota final: 6/10

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: