Review: The Black Dahlia Murder – Verminous

Por Cleo Mendes

Atmosferas contrastantes e dinâmicas elevam o som que a banda passou 2 décadas cultivando, congratulando-se com o aumento da indulgência atmosférica com sutil sabor de black metal, floresce de melancolia prosperando ao lado do vitríolo amargo que dominava os álbuns anteriores.

Cleo Mendes

Confira mais metal em 2020:
Warbringer – Weapons Of Tomorrow
Body Count – Carnivore
Sepultura – Quadra
Code Orange – Underneath
Lady Beast – The Vulture’s Amulet
Nightwish – Human. :II: Nature 
Deathwhite – Grave Image

Gravadora: Metal Blade Records
Data de lançamento: 17/04/2020

Gênero: Death Metal Melódico
País:
Estados Unidos

A mudança não exige sacrifício, algo que foi comprovado pela já clássica banda de death metal americana, The Black Dahlia Murder, nesse que é o seu álbum mais diversificado até o momento. Desenvolvendo lentamente seu estilo nos últimos três álbuns, Verminous é o trabalho mais dinâmico e melódico que a banda criou até hoje. Em nenhum momento eles sacrificaram sua conhecida velocidade ou brutalidade para alcançar esse feito, procurando os álbuns para criar algo que seja emocional, cáustico e repleto de melodias infecciosas. Nightbringers (2017) era a velocidade e a agressão que atingiam diretamente, mas o novo álbum eleva as sensações.

Atmosferas contrastantes e dinâmicas elevam o som que a banda passou 2 décadas cultivando, congratulando-se com o aumento da indulgência atmosférica com sutil sabor de black metal, floresce de melancolia prosperando ao lado do vitríolo amargo que dominava os álbuns anteriores. O vocalista Trevor Strnad mantém sua força como um líder imóvel; uivos e gritos que chegam do submundo para perfurar o céu sem perdão. Essa mesma força é mantida, e o contraste criado por passagens instrumentais cada vez mais melódicas dá a impressão de que seu papel vocal é mais crítico do que nunca. Seu alcance emocional se estendeu com uma inflexão surpreendentemente pensativa, permitindo que sua raiva se misturasse com pura energia para acentuar explosivamente o álbum, fluindo entre a brutalidade nítida e sua nova apreciação pelas sombras mais sutis.

É essa abordagem multifacetada que realmente permite que os elementos conceituais que sustentam Verminous brilhem. As histórias que encontram uma identidade mais forte com composições cada vez mais complementares. Enquanto a faixa de abertura que dá nome ao álbum mantém todas as assinaturas de uma faixa típica do Black Dahlia Murder, é necessário chega na terceira faixa, Removal of the Oaken Stake para ver os saltos estilísticos de espectro completo que ocorreram. A transição para essa faixa é um pouco gaguejante da faixa anterior, entrando em um reino mais cinematográfico sem uma fluidez discreta para ajudar as melodias mais ricas do mais novo membro e guitarrista, Brian Ellis (um fenômeno do youtube). Essa é a primeira oportunidade de ver Ellis abrindo suas asas e imbuindo seu estilo mais diretamente em cada faixa, construindo riffs que se chocam com os vocais de Strand e complementam seu alcance.

Passagens instrumentais que crescem e crescem com uma presença maior do que jamais tiveram, movidos pela velocidade, roubam o show em Child of Night. O solo de Ellis em Sunless Empire é totalmente fascinante, emergindo da névoa dos uivos de Strand como um raio penetrante de luz. Essa vanguarda da precisão cria um ar de intenções insidiosas, com uma exibição de musicalidade tecnicamente hábil e um fogo criativo inabalável. A mesma energia é transportada para a agressão mais familiar de The Wereworm’s Feast, mas a transição estilística acentuada acrescenta mais uma troca menos do que coesa entre as músicas. Embora o tom geral do álbum permaneça consistente, o aumento do impulso emocional e elementos criativos adicionais não aparecem tão unidos ao longo do processo.

Adotar uma evolução nova e mais refinada é um passo que deu à banda a chance de mostrar algumas de suas cores menos apreciadas, mas é uma que não veio sem obstáculos para uma obra unificada. Os ricos conceitos de fantasia que sustentam algumas das faixas críticas emergem com graça cinematográfica e melodias infecciosas são abundantes em cada uma das faixas do álbum, prova de um conceito que tem força e talento criativo para prosperar enquanto a banda continua avançando. Ainda assim, adicionar um pouco de poder melancólico e hino provou ser um passo na direção certa para The Black Dahlia Murder. Acima de tudo, Verminous traz o calor com a mesma intensidade de sempre, sem abrir mão de sua brutalidade exclusiva para dar as boas-vindas a uma nova era criativa.

Nota final: 8,5/10

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: