Review: Jinjer – Macro

Por Cleo Mendes

Macro é mais direto quando comparado ao EP e representa definitivamente uma perspectiva maior.

Cleo Mendes

Confira mais metal:
Dragonforce – Extreme Power Metal
Opeth – In Cauda Venenum
As I Lay Dying – Shaped By Fire
Of Mice & Men – EARTHANDSKY
Screamer – Highway of Heroes
Knocked Loose – A Different Shade Of Blue

Gravadora: Napalm Records
Data de lançamento: 25/10/2019

Em menos de 10 anos, o quarteto de metal progressivo conquistou seu próprio lugar na paisagem do Heavy Metal e está pronto para ir além. Enquanto a maioria das bandas de um país que não é exatamente conhecido por suas exportações de Heavy Metal se contentaria em desfrutar do pouco reconhecimento recebido nesses primeiros anos, ficou claro que o Jinjer ansiava mais e estava disposto a percorrer uma milha extra para fazer isso acontecer. Seu segundo álbum, Cloud Factory, contribuiu para catapultá-los para a fama internacional. No início deste ano, a banda lançou um EP intitulado Micro, e hoje falaremos de sua continuação completa, Macro.

Macro é mais direto quando comparado ao EP e representa definitivamente uma perspectiva maior. O registro começa com On the top, que traz para a mesa muitas assinaturas misturadas e uma vibração de djent. Os padrões e estruturas são bastante únicos e agora são sinônimos da banda e é seguro chamá-lo de característica pessoal. Eu admirei essa banda pelo seu conteúdo lírico, que foi um destaque no Micro, e é consistentemente bom aqui também.

O hibridismo dos tons continua na próxima faixa Pit of Consciousness sem problemas. Roman e Eugene, os arquitetos por trás desse som único têm uma estrutura totalmente integrada que se complementa sem muita aglomeração. As guitarras dão a essência do djent e o baixo fornece um elemento progressivo ao som. Ambos andam de mãos dadas para criar o som da banda e são completos quando combinados com o estilo igualmente distinto de bateria de Vlad. A vocalista Tatiana mostra seu alcance vocal.

Retrospection adota uma abordagem diferente. Começa em uma língua nativa com uma vibe fria, quase celta, e fica mais pesada à medida que a música avança. É outra canção liricamente profunda que discute a linha tênue entre sentir saudades de casa e viver no passado. O álbum fica mais pesado a partir deste momento, com Pausing Death muda de marcha de Djent para groove. Ele tem uma parte progressiva limpa da segunda metade, que soa e parece familiar para algumas de suas faixas do EP e dos álbuns anteriores. Noah traz um tom familiar, como foi ouvido em seus álbuns anteriores. A estrutura se torna um pouco preditiva a partir deste ponto, com as primeiras metades pesadas e as segundas metades melódicas jazzísticas. Home Back entra e sai dos elementos do Jazz, tornando-o um verdadeiro híbrido do Jazz e do metal moderno e a faixa de encerramento LanniereP é atmosférica e reproduz uma melodia do EP.

Com aproximadamente 41 minutos de duração, este é um álbum completo com um tempo decente e também um registro muito experimental. No entanto é quase como se o melhor material já tivesse sido lançado e esse é um tipo de projeto de acompanhamento. As músicas não são ruins, mas elas não possuem as músicas emocionais que o Perennial, por exemplo, possuia. A produção é muito boa, preenchida, mas as vezes podemos nos perder em uma quantidade desnecessária de sons.

Macro se sustenta, vai agradar grande maioria e tem o Jinjer entregando mais uma vez um trabalho sólido e bem empolgante, porém é fácil não se apegar e correr para outros lançamentos e discos anteriores.

Nota final: 7/10

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: