Review: Kobra And The Lotus – Evolution

Por Cleo Mendes

Evolution, apresenta indiscutivelmente a expressão mais pura dessa abordagem, abandonando a exibição de técnica mais aourada e focando em algo mais direto

Cleo Mendes

Destruction – Born To Perish
Amon Amarth – Beserker
Suicidal Angels – Years Of Aggression
Killswich Engage – Atonement
Knocked Loose – A Different Shade Of Blue

Gravadora: Napalm Records
Data de lançamento: 20/09/2019

Nomeie bandas de heavy metal com vocalistas femininas que tem um certo reconhecimento. Artistas como Nightwish, Lacuna Coil e Sinergy podem ser os primeiros que abriram caminho mas não podemos esquecer um dos atos mais notáveis ​​que surgiram no Canadá nos anos 2000, Kobra And The Lotus, traçou um percurso bastante único do resto das bandas citadas, lidando com uma apresentação mais direta de heavy metal, o que lhes garantiu um bom grau de popularidade desde 2009.

Definir o quinteto de Alberta deve ser melhor descrito como uma abordagem mais mediana, orientada para o rock, sobre heavy metal que possui algumas semelhanças ocasionais com o AOR dos anos 80, mas funciona amplamente a partir de um modelo mais moderno. A soma musical de seu mais recente LP de estúdio, Evolution, apresenta indiscutivelmente a expressão mais pura dessa abordagem, abandonando a exibição de técnica mais aourada e focando em algo mais direto. Com um comportamento mais sombrio e quase enlameado, ao comportamento gótico um tanto obscuro, com talvez um pouco mais de presença nos teclados que ocasionalmente se apresenta como um caráter quase mais industrial.

O comportamento geral deste álbum é de angústia e rebelião, o prelúdio instrumental do álbum Evodem tem uma espécie de triste atmosfera de modernidade, mas também traz um brilho de sintetizador que lembra o antigo clássico de Ozzy Mr. Crowley. Evolution é uma oferta mais densa e substancial e trabalha mais como um hino e In The End é um ótimo fechamento. No entanto, essa exibição quase teatral de elementos atmosféricos é temperada com uma exibição rigorosamente pesada de riffs metálicos que é melhor exibido nas músicas acima mencionadas. Algumas faixas mais focadas no groove, como Thundersmith e Liar, produzem canções mais voltadas à rádio, mesmo tendo uma dose agressiva e presente.

Apesar de manter as coisas um pouco mais minimalista, o álbum não é desprovido de momentos intrincados, embora eles se manifestem mais em alguns desvios ocasionais da tonalidade típica do rock do que em mudanças dramáticas no ritmo ou na dinâmica. A brincadeira mais melancólica que é We Come Undone inclina-se para as armadilhas de Death Metal melódico. Enquanto isso, as faixas Wounds e Circus têm um senso de drama que combina muito bem com a voz de Paige, dando às coisas um pouco mais de uma sensação de Goth Rock, mas não se afastando muito do comportamento geralmente moderno do álbum. A maior discrepância do grupo é a balada Wash Away, uma balada que não deixa nenhuma parte do heavy metal mais cadenciado de fora.

Com seis discos de estúdio e cerca de uma década de experiência agora, é muito seguro declarar os veteranos de Kobra e The Lotus da cena metal, e sua última entrada reflete uma banda que está disposta a misturar as coisas um pouco enquanto ainda está segurando nesse visual mais tradicional. É uma experiência menos explosiva do que o amplamente elogiado álbum High Priestess (2014), e alguns fãs mais antigos da banda podem achar isso um pouco ruim pela mistura mais hard rock no metal tradicional, mas é uma entrada geral forte que provavelmente atrairá fãs de metal mais jovens que apreciam o som moderno e melódico. O que falta na agressão com base no impacto compensa em grande parte o charme melódico infeccioso e uma sensação de nuance que se destaca do conjunto de bandas obsoletas e sinfônicas da velha escola.

Nota final: 7/10

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: