Review: Disillusion – The Liberation

Por Cleo Mendes

A banda germânica começou a criar uma jóia de ponta da melodeath progressiva e ambiciosa para competir com sua criação de estreia atemporal. Não contente em voltar, eles oferecem uma obra épica contendo meras sete faixas em uma duração de quase uma hora

Cleo Mendes

Mais heavy metal:
Destruction – Born To Perish
Tarja – In The Raw
Knocked Loose – A Different Shade Of Blue 
Killswich Engage – Atonement

Gravadora: Prophecy Production
Data de lançamento: 6/09/2019

Back to Times of Splendor (2004) é uma das melhores ofertas pós-milênio do death metal melódico. O Disillusion fez um desvio estilístico significativo e questionável no ambicioso, mas esmagador Gloria (2006). Agora, após uma pausa no estúdio, a banda faz seu retorno tão esperado e aguardado por meio de seu terceiro LP, intitulado The Liberation. Representando um retorno às raízes exóticas progressivas e melódicas da banda, o álbum está longe de soar como uma tentativa de reformulação da estréia.

Os anos seguintes trazem uma entidade mais velha, mais sábia e mais refinada, parecendo extremamente confiante e energizada. A banda germânica começou a criar uma jóia de ponta da melodeath progressiva e ambiciosa para competir com sua criação de estreia atemporal. Não contente em voltar, eles oferecem uma obra épica contendo meras sete faixas em uma duração de quase uma hora. O álbum começa em estilo simples, com a abertura instrumental In Waking Hours, provocando sons delicados que lembram um tema atmosférico e folclórico para um épico sombrio de fantasia.A melancolia invernal, os arranjos de músicas dinâmicos e fluentes e a impressionante mistura de death metal progressivo e melódico com tons populares presentes ao longo do álbum evocam artistas como Insomnium, Wilderun, Barren Earth e o antigo Opeth , não necessariamente intimamente ligados ao som, mas certamente compartilhando semelhanças em tom, ambição e estruturas complexas.

Como os trabalhos anteriores, The Liberation se inspira muito no que veio ser a nova onda do “prog nórdico“, oferecendo uma vibração mais etérea, atmosférica e assustadora. Isso pode ser ouvido claramente em Wintertide, por exemplo, uma faixa mais sombria que gira em torno de um excelente groove de bateria e belos sintetizadores, todos abrangentes. Esses sons mais expansivos e melancólicos funcionam lindamente com os vocais principais, tão poderosos quanto nos lançamentos anteriores.

Eles também deram muito mais liberdade a esse lançamento, quebrando a dualidade de entrega agressiva e quase a palavra falada que existia anteriormente. Aqui, os vocais têm um alcance muito maior, trabalhando também em vocais limpos, mais melódicos e profundos, que funcionam muito bem com o som. Não é que esse estilo não existisse antes; aqui, parece mais orgânico e autosseguro, dando aos vocais muita fidelidade na entrega.

Em geral, The Liberation não parece um retorno; não parece um disco que queira provar algo. Em vez disso, parece que o Disillusion está fazendo o que eles fazem de melhor: criando um ótimo metal progressivo e eficaz. Pegue a faixa-título, por exemplo, chegando quase aos doze minutos. Ele abre com essa linha enorme, retornando ao Back Of Times of Splendor de uma maneira que nenhum fã pode confundir. Mas esse tom rapidamente se funde com os principais riffs agressivos e vocais duros que o seguem, afastando a necessidade de permanecer conectado aos velhos sons e estilos.

Isso resume muito bem The Liberation, e o principal motivo pelo qual o nome e, de fato, o próprio álbum, funcionam tão bem. A banda declara sua liberdade do passado, de sua bagagem, de expectativas. São eles que retornam à música que obviamente amam tanto, dedicando seus talentos únicos a fazer um álbum que é muito bom. Sim, a comparação com i trabalhos anteriores é imediata; é bom o suficiente? Eles voltaram? No entanto, peço que você procure mais e apenas ouça, sinta arrepios na pele.

Nota final: 8/10

um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: