Os Melhores Breakdowns De 2020 (Até Agora…)

Por Lucas Santos – Matéria Original AltPress

No metalcore moderno, o breakdown genérico como o conhecemos parece estar próximo da extinção. Mas a maneira como você reconhece um bom permanece inalterada – é quando você sente a liberação final da antecipação se aproximando, mas ainda assim ela o pega de surpresa.

Segura a respiração e bata a cabeça com os melhores breakdowns de 2020 até então.

CODE ORANGE – SWALLOWING THE RABBIT WHOLE

Underneath do Code Orange é uma obra-prima transgressora que atravessa vários reinos de som e estilo. E também Swallowing The Rabbit Whole, uma síntese alucinante de Thrash Metal, riffs progressivos, djent e aspereza industrial. Um breakdown supercarregado e glitchy rompe cerca de um minuto antes do final da faixa, espelhando e desconstruindo o riff dominante. O breakdown marca um fechamento temporário do todo, apenas para subir novamente, como uma fênix mecânica futurística, no início da música seguinte.

POLARIS – PRAY FOR RAIN

A beleza reside na simplicidade. Certo? Às vezes. Mas e quanto aos músicos que são capazes de criar o material mais complexo e torná-lo simples e fluido? Este é o tipo de beleza extraordinária que brilha no breakdown de Pray For Rain. Aqui, o Polaris lida com ritmos sincopados e camadas de guitarra radiantemente embelezadas com uma abordagem quase easycore. Isso define o tom de The Death Of Me – melancólico, mas persistente, com uma constante de luz expressa de forma vívida.

SHARPTOOTH – 153

Um hino de poder feminista de alta energia e com tendência ao punk hardcore, 153 é um verdadeiro destaque no último álbum do Sharptooth, Transitional Forms. Avançando em direção ao ponto máximo com riffs rápidos e os vocais limpos de heavy metal de Lauren Kashan, a faixa dá uma guinada inesperada na segunda metade. O canto gradualmente mais irritado de Kashan muda para um grito prolongado conforme o ritmo cai abruptamente e riffs de guitarra rápidos se transformam em guinchos agudos perturbadores. Com isso, vem um breakdown pesado e barulhento – tanto o ponto final quanto o ponto culminante da faixa.

PRESSURE CRACKS – BIG T YOUTH

Seja um punk hardcore rápido como o inferno, riffs poluidos acelerados ou passagens melódicas, Pressure Cracks tem a capacidade única de separar tudo isso quando você menos espera. Big T Youth, a faixa de encerramento do EP This Is Called Survival, é um excelente exemplo disso. A ruptura vem no início da faixa, permitindo Jason Aalon Butler levar sua performance vocal ultrajante ao limite. Mais tarde, estimulado por momentos ou pausas de chamada de pré-quebra, você pode esperar que outra quebra aconteça. Mas as coisas continuam avançando.

SPIRITBOX – BLESSED BE

Em Blessed Me, o Spiritbox atravessa suavemente de uma nota emocional para outra. O single abre com riffs com características djent apenas para serem substituídos por atmosferas de sintetizadores e um tema melódico e progressivo com o canto limpo e encantador de Courtney LaPlante. Mais tarde, a atmosfera fica mais densa, seguida por uma desaceleração que interrompe o fluxo pop da música e limpa o palco para um breakdown massivo e dissonante em camadas de rosnados e gritos. E então, de forma completamente inesperada, o refrão melódico retorna como se nada tivesse acontecido.

END – ABSENCE

Pronto para um pouco de black metal... core? Bem, pronto ou não, END está aqui para prender sua mente com batidas elétricas e gritos fantasmagóricos em Absence. Logo, porém, o supergrupo abandonou a vibe desoladora e prosseguiu com o estilo hardcore-punk metálico, como se fosse tão fácil quanto jogar uma moeda. Essa dualidade é coroada por uma quebra de fechamento densa e majestosa que fará você voltar ao início da pista para descobrir como eles chegaram lá em três minutos e meio.

CRYSTAL LAKE – DISOBEY

Se você tem uma queda por riffs de abertura de cair o queixo, é em Disobey do Crystal Lake que você vai ser feliz. Então ser feliz de novo quando a divisão dupla, essencialmente uma versão transformada e invertida desse riff, vier logo após o comando “Disobey!!!”, que prossegue com uma troca rápida de grito e explosão. Antes de perceber o que acabou de acontecer, você se encontrará em um ambiente escuro como breu de cantos murmurados, gritos dispersos e guitarras pesadas.

MAKE THEM SUFFER – BONES

Falando em riffs de abertura de parar o show, Bones, de Make Them Suffer, fará sua cabeça balançar automaticamente quando os cantos dos lábios forem o mais baixo que fisicamente puderem. Transformado, remoldado e reimaginado, o riff continuará reaparecendo ao longo da faixa e fará você esquecer que um breakdown está por vir. Mas é como um desvio momentâneo, mas poderoso, que torna a entrada final do refrão ainda mais dramática.

LOATHE – NEW FACES IN THE DARK

É difícil escolher apenas um breakdown no álbum I Let It In And It Took do Loathe. No entanto, mesmo se você tiver o álbum tocando em segundo plano, o breakdown em New Faces In The Dark fará com que você pause o que quer que esteja fazendo. Alternadamente groovy e melódica, a faixa atinge seu ponto culminante quando seu tema djenty é dividido em um padrão industrial barulhento e penetrante.

156/SILENCE – CONFLICT OF INTEREST

Alguém acabou de ligar o alarme de incêndio? Não, é o breakdown na sétima faixa de Irrational Pull do 156/Silence, um álbum que desafia um amplo espectro de gêneros, da matemática ao pós-hardcore e ao groovy deathcore. É o que acontece com Conflict Of Interest, onde riffs diretos e ganchos melódicos que levam ao breakdown alarmante a fazem realmente brilhar em todo o seu peso. Esta pode não ser a seção mais técnica do registro, mas com certeza é a mais divertida.

VOLUMES – HOLYWATER

Se você gosta de breakdowns técnicos, com falhas e com muitos sintetizadores, Holywater fará seu dia. Com essa faixa, Volumes anunciou o retorno do vocalista Michael Barr, que definiu holywater como “um novo capítulo”. E com certeza soa assim até a última seção da música, na qual apenas uma pista de sintetizador cheia de suspense é deixada para terminar a faixa, como um ponto de interrogação sônico – o que é um momento de angústia.

LOTUS EATER – NARCO

Se você não gosta de estruturas musicais convencionais ou colocações de divisão previsíveis, parabéns. Você está no lugar certo na hora certa. Narco, o último single do Lotus Eater, mostra sua capacidade perfeita de manipular as expectativas enquanto eles estão colocando segmentos contrastantes juntos e não se intimidam com as pausas entre seções de pressa. Esse breakdown dissonante o pegará de surpresa, assim como o que virá depois.

EARTHSHATTER – W.T.M

Enquanto utiliza todo o potencial de guitarras nítidas e ásperas, gritos ásperos, linhas de baixo doloridas e padrões de bateria agressivos, Earthshatter ainda consegue colocar um refrão super doce aqui e ali em W.T.M. Você sabe, para distribuir o caos em porções pequenas e saudáveis. Mas isso é apenas até o primeiro breakdown, que rasga o pobre coro em pedaços. É seguido pelo segundo breakdown, que destrói impiedosamente o primeiro, apenas para ser comido pelo terceiro e último – uma monstruosidade lenta, mas com um peso mortal.

BRING ME THE HORIZON – PARASITE EVE

Em Parasite Eve, Bring Me The Horizon continua brincando com uma variedade de estilos e as expectativas dos fãs. O single com tema pandêmico e baseado em contraste une uma combinação fresca de metal alternativo e nu metal de uma forma electro-pesada. Mas, mais do que qualquer coisa, é a segunda metade da faixa que provoca a perspectiva da banda em direção a algo mais pesado novamente, enquanto ecoa seu passado metalcore de uma forma que é enriquecida com a liberdade e experimentação de seus lançamentos de 2019. O breakdown é breve, mas eficaz o suficiente para alimentar a esperança de BMTH revisitar o metalcore no próximo álbum.

AUGUST BURNS RED – DISMEMBERED MEMORY

Ao longo de sua carreira de quase duas décadas, August Burns Red dominou a fórmula perfeita para um grande breakdown, tanto em termos de colocação quanto da parte em si. O breakdown chega exatamente quando você espera, mas ainda assim é totalmente satisfatório.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: