The Rock List – Top 20 Álbuns de Metal da Década

Por Lucas Santos – Matéria original Loudwire.

Recentemente o site americano Loudwire divulgou uma lista com os 66 melhores álbuns de metal da década (2010-2019). A The Rock Life enxugou um pouco e retirou apenas 20 desta lista.

Para conferir a lista completa clique neste link e fique também com nossas 20 escolhas pessoais dentro dos nomes anunciados.

Para conferir uma lista com as melhores músicas da década, clique aqui.

20- Protest the Hero, ‘Volition’ (2013)

Protest the Hero sempre entregou álbuns que só podem ser descritos como um ataque de caos controlado. Embora o Volition ainda mostre muita agressão do mathcore, também é preciso uma pequena mudança em uma direção mais melódica, suavizando as bordas às vezes e adicionando uma dimensão mais profunda ao som característico da banda. A musicalidade não foi a única coisa que evoluiu no álbum número 4, já que a apresentação vocal de Rody Walker é a mais dinâmica até hoje. Este é o álbum onde a banda realmente se soltou, desafiando-se a alcançar novos patamares, e realmente valeu a pena.

19- Megadeth, ‘Dystopia’ (2016)

A partir do clássico Rust in Peace dos anos 90, o Megadeth recebeu um total de 11 indicações ao Grammy Award de Melhor Performance de Metal (ou Melhor Performance de Hard Rock/Metal). A banda finalmente conquistou o prêmio com a faixa-título Dystopia no ano seguinte ao lançamento do décimo quinto esforço dos icones do thrash. O prêmio parecia adequado para a máquina de guerra revestida de metal do líder da banda Dave Mustaine, depois de uma série de álbuns mais perceptíveis pela ausência do baixista David Ellefson do que pelo conteúdo musical. Após o retorno do co-fundador em 2010 e dois lançamentos subsequentes, tudo foi acertado com o álbum de 2016 que apresenta também o guitarrista brasileiro Kiko Loureiro e o baterista do Lamb of God, Chris Adler. Mais de 30 anos após a fundação do Megadeth, o episódio que deu origem à banda na expulsão sem cerimônia de Mustaine do Metallica parecia ainda mais surpreendente. —PT

18- Vein, ‘Errorzone’ (2018)

Tudo sobre Vein te desafia a olhar para o outro lado. Desde o lançamento de um videoclipe que é a peça central visual, um globo ocular é aberto para que nem a banda nem a multidão pareçam ter algum respeito pelo seu bem-estar durante os shows ao vivo, eles são basicamente o equivalente musical de alguém se afastando aterrorizado. Errorzone não é diferente, já que a estréia do quinteto hardcore de Boston se baseia no nu-metal e screamo – gêneros tradicionalmente cagados por caras de metal que pensam que suas opiniões são a única coisa que importa – e ainda conseguiu reconhecê-los como um dos as bandas mais promissoras no finzinho dos anos 2010. Realmente não há discussão.

17- Epica, ‘The Quantum Enigma’ (2014)

Uma década dentro de uma carreira pode servir como um momento crítico para uma banda. Alguns artistas conhecem seu som característico e cumprem-no, entregando versões menores de seus melhores trabalhos e outros continuam a florescer, sinalizando que o melhor ainda está por vir. Para o Epica, Quantum Enigma foi um grande salto em frente que não exigiu uma reinicialização estilística. Escrito como mais um esforço de grupo do que os registros anteriores, The Quantum Enigma foi um refinamento de tudo de bom do Epica em primeiro lugar – riffing técnico, orquestração bombástica e ganchos divinos. O conteúdo lírico, que trouxe à tona questões filosóficas sobre a realidade percebida, era um complemento ideal para a música escrita em um nível igualmente intelectual.

16- Uncle Acid and the Deadbeats, ‘Wasteland’ (2018)

Quando se trata de psicodélia difusa e nostalgia assustadora da década de 1970, Uncle Acid é o rei. Wasteland, seu registro mais curto até o momento, vê uma ligeira partida em seus temas típicos de drogas, cultos e assassinatos, e se concentra em um mundo pós-apocalíptico distópico como resposta à nossa atual dependência de tecnologia. A direção lírica não foi a única mudança, pois a música mudou para um som mais direto e sério. Apesar da brevidade do álbum, ainda há um aparente aumento nos riffs, tornando Wasteland ainda mais memorável.

15- Trivium, ‘In Waves’ (2011)

É simplesmente impossível discutir o ótimo metal dos anos 2010 e não destacar o Trivium. Uma das maiores e mais populares bandas de metal do nosso tempo é responsável por escrever muitas das músicas que os metalheads de todos os lugares conhecem instantaneamente. A faixa-título do álbum de 2011 da banda, In Waves, é um desses hinos. Seu quinto álbum de estúdio, In Waves, é a pedra angular de qualquer educação legítima em metal.

14- Every Time I Die, ‘Low Teens’ (2016)

O oitavo e mais recente álbum de Every Time I Die (eles estão trabalhando no número 9 no momento) está repleto de peso, riffs de rock sulista e genialidade lírica que os mantêm no jogo hardcore há duas décadas. Forjadas em desespero e incerteza provocadas por complicações que acompanharam o nascimento da filha do vocalista Keith Buckley, o Low Teens é pesado em mais de uma maneira, mas os cortes mais escandalosos de rock como It Remembers e Two Summers se ramificam com vocais mais melódicos . Desde o sinistro e disperso riff que dá início a Fear and Trembling até a obra-prima legítima Map Change, que de alguma forma reúne todos os novos e antigos encontrados em adolescentes, a banda conseguiu fazer o que poucos de seus colegas têm e é quase inédito no hardcore – continue crescendo em popularidade com cada álbum.

13- Knocked Loose, ‘A Different Shade of Blue’ (2019)

Após o impacto em toda a cena na estréia da banda em 2016, Laugh Tracks, alguns fãs do Knocked Loose podem ter antecipado uma queda no segundo ano. Mas a roupa marcada pelos inconfundíveis gritos do vocalista Bryan Garris não estava prestes a descansar sobre os louros. Em vez disso, três anos depois, o quinteto utilizou uma tonalidade precisa da destruição milenar para pintar as 12 trilhas graves que ilustram A Different Shade of Blue de 2019. E talvez nenhum seja mais indicativo da tendência de sua geração do que a peça central do álbum Guided by the Moon, em que Garris aponta com raiva para o clímax trágico que espera por todos nós. – Confira o nosso review aqui.

12- Gojira, ‘Magma’ (2016)

É difícil acreditar que o Gojira poderia criar um disco tão incrível quanto o L’Enfant Sauvage, mas quatro anos depois, eles entregaram Magma, uma obra-prima sincera nascida em tragédia e perda. Em vez de tentar repetir a mesma fórmula dos álbuns anteriores, os franceses ficaram mais baixos, mais lentos e ainda com mais groove, respirando profundamente em cada nota e preenchimento. Essa foi também a primeira vez que Joe Duplantier apresentou vocais limpos, acrescentando dimensão e paixão ao tom já emocional do disco.

11- Slipknot, ‘We Are Not Your Kind’ (2019)

Quando se trata de listas de final de ano, com as melhores faixas de metal de 2019, espere que o single principal de We Are Not Your Kind , Unsainted esteja no topo. Entre as melhores músicas para as quais o Slipknot já colocou seu nome, é a pura agressão catártica transmitida de maneira tipicamente antêmica. Há mais em We Are Not Your Kind do que essa música: Nero Forte é uma mistura de metal sutilmente carregada de groove; enquanto artistas como Solway Firth encontram o Slipknot na forma tipicamente anárquica. Tudo isso contribui para um álbum que é um bom lembrete de quão grande é o Slipknot como banda.
Confira o nosso review aqui.

10- Architects, ‘Holy Hell’ (2018)

Os Architects lançaram o Holy Hell em 2018, após o trágico falecimento de seu guitarrista Tom Searle, vítima de câncer aos 28 anos de idade. Todas as emoções poderosas e complexas provocadas pela partida prematura de seus amigos chegaram a todos os cantos do mundo, que é o que sem dúvida o tornou um dos lançamentos pesados mais conceituados do ano. Cada momento é sincero e devastador. Não se podia imaginar um elogio melhor.

9- Parkway Drive, ‘Deep Blue’ (2010)

O Deep Blue de 2010 trouxe um novo tipo de refinamento à fragmentação caótica e aos ritmos incrivelmente rápidos encontrados em seus discos anteriores, Horizons (2007) e Killing with a Smile (2005). Esse registro mostra um Parkway Drive capaz de aproveitar sua raiva e ira com o foco do laser. Músicas como Wreckage e Deadweight demonstram um novo nível de controle para a banda, pois são capazes de alcançar o mesmo peso com composições mais lentas e despojadas, além de seus instrumentos de velocidade relâmpago. Deep Blue mostra o quão verdadeiramente formidável é a força do Parkway Drive.

8- Judas Priest, ‘Firepower’ (2018)

Em seu segundo álbum com o Judas Priest, Richie Faulkner claramente se sentiu mais à vontade em escrever enquanto a banda intensificava após Redeemer of Souls, que teve alguns destaques, mas foi marcado por inconsistências. Apesar de reunir a antiga equipe de produção ao lado de Andy Sneap, o Priest não pretendia apenas recapitular os álbuns anteriores. Firepower é um álbum fiel ao seu título, arrancando sucessos após sucessos, ao mesmo tempo em que cobre uma variedade diversificada de sons, desde o relâmpago Lightning Strike até os mais leves no ar Never the Heroes, para a grandiosa Traidores Gate e Rising From Ruins para a balada reflexiva e carinhosa Sea of Red.

7- Avenged Sevenfold, ‘Nightmare’ (2010)

Um álbum envolto em tragédia, Nightmare encontrou o Avenged Sevenfold tentando lidar com a perda devastadora do baterista Jimmy ‘Rev’ Sullivan, que faleceu no ano anterior ao lançamento do álbum. Apesar da escuridão que eles estavam enfrentando, o Avenged Sevenfold se reuniu, escrevendo um de seus discos mais definitivos e se estabelecendo como titãs modernos do metal. O poder emocional da faixa-título e músicas como Welcome To The Family é inegável, assim como o fato de Nightmare ser, simplesmente, um brilhante álbum de metal.

6- Code Orange, ‘Forever’ (2017)

Forever é um registro tão monumental para os gêneros metal e hardcore que levou o Code Orange dos folhetos de shows underground aos outdoors da Times Square praticamente da noite para o dia. Violento e implacável, o impacto de Forever foi instantaneamente inegável quando foi lançado; tanto que chamou a atenção do Grammy. A faixa-título foi nomeada para a categoria de Melhor Performance de Metal de 2018.

5- Mastodon, ‘Emperor of Sand’ (2017)

Mastodon escreveu dois álbuns excelentes nos anos 2010, The Hunter e Once More ‘Round the Sun, mas ambos careciam do gênio conceitual de conquistas titânicas de Blood Mountain e Crack the Skye. Em 2017, no entanto, eles revisitaram o álbum conceitual com Emperor of Sand, colocando a tragédia da vida real em uma marcha condenada pelo deserto. O mestre do Riff Bill Kelliher pode receber a maior parte do crédito da guitarra de Emperor of Sand, embora Brent Hinds tenha composto talvez a faixa mais elogiada do álbum, Jaguar God. Troy Sanders e Brann Dailor também dão suas mais belas performances vocais até hoje.

4- Bring Me The Horizon, ‘Sempiternal’ (2013)

Indiscutivelmente o registro de metalcore moderno mais essencial da década, Sempiternal demonstrou os metalizadores do Reino Unido, Bring Me The Horizon. Foi a primeira vez que a banda começou a incorporar grandes coros em suas músicas. Can you Feel My Heart, Sleepwalking e Shadow Moses são exemplos excelentes de como dar um apelo comercial ao metal. A música do álbum mais recente amo podem parecer muito diferente do peso comparável desse disco, mas Sempiternal foi a primeira dica para o grande ato de rock que o Bring Me The Horizon se tornou.

3- Iron Maiden, ‘The Book of Souls’ (2015)

A diferença de cinco anos entre os álbuns de estúdio foi a mais longa da carreira do Iron Maiden, tornando o novo lançamento ainda mais um evento mundial monumental do que normalmente é. A paciência dos fãs foi recompensada com o álbum duplo The Book of Souls, que foi encomendado por um par de composições escritas por Bruce Dickinson (o rugido If Eternity Should Fail e o ambicioso e empolgado Empire of the Clouds). Há um punhado de músicas mais curtas e rápidas que alguns opinaram nos últimos 25 anos, mas são os épicos que mais atraem a atenção e Janick Gers mais uma vez colocou seu nome em outro dos melhores do Maiden do século 21.

2- Converge, ‘All We Love We Leave Behind’ (2012)

Após o álbum Ax to Fall o Converge retirou as coisas de All We Love We Leave Behind, os quatro membros da banda são os únicos artistas que aparecem neste esforço de 2012. Essa perspectiva desimpedida estendeu-se ao processo de gravação, o renomado produtor de metal e guitarrista do Converge, Kurt Ballou, explorando o som característico da banda de maneira instantânea. Tudo isso contribui para o esforço mais atraente desde 2001, da então marca registrada Jane Doe. Enquanto esse disco capturou a produção da banda à beira de sua eficácia juvenil, o All We Love documenta os truques aprendidos e as perspectivas adquiridas quando esse mesmo grupo de músicos se tornou líder de cena testado na estrada.

1- Power Trip, ‘Nightmare Logic’ (2017)

Ninguém mistura thrash metal e hardcore como o Power Trip. O segundo LP de 2017, Nightmare Logic, foi um momento decisivo para a banda, provando não apenas que eles podiam arrasar, mas que podiam fazê-lo enquanto escreviam algumas das músicas mais emocionantes de todos os tempos. A banda leva apenas 32 minutos para provar sua força com este disco, o momento de destaque inegavelmente sendo Executioner’s Tax (Swing Of The Axe), que tem todos os ingredientes de um futuro clássico do metal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: