10 Álbuns Essenciais de Hardcore Melódico dos Anos 2000 – Parte 1.

Por Lucas Santos – Matéria original Brooklynvegan

O hardcore melódico não é uma coisa fácil de definir. Ele foi lançado no início dos anos 80 pelos Descendents, que estavam fazendo o que agora digitaliza como proto-pop punk, mas também descreve bandas posteriores dos anos 80 como Dag Nasty, que se influenciaram no que os Descendents estavam fazendo, mas saíram com algo mais próximo do que viria a ser conhecido como emocore. Nos anos 90, víamos bandas tão díspares quanto NOFX, Lifetime e AFI. Nos anos 2000, o hardcore melódico teve sucesso no mainstream graças a bandas como Rise Against e Strike Anywhere, que se voltaram para o punk e o pop punk, mas também foi usado para descrever bandas como Modern Life Is War, American Nightmare e The Hope Conspiracy, bandas que eram mais pesadas ​​e sombrias, mas ainda muito afinadas e emocionais para se qualificarem como hardcore ou metalcore beatdown. As linhas entre todas as músicas adjacentes ao hardcore que aconteciam durante os anos 2000 estavam embaçadas, mas desde que estamos há mais de uma década longe dessa época, tenho olhado para as várias tendências através de uma série de listas específicas de subgêneros, e aqui está uma lista de 10 álbuns essenciais dos anos 2000 que ajudaram a moldar essa versão mais sombria e pesada do hardcore melódico.


AMERICAN NIGHTMARE – WE’RE DOWN TIL WE’RE UNDERGROUND (2003)

Na virada do milênio, você tinha algumas bandas tentando trazer o hardcore de volta ao som de suas origens dos anos 80, e outras empurrando-o em tantas direções diferentes que ficava até difícil de chamar de hardcore. American Nightmare meio que existia bem no meio. Eles abraçaram o tom escuro e metálico e o lirismo de inspiração gótica que estava entrando no vocabulário punk, mas o fizeram de uma maneira que honrava o modelo curto, rápido e alto que as bandas de hardcore originais haviam projetado. O resultado foi algo inovador demais para ser chamado de “revival”, e enraizado demais na tradição para ser acusado de abandonar completamente o hardcore.

Era uma nova versão do hardcore que se encaixava perfeitamente em uma nova geração de ouvintes. Seu álbum de estréia de 2001 Background Music deu o tom para o novo som, mas seu segundo We’re Down Til We’re Underground (lançado quando eles foram brevemente chamados de Give Up The Ghost devido a questões legais em torno do nome “American Nightmare“) o aperfeiçoou. O álbum é sombrio, pesado e indutor de chicotadas como seu antecessor, mas também tem uma sensação calorosa e acolhedora com uma produção mais nítida e uma abordagem mais melódica ao gênero. Mesmo a capa do álbum sugere que este é um álbum que rejeita a postura machista do hardcore. O American Nightmare se separou após o álbum (o vocalista Wes Eisold voltou sua atenção para sua outra banda Some Girls, antes de formar a banda gótica Cold Cave em 2007), e eles não retornaram com músicas novas por 15 anos, mas o impacto de We ‘re Down Til We’re Underground continuou crescendo ao longo do tempo. Bandas como Touche Amore ajudaram a trazer uma nova onda de hardcore para fora dos círculos de nicho usuais do gênero, e ficou óbvio que American Nightmare era uma influência central.

WITH HONOR – HEART MEANS EVERYTHING (2004)

Muitas das bandas de hardcore melódico do início/meados dos anos 2000 foram subestimadas em seu tempo, e o With Honor de Connecticut não foi exceção. Originalmente lançado pela Stillborn Records do vocalista do Hatebreed, Jamey Jasta, em 2004, o LP de estreia da banda deixou um impacto imediato na cena do hardcore, mas seu alcance é mais amplo do que nunca hoje em dia. A banda recentemente assinou contrato com a Pure Noise Records, que deu ao álbum uma reedição há muito tempo esperada (remixada e remasterizada por Kurt Ballou, do Converge, que gravou o LP original).

Ouvindo Heart Means Everything hoje, não parece que envelheceu nem um pouco. O álbum sabiamente evitou os estereótipos agora ultrapassados ​​do hardcore popular dos anos 2000, mas suas guitarras melódicas brilhantes o tornaram mais afinado do que as profundezas do hardcore underground. Contrastando com as guitarras melódicas estavam os vocais de Todd Mackey, que eram sempre gritados – nunca cantados – mas feitos com o tipo de emoção de grande coração que estava em contato com o lado emo-friendly do hardcore. With Honor sabia como transmitir pura agressão e ainda puxar as cordas do coração.

LOVE IS RED – THE HARDEST FIGHT (2004)

Outra banda fazendo um grande retorno é o Love Is Red, de Nashville, que recentemente quebrou um silêncio de 17 anos com o genuinamente ótimo novo EP Darkness Is Waiting (2021). É a continuação de seu segundo álbum de 2004, The Hardest Fight, um clássico subestimado do hardcore melódico dos anos 2000. Uma crítica contemporânea do Punknews disse que continha “as melhores partes de Good Riddance, Reach The Sky, Bane, Cave In, Stretch Arm Strong, H2O, CIV e Sick Of it All“, e uma longa e díspar lista de bandas como essa sugere que o revisor sabia que eles estavam ouvindo algo novo e excitante, mas que não conseguiu impactar como deveria naquela épica. Faz sentido; na época, Love Is Red era uma das poucas bandas que definiram esse novo estilo de hardcore, e levaria alguns anos até que fosse reconhecido como um sub gênero distinto. Uma vez que foi, ficou claro que o Love Is Red era pioneiro – metálico, mas não metalcore, cativante, mas não pop punk, inovador, mas não post-hardcore, co-criadores de algo que ainda estava tomando forma na época.

TAKEN – BETWEEN TWO UNSEENS (2004)

Antes do baixista Nick Beard co-fundar o Circa Survive, ele tocava na banda Taken, que o vocalista do Touche Amore, Jeremy Bolm, uma vez chamou de “a primeira banda que ouvi a misturar melodia com blast beats“. Esse conceito pode não parecer louco agora, mas não havia muitas bandas fazendo esse tipo de coisa em 2004, quando o Taken lançou seu EP Between Two Unseens, seu lançamento final até o EP de reunião de 2018 With Regard To. A influência do EP em bandas como Touche Amore são fáceis de ouvir; a instrumentação é pesada, mas linda, tomando notas de post-rock, post-hardcore, metalcore e muito mais, e combinando com o grito de Ray Harkins, que são partes iguais de cortar a garganta e de partir o coração. Há quase um elemento prog nas camadas da guitarra solo, mas o Taken engarrafa toda a sua ambição no contexto conciso do hardcore. O Taken poderia ter sido maior, mas felizmente sua influência sobreviveu através de algumas das bandas de hardcore mais proeminentes da próxima geração, e agora eles podem ser reconhecidos pelo que sempre foram: uma banda realmente à frente de seu tempo.

COMEBACK KID – WAKE THE DEAD (2005)

Enquanto bandas como American Nightmare, The Hope Conspiracy e Modern Life Is War estavam moldando o hardcore melódico nos Estados Unidos, o Comeback Kid de Winnipeg estava fazendo o mesmo no Canadá. Eles causaram um bom impacto com o seu LP de estreia de 2003, Turn It Around, mas realmente melhoraram seu som para o segundo álbum de 2005, Wake the Dead, seu primeiro pela Victory Records e produzido pela primeira vez pelo baterista do Descendents/Black Flag, Bill Stevenson. Também acabou sendo o último com o vocalista original Scott Wade.

Com o impulso extra da gravadora, a faixa-título acabou sendo meio popular na época – mais popular do que a maioria dessas bandas – mas esse álbum tinha muito mais do que apenas um grande single. É um LP conciso que contém 11 músicas em menos de 26 minutos, e nunca deixa a intensidade de lado nenhuma vez. É escuro, mas cativante, Scott aproveita uma mistura perfeita de agressão e emoção em seus gritos de dor, e a produção de Bill Stevenson ainda soa nítida mais de 15 anos depois. O Comeback Kid ainda está fazendo grandes coisas hoje, mas Wake The Dead definiu uma era. Ele estava na vanguarda da crescente onda de hardcore melódico no início/meados dos anos 2000, e seu sucesso só parecia mais merecedor ao longo do tempo.

THE SUICIDE FILE – SOME MISTAKES YOU NEVER STOP PAYING FOR (2005)

Muitas das bandas citadas aqui soavam sinistras e sérias, mas o The Suicide File trouxe uma sensação de arrogância do rock n’ roll ao seu hardcore melódico que soou absolutamente divertido. Liricamente, suas músicas seguiram o exemplo.A banda sempre soou como a festa no fim do mundo; você está dançando, você está bebendo, mas há uma sensação subjacente de pavor e a sensação de que tudo isso está prestes a acabar. Eles só lançaram um álbum completo durante sua breve carreira como banda (Twilight de 2003), mas neste ponto, seu lançamento definitivo é o Some Mistakes You Never Stop Paying For de 2005, que compilou músicas de seus dois EPs e demos. Lar de músicas de assinatura como Fuck Fox News, 2003, I Like The Nightlife Baby e Ashcroft, a composição permanecem fiel à fórmula testada pelo tempo, curtas, rápidas e altas no hardcore, mas em uma maneira que parecia inteiramente nova no início dos anos 2000. O The Suicide File sabia como escrever músicas que honravam a tradição, mas olhavam para o futuro e, mais de 15 anos depois, ainda soam frescas.

PAINT IT BLACK – PARADISE (2005)

Dan Yemin ajudou a definir a versão mais pop punk do hardcore melódico nos anos 90 e início dos anos 2000 como guitarrista do Lifetime e do Kid Dynamite, mas quando ele formou o Paint It Black e assumiu o papel de vocalista, ele começou a entrar no direção mais escura e mais pesada das bandas nesta lista. Ao contrário das duas bandas anteriores de Yemin, o Paint It Black ainda está escrevendo músicas, e por mais que sejam boas, suas músicas mais recentes não superam seu segundo álbum de 2005, Paradise, o ponto mais alto da carreira. Ele pegou emprestado do hardcore dos anos 80 e rivalizou com algumas das melhores bandas daquela época, com um som feroz e atemporal e inteiramente próprio da banda. As músicas de Paradise são políticas, como muitas músicas punks da era de George W. Bush eram, mas abertas o suficiente para que suas mensagens ainda se apliquem hoje e (infelizmente) ainda se apliquem daqui a 15 anos. São 14 músicas em 21 minutos de agressividade pura e desenfreada, e tem a quantidade certa de melodia para envolver mais do que apenas garotos dedicados da cena.

MODERN LIFE IS WAR – WITNESS (2005)

Há muitas maneiras de abrir um disco hardcore, mas SO WHAT THE FUUUUUUUCK/ARE YOU GOING TO DO, KID? é uma das mais marcantes. A frase abriu as portas para o magistral segundo álbum de estúdio do Modern Life Is War, o LP Witness, e o disco só fica melhor a partir daí. Com sua abordagem mais longa, lenta e atmosférica ao hardcore, o álbum provou estar à frente de seu tempo, dando o tom para grande parte da nova onda de post-hardcore que tomou forma nos anos 2010. Combinando com a instrumentação inovadora estava a entrega expressiva do vocalista Jeffrey Eaton, que foi ferozmente gritada e cheia de uma variedade de emoções cruas – não apenas raiva. Os grandes destaques são a faixa de abertura mencionada acima The Outsiders (AKA Hell Is for Heroes Part I) e o hino de dois minutos D.E.A.D.R.A.M.O.N.E.S, mas são os cortes mais profundos onde a banda aprimora o som expansivo e desafiador de gênero que torna este álbum um clássico tão atemporal.

GOT IT ALONE – THE ONLY BLOOD BETWEEN US (2005)

Como muitas bandas nesta lista, o Go It Alone de Vancouver sempre soou como se estivessem presos em um cabo de guerra entre o passado do hardcore e seu futuro, entre o pop e um som mais agressivo. E essa recusa em atender a qualquer nicho é o que os tornou uma banda tão empolgante. Muitas vezes esse é um álbum duro, indutor de chicotadas, mas músicas como A Constant Refrain, Water Finds Its Own Level, Nightwatch e Inheritance são tão brilhantes e cativantes quanto algumas das bandas pop punk da época (embora ainda dentro do contexto do hardcore gritante). Está cheio de referências aos clichês hardcore dos anos 80/90, mas a banda aproveitou essas emoções familiares de uma maneira desafiadoramente inovadora. Se o álbum não soa inovador hoje, é apenas porque muitas bandas se apegaram a esse estilo depois que o Go It Alone se separou.

THIS IS HELL – SUNDOWNING

This Is Hell nasceu da próspera cena hardcore de Long Island que deu origem a bandas de hardcore melódico/pop como Silent Majority e The Movielife. Mas o This Is Hell canalizou algo muito mais sombrio e pesado. O vocalista Travis Reilly (irmão do guitarrista do Movielife, Brandon Reilly) liderou anteriormente a banda de hardcore Scraps and Heart Attacks (que contou com o futuro baixista do I Am The Avalanche, Kellen Robson como membro); o baixista Jeff Tiu, o guitarrista Joe Osolin e o baterista Dan Bourke já fizeram parte da banda de hardcore/pop-punk The Backup Plan; e o guitarrista Rick Jimenez anteriormente tocou bateria nos companheiros de turnê do The Backup Plan, Subterfuge.

Em seu EP auto-intitulado de 2005 e LP de estreia de 2006, Sundowning, Daryl Palumbo do Glassjaw, forneceu os vocais. Com uma formação de músicos que se destacaram na cena LIHC por anos, não foi surpresa que eles já soassem como uma banda experiente em seu primeiro full-length, e o álbum Sundowning ainda soa vital hoje. É imaculadamente produzido, de uma forma onde as melodias sutis da guitarra brilham e a seção rítmica bate como um saco de tijolos, e o grito de Travis é claro e melodioso, mesmo em sua garganta mais aguda. Em Sundowning, ele tinha um estilo introspectivo, melodramático e poético que lembrava as bandas emo vizinhas da época, mas ele soava tão furioso quanto qualquer banda de hardcore mais agressiva.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s