Os 10 Melhores Álbuns de Vocalista Após Deixarem Grandes Bandas de Rock e Metal

Por Lucas Santos – Matéria original Loudwire

Como vocalista, separar-se de sua banda pode ser difícil, especialmente se você os ajudou a se tornarem populares e bem-sucedidos. Há aspectos financeiros e legais a serem considerados, bem como os fãs reagirão à separação. O que é sem dúvida ainda mais assustador, porém, é o fato de que tudo o que você fizer a seguir será atendido com expectativas significativas.

Afinal, seu trabalho anterior estabeleceu um padrão que deve ser cumprido, mas você também precisa justificar a mudança para um novo empreendimento.

No caso dos 10 cantores abaixo, pelo menos, essas transições acabaram rendendo bons discos.


OZZY OSBOURNE – BLIZZARD OF OZZ (1980)

Todos os discos iniciais de Ozzy são clássicos, o que provavam que ele poderia arrasar sem o Black Sabbath. Ele até acertou um home run logo de cara com a Blizzard of Ozz. I Don’t Know é uma maneira agradável de apresentar a química da banda, mas o álbum realmente começa com Crazy Train. Dominado pelos riffs imbatíveis de Randy Rhoads e alguns dos cantos mais cativantes de Ozzy, é um grampo absoluto do estilo.

As harmonias adoráveis e o trabalho de violão fazem de Goodbye to Romance um destaque da carreira também e, obviamente, Mr. Crowley é magistralmente macabra. Ozzy em carreira solo simplesmente não pode fica melhor.

TARJA TURUNEN – MY WINTER STORM (2007)

Depois de receber uma carta aberta pedindo que ela deixasse o Nightwish em 2005, Tarja Turunen encontrou muito sucesso por conta própria. Isso é particularmente verdade em relação à sua prolífica carreira solo, com o segundo álbum My Winter Storm sendo o mais gratificante. Ele marcou a primeira vez que ela escreveu músicas originais (embora com co-autores), e sua inspiração metafórica abrangente se presta a algumas misturas impressionantes de metal sinfônico e pop-rock.

Especificamente, Lost Northern Star e Minor Heaven ressaltam seu lindo timbre operístico, enquanto as decorativamente sombrias Damned and Divine e Sing for Me priorizam uma instrumentação fascinantemente flexível. É uma viagem assustadoramente magnífica.

GREG LAKE – TARKUS (ELP, 1971)

EPSON scanner Image

Depois de liderar a primeira banda de rock progressivo – King Crimson – por dois anos, Greg Lake saiu para formar o primeiro supergrupo de rock progressivo de relevância, Emerson Lake and Palmer, com Keith Emerson e Carl Palmer. Embora todos os seus álbuns primários sejam incríveis, a sequência do segundo ano é a escolha essencial para a nossa lista

Sua faixa-título continua sendo uma das suítes mais influentes e duradouras do gênero devido à sua fusão de melodias cativantes, tópicos fantásticos e arranjos técnicos zanily. Então, a música honky-tonk Jeremy Bender marca a música de alto astral do trio antes de The Only Way (Hymn) entrar no território clássico. Sem dúvida, Tarkus é a melhor excursão do ELP.

RONNIE JAMES DIO – HOLY DIVER (DIO, 1983)

Assim como Blizzard of Ozz, Holy Diver foi o primeiro (e melhor) trabalho do ex-vocalista do Black Sabbath. (Claro, nós também poderíamos ter escolhido Heaven and Hell do Black Sabbath em resposta à saída de Dio do Rainbow em 1979.) Apoiado pelo baterista anterior do Sabbath Vinny Appice, e o ex-baixista/tecladista do Rainbow, Jimmy Bain – assim como o guitarrista Vivian CampbellDio criou um conjunto estelar de faixas baseadas em fantasia.

Obviamente, Holy Diver e Rainbow in the Dark são sinônimos de metal dos anos 80 em geral, e quase quarenta anos depois, elas ainda são faixas incríveis. No meio, no entanto, o quarteto nunca cai em qualidade, como demonstram a condução Gypsy e a emotivamente épica Don’t Talk to Strangers. Além disso, Shame on the Night encerra tudo com um brilho intrincado e dinâmico.

JESSE LEACH – THE HYMN OF A BROKEN MAN (TIMES OF GRACE, 2011)

Embora Leach tenha se envolvido com várias bandas nos últimos 20 anos, o álbum de estreia do Times of Grace é facilmente a melhor coisa que ele fez entre deixar o Killswitch Engage em 2002 e retornar oficialmente em 2012. Curiosamente, ele se juntou ao guitarrista do KSE, Adam Dutkiewicz, para criá-lo, abrigando uma base de metalcore igualmente excelente.

Dito isto, elementos de post-metal e rock alternativo também aparecem, proporcionando momentos atmosféricos e melodiosos. Essa fusão é melhor realizada na pesada e viciante Willing, bem como na particularmente multifacetada Live in Love e na emocionante Worlds Apart. Honestamente, é um ótimo momento do início ao fim.

MAX CAVALERA – DARK AGES (SOUFLY, 2005)

A separação de Cavalera do Sepultura no final de 1996 foi especialmente trágica, mas ele conseguiu se recuperar rapidamente e formar outro ato muito amado: Soulfly. De toda a sua boa discografia, é o quinto álbum de estúdio do Soulfly que deixou a maior impressão.

Escrito em homenagem ao neto recém-nascido de Dimebag Darrell e Cavalera, Moses, sua mistura complexa de thrash, death metal e world music produz uma miscelânea de subgêneros do metal. O prelúdio The Dark Ages estabelece uma vibração sinistramente cinematográfica, assim como I and I, Frontlines e Fuel the Hate intercalam o caos com passagens fascinantemente etéreas. É tão agressivo quanto artístico.

DAVID LEE ROTH – EAT ‘EM AND SMILE (1986)

Após o seu EP Crazy From The Heat e consequente saída do Van Halen, Roth lançou esta fantástica incursão no glam metal. Com a ajuda do guitarrista Steve Vai, do baixista Billy Sheehan e do baterista Gregg Bissonette, ele torna o virtuosismo feroz do Van Halen marcadamente mais “brincalhão”. É um esforço efetivamente colaborativo, com a animada Shyboy de Sheehan justapondo a robustamente oprimida Big Trouble de Roth e Vai.

Em outros lugares, Yankee Rose e GoinCrazy são tipicamente chamativas, mas robustos, e seus covers de That’s Life e Tobacco Road também são carinhosamente característicos. Naturalmente, também há muito virtuosismo comemorativo ao longo do caminho, fazendo com que o LP seja completamente irresistível.

ROB HALFORD – RESSURECTION (HALFORD, 2000)

Por pouco mais de uma década (1992 – 2003), Rob Halford não fez parte do Judas Priest. Naquela época, ele lançou mais de meia dúzia de discos em algumas configurações diferentes. Sem dúvida, Resurrection é o definitivo porque seu mergulho puro em sons e sentimentos de heavy metal exibiu uma mistura de acertos após todas as suas experimentações anteriores.

De fato, Halford faz alusão a essas interações na faixa-título hiperativa, onde ele canta: “Eu andei sozinho em uma luta/Não estou mais na luz satânica/Tentei olhar muito à frente/E vi a estrada ir para o meu passado .” Em outros momentos, joias como “Twist” e “Made in Hell” são ferozes e seguras de si, enquanto “Slow Down” e “Silent Screams” são um pouco mais elaboradas. Além disso, o dueto de Halford com Bruce Dickinson (“The One You Love to Hate”) é como a fusão perfeita de Priest e Maiden.

TOM DELONGE – LIFEFORMS (ANGELS & AIRWAVES, 2021)

Com o Angels & Airwaves, Tom DeLonge se afasta continuamente do estilo punk rock alternativo do Blink-182 e se aproxima de uma estratosfera espacial/art rock. Ele também se aperfeiçoou a cada lançamento, e o álbum de 2021 da banda – Lifeforms – é o seu ápice.

De fato, Spellbound e Losing My Mind combinam a ganância celestial de Muse e Coheed And Cambria com a composição angustiante de Death Cab for Cutie. Mesmo quando o quarteto volta ao pop-punk (como em Automatic e A Fire in a Nameless Town), eles são capazes de torná-lo fresco e deslumbrante.

BRUCE DICKINSON – THE CHEMICAL WEDDING (1998)

Durante sua ausência do Iron Maiden – entre 1993 e 1999 – Dickinson lançou quatro LPs solo, com The Chemiclal Wedding sendo o meu favorito. Inspirado nas obras espirituais e filosóficas do pintor e poeta romântico inglês William Blake, o álbum conta com vários grandes músicos de gênero (incluindo o guitarrista do Iron Maiden, Adrian Smith).

A faixa de abertura King in Crimson é uma fera de sentimentos elevados e instrumentação de carga que abre caminho para as sequências Killing Floor e Trumpets of Jericho. Por outro lado, peças como Gates of Urizen e Jerusalem oferecem introspecções místicas mais suaves. A coleção inteira está cheia de letras, vocais e timbres atraentes, capturando o capitão Bruce no seu melhor momento.

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: