Um Guia Para Iniciantes em Death Metal Dissonante

Por Lucas Santos – Matéria Original Bandcamp

É complicado estabelecer uma definição funcional de death metal dissonante. Em teoria, este subgênero é definido principalmente pelo o que não é – seu nome implica que é o oposto exato do death metal melódico. Ainda assim, muitas das bandas essenciais dentro do movimento chamado “dissodeath” têm melodias ricas e bonitas no centro de suas canções. A musicalidade virtuosística é uma linha comum compartilhada por muitos atos dissodeath, mas os chops também são a base do death metal técnico, um subgênero totalmente distinto. Canções de death metal dissonantes tendem a ser mais aventureiras e menos ligadas a estruturas riff-refrão-riff tradicionais do que death metal mais direto, mas dificilmente é o único subgênero de metal que enfatiza esse tipo de liberdade de composição.

Esta definição escorregadia pode ser um sintoma das origens da dissolução no Velho Oeste do metal extremo primitivo. Como quase tudo no death metal, tudo remonta ao visionário frontman do Death, Chuck Schuldiner. Quase imediatamente após o lançamento de Scream Bloody Gore, todo um ecossistema se formou em torno dos vocais ásperos de Schuldiner, riffs violentos e ritmos “thrash-on-anfetaminas“. Leprosy Spiritual Healing refinaram e enriqueceram esse som. Human (1991), que viu Schuldiner junto com o mago do baixo fretless Steve DiGiorgio e os fundadores do Cynic, Paul Masvidal e Sean Reinert, foi algo totalmente novo. Os riffs ficaram mais nodosos, as melodias foram contrabalançadas por estranheza fora de forma, e Schuldiner de repente parecia muito menos preocupado com o extremismo do que com a exploração. Ninguém o etiquetou como tal na época, mas Human marcou o nascimento do death metal dissonante.

Trinta anos após o lançamento de Human, o death metal se libertou da ortodoxia de uma dúzia de maneiras diferentes. As bandas abaixo não soam todas iguais, mas todas usam a dissonância como ingrediente principal.


DEATH

Depois do álbum Human, o Death continuou a expandir, levando o death metal cada vez mais longe de seus princípios iniciais. Individual Thought Patterns, Symbolic e The Sound of Perseverance solidificaram o lugar de Chuck Schuldiner na história como um dos músicos de metal mais progressistas de todos os tempos. Death metal old-school, dissodeath, metal progressivo, tech-death – nenhum desses gêneros existiria em suas formas atuais sem Schuldiner iluminando o caminho. Ele faleceu tragicamente em 2001, após um ataque de câncer no cérebro, e 20 anos depois, ninguém o chegou aos seus pés.

DEMILICH

Um oceano longe dos experimentos de mortal metal de Schuldiner, uma besta de puro instinto estava surgindo na Finlândia. Demilich lançou Nespithe para um público desavisado em 1993, e nada nunca soou como isso antes ou depois. As guitarras de Antti Boman e Aki Hytönen trocavam riffs complexos e espiralados de acordo com uma lógica interna que só fazia algum tipo de sentido bizarro depois de ouvir várias vezes. Os vocais guturais de Boman estavam mais perto de arrotar do que de cantar. Os títulos e letras das músicas caminhavam em uma linha tênue entre o esotérico e o irônico. Demilich não estava interessado em apaziguar o fã casual de death metal, mas eles inspiraram uma geração de bandas que levariam a mensagem central de Nespithe a sério: Não tenha medo de ficar estranho.

GORGUTS

Assim com o Death, o Gorguts, de Québec, começou como uma banda de death metal mais direta antes de se transformar em dissonância. Considered Dead e The Erosion of Sanity são ambos álbuns matadores de death metal da velha escola, mas desde o primeiro riff confuso de Obscura (1998), estava claro que o Gorguts estavam destinados a coisas estranhas. Ainda mais notável do que o primeiro pivô foi o álbum de retorno da banda em 2013, Coloured Sands, gravado com uma formação inteiramente nova flanqueando o frontman Luc Lemay. A dissonância que Lemay começou a explorar em Obscura está presente, mas ela vive dentro de um ecossistema mais rico, onde canções de death metal magistralmente esculpidas se desdobram como peças clássicas – e onde uma peça clássica real, a deslumbrante The Battle of Chamdo, baseada no violoncelo, é uma peça central. Sua posição na lista de faixas entre dois épicos de death metal não parece nem um pouco deslocada. Lemay conquistou a confiança do ouvinte, e ele a usa para levar o Gorguts a lugares que a maioria das bandas do estilo não ousariam pisar.

PORTAL

Poucas bandas experimentais de metal chamaram a atenção de espectadores casuais. Graças em grande parte à a era de Peter Gabriel no Genesis, o Portal conseguiu encontrar um público muito além do que seu som amelódico de confronto poderia sugerir. A banda liderada pelo cara com um relógio de pêndulo na cabeça não é uma mera excentricidade secundária, embora – seus cinco álbuns de death metal confuso e cacofônico são alguns dos melhores do gênero nos últimos 20 anos. Riffs irregulares e rítmicos e atmosfera sufocante são a marca registrada dos australianos, e eles são a rara banda que canta sobre os mitos de Lovecraft enquanto na verdade soam como um ser imortal de horror sobrenatural.

RUNE

O Rune, de Ohio, só sobreviveu o suficiente para fazer um álbum, mas é um clássico underground e uma estrada fascinante – não tomada pelo death metal dissonante. The End of Nothing (2003) infunde seus riffs de death metal vertiginosamente técnicos com a atmosfera sufocante de funeral doom, enquanto os dois vocalistas igualmente indecifráveis cuspiam missivas sombrias de depressão e desolação. Ao colocar em primeiro plano o peso emocional de suas músicas, o Rune alcançou um tipo de transcendência espiritual que a maioria das bandas do death metal dissonante nunca buscaram. Para os puristas, isso por si só pode ser a causa de exclusão do rótulo de dissolução, mas os riffs alucinantes em canções como Babylon Burning e Worthless Endeavor impressionarão qualquer um que esteja procurando por um gênio instrumental perturbado.

ULCERATE

Com seis álbuns cada vez mais labirínticos em seu nome, o trio Ulcerate da Nova Zelândia se tornou uma das bandas mais proeminentes trabalhando no estilo death metal dissonante. Enquanto seus primeiros esforços utilizaram muita dinâmica “stop-start” e exercícios calistênicos do braço para extrair sua dissonância, os álbuns mais recentes do Ulcerate são coisas mais sutilmente complexas, tão emocionalmente nuançadas quanto musicalmente discordantes. A esmagadoramente pesada Stare into Death and Be Still (2020) é o culminar da evolução da banda, uma noite escura da alma processada em death metal progressivo.

AD NAUSEAM

Mesmo dentro de um subgênero definido por levaro death metal a seus limites mais extremos, os italianos do Ad Nauseam vivem na vanguarda. Nas notas de capa de Imperative Imperceptible Impulse (2021), a banda cita uma lista de compositores clássicos de vanguarda como influências chave. Invocar gênios históricos como Igor Stravinsky e Krzysztof Penderecki pode levantar algumas sobrancelhas, mas tudo é muito honesto para o Ad Nauseam. Ao escrever e gravar Imperative Imperceptible Impulse, eles fizeram de tudo para se forçar a sair de suas zonas de conforto. Eles utilizaram fortemente polifonia e polirritmos, descobriram harmonias tocando desarmonias, fabricaram melodia inclinando-se para a dissonância e criaram um novo sistema de afinação – tudo para engendrar seu próprio desconforto e, ao fazer isso, criar um novo vocabulário relacionado ao death metal, mas distinto dele. Projetos como Jute Gyte e Mastery realizaram experimentos semelhantes no black metal, mas no death metal, poucas bandas levaram sua espeleologia composicional tão longe quanto Ad Nauseam.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: