Billie Joe Armstrong 50 anos: top 12 melhores composições do frontman do Green Day

Na última quinta feira, Billie Joe Armstrong do Green Day completou 50 anos e é inegável que o vocalista da banda punk californiana é um dos nomes mais formidáveis do rock mundial. Esse reconhecimento vem muito por conta das músicas marcantes que ele compôs pra sua banda tendo como base conflitos internos e uma paixão intensa por sua esposa que foi inspiração de muitos dos hits.

Ele sempre foi obstinado, mesmo só vindo a conhecer o sucesso através do álbum Dookie de 1994, o terceiro lançamento do Green Day. Não acredito que Armstrong tenha feito sucesso de propósito, apesar de ter buscado os meios para conseguir, suas músicas vinham numa crescente e sempre tiveram um diferencial dentro do gênero punk que o desassociava das bandas tradicionais, os tornando únicos. Ao mesmo tempo, traziam músicas que possibilitavam ficar no meio termo do rock com o pop punk, gênero que ajudaram a formar contra vontade ou até favoráveis.

A composição é algo natural para Armstrong que foi criado em Rodeo, Califórnia. Ele desenvolveu interesse em música quando ainda era muito jovem. Para se ter noção, gravou sua primeira música com cinco anos de idade. Ele conheceu Mike Dirnt enquanto frequentava a escola primária, e os dois ligados instantaneamente sobre o interesse mútuo em música, formam a banda The Sweet Children, quando tinham 15 anos de idade.

A banda mudou seu nome para Green Day e os feitos do grupo já estão marcados na história, inclusive com eles reconhecidos no Rock ‘and’ Roll Hall Of Fame e vários prêmios dentre eles alguns grammys de melhor banda de rock, melhor show, melhor álbum e por ai vai. A relação do músico com sua obra é tão profunda que chegou ao ponto em que um dos álbuns ganhou um espetáculo da broadway. A peça American Idiot possibilitou nosso homenageado a interpretar o personagem principal St. Jimmy.

Dito tudo isso, vamos a nossa seleta lista que vai contemplar letra, melodia, importância para a carreira da banda, tudo para fazer sentido e representar bem o agora cinquentão Billie Joe Armstrong.


Basket Case

Basket Case foi escolhida como a primeira música que falaremos aqui, a frase é uma gíria para uma pessoa emocionalmente instável, disfuncional ou completamente inútil. Originalmente, a palavra se referia a um amputado, especialmente um soldado, que havia perdido os quatro membros; foi cunhado durante a Primeira Guerra Mundial. Mas a música é sobre ataques de ansiedade e um sentimento de que você está ficando louco. 

O vocalista Billie Joe Armstrong sofria de vários distúrbios de pânico enquanto crescia – às vezes ele acordava no meio da noite com um ataque de pânico e andava pelo bairro para se acalmar. Basket Case foi uma canção catártica e pessoal para ele. “A única maneira que eu sabia lidar com isso era escrever uma música sobre isso”, explicou ele. Quando Billie Joe Armstrong conversou com a Rolling Stone em 2014, ele explicou que essa música sempre fará parte do setlist da banda, mas que seu significado mudou para ele. “É sobre outras pessoas agora”, disse ele. “Quando eu olho para as pessoas enquanto tocamos essa música, elas estão tendo seu próprio momento. Nesse ponto, eu sou o público.”

É possivelmente a música mais conhecida da banda, é o maior destaque do Dookie. Esse sucesso se deve a algo pouco usual na formação das composições, eles escolheram explodir direto no verso de início desta música, algo que a diferencia do que se tinha na época. A simplicidade era uma marca registrada do álbum Dookie e, embora omitir uma introdução fizesse pouco sentido de marketing (os DJs não conseguiam falar sobre a música), ela foi direto ao cerne. Tré Cool, o batera do Green Day, cita o primeiro álbum dos Beatles, Please Please Me , como uma influência para Dookie , já que muitas das primeiras canções dos Beatles também iam direto ao ponto.


Longview

Pitchfork colocava o Green Day como um grupo suburbano por natureza, definido o som do álbum como “acordes de poder e prudência inteligente, uma mistura de The Descendents e a faísca Buzzcockian.” Tal definição apareceu por conta da faixa que foi o primeiro single de Dookie.

Como boa parte das músicas feitas por Armstrong no início, Longview é sobre estar entediado, solitário e se sentir um completo perdedor. Entretanto, tem um algo a mais, a letra se refere à masturbação como meio de fuga: “Leve-me para o paraíso”. O vocalista Billie Joe descreve seus hábitos de masturbação na época como “crônicos”.

Em uma entrevista ao VH1, o vocalista Billie Joe Armstrong disse: “Eu estava apenas em uma rotina criativa. Eu estava entre as casas dormindo nos sofás das pessoas. É uma música sobre tentar não me sentir patético e solitário. Eu não pensei aquela masturbação foi realmente vista do ponto de vista que eu estava olhando para ela. Em músicas como ‘ Turning Japanese ‘ sempre parecia mais sobre pessoas puxando um pud ou algo assim. Eu estava vindo da perspectiva de um cara solitário: sem namorada, sem vida , perdedor completo.”

Vale falar que o que chama mais atenção na música além da letra é o riff de baixo de Mike Dirnt. Em uma entrevista à revista Rolling Stone em 1995, o baixista revelou que ele escreveu o riff único para esta música durante uma viagem de ácido. No dia seguinte, um Mike sóbrio, junto com Billie Joe, teve dificuldade de lembrar o riff de que tanto gostaram na noite anterior. O que se tornou a linha de baixo da música foi o que eles conseguiram lembrar com o melhor de sua capacidade, se é o “original” nunca saberemos.


When I Come Around

 When I Come Around, representava uma guinada na carreira da banda já que eles tinham assinado com uma grande gravadora, mas é uma música muito pessoal que o vocalista Billie Joe Armstrong escreveu sobre estar longe de sua namorada, Adrienne Nesser, e abordando as frustrações que ambos sentiram enquanto ele estava na estrada. Billie Joe conheceu Adrienne em 1990, quando o Green Day se apresentou em Minnesota, onde ela morava. Ele tinha apenas 18 anos e achava difícil manter um relacionamento à distância, especialmente com sua agenda de turnês. Nesta música, ele afirma sua devoção por ela, assegurando-lhe que quando ele conseguir vê-la (quando ele “voltar”) ele vai fazer as pazes com ela.

Billie Joe e Adrienne se casaram em julho de 1994, alguns meses depois de Dookie foi lançado e bem no meio da rápida ascensão da banda ao estrelato (a banda estava em turnê na época). O casamento durou, e o casal teve dois filhos juntos.

Esta música não foi lançada como single, o que foi uma jogada estratégica da gravadora do Green Day (Reprise) para aumentar as vendas do álbum. Airplay empurrou a música para # 6 na América. Sua versão ao vivo no Woodstock de 1994 impressiona porque enquanto a banda executava a música alguém da plateia jogou lama no palco e Billie Joe resolve enfiar na boca, isso resulta nos fãs continuarem a jogar lama no palco e entre si gerando a infame guerra de lama. Um segurança (com pressa para tirar os fãs do palco) acidentalmente bate no baixista Mike Dirnt o jogando em um amplificador, causando ferimentos em seu braço e três de seus dentes.


Brain Stew/Jaded

Um fato interessante sobre essa música é que ela foi originalmente intitulada “Insomniac”, que acabou sendo o título do álbum, mas a frase “brain stew” nunca aparece na letra. O vocalista do Green Day, Billie Joe Armstrong, tornou-se pai em 28 de fevereiro de 1995, quando sua esposa Adrienne deu à luz seu filho Joey (nome em homenagem a Joey Ramone). Armstrong já estava “bem acabado” e agora não estava dormindo porque o bebê o manteria acordado. Seus pensamentos foram misturados em um “ensopado de cérebros”, que é sobre o que essa música fala.

Na marca de 3:13, o ritmo muda e Armstrong usa uma entrega vocal diferente, começando com a frase: “Alguém mantenha meu equilíbrio, acho que estou caindo”. Isso continua por 90 segundos antes que a música termine. Nesse tempo entra a faixa Jaded, ambas casam perfeitamente, uma parece realmente o complemento da outra.


Redumdant

O vocalista do Green Day, Billie Joe Armstrong, casou-se com sua namorada de longa data, Adrienne, em 1994, quando a banda estava começando a ficar realmente famosa. Eles tiveram seu primeiro filho um ano depois, e enquanto a vida de Billie Joe com o Green Day era tudo menos mundana, sua vida familiar estava se aproximando da monotonia. Em Redundant, ele faz o possível para colocar em palavras o sentimento disperso e indesejável que vem de amar alguém profundamente, mas ainda ser miserável. A repetição o cansa, mas a ideia de quebrar a rotina é aterrorizante, porque ele não quer perdê-la. Armstrong se sai muito bem com a contradição poética, como visto no refrão:

Agora não posso falar, perdi minha voz
Estou sem palavras e redundante
Porque eu te amo não é suficiente
Estou sem palavras

Redundant foi o terceiro single do álbum Nimrod do Green Day , seguindo Hitchin’ A Ride e Good Riddance (Time Of Your Life). A banda ainda estava honrando suas raízes punk-rock, tanto em sua música quanto em seu comportamento – eles destruíram uma loja de discos logo após o lançamento do álbum. Ao longo dos próximos anos, eles se acalmaram um pouco e ficaram mais políticos com sua música, mas Redundant é um retrocesso para quando Armstrong ainda lutava contra seus conflitos internos.


Minority

Minority foi a primeira música do Green Day que encontrou a banda mergulhando os pés nas águas políticas. O vocalista Billie Joe Armstrong escreveu a letra enquanto a eleição presidencial de 2000 estava aumentando nos Estados Unidos entre George W. Bush e Al Gore. “Comecei a sentir as rodas políticas começando a girar um pouco em direção ao conservadorismo”, disse ele à Rolling Stone . “Acho que essa música é sobre declarar que você está saindo da linha, você não faz parte do gado e está tentando encontrar seu próprio individualismo. Parecia que estávamos mergulhando em algo que era mais conceitual para certo.”

Minority foi o primeiro single do sexto álbum do Green Day, Warning . O som pop-punk que a banda inovou caiu em desuso e estava começando a ser revivido pelo blink-182, que levou a próxima onda (Simple Plan, Good Charlotte) ao início dos anos 2000. A música chegou ao 101º lugar nos Estados Unidos e o álbum vendeu pior do que qualquer outro desde o lançamento do selo independente Kerplunk em 1991, mas a banda não se preocupou. Eles tiraram uma folga e, quando voltaram, em vez de mergulhar no pop-punk, adotaram um som muito mais maduro para o álbum American Idiot de 2004 .


American Idiot

Essa é uma das faixas politizadas mais impactantes do Green Day devido ao grande sucesso que ela fez e todo o cenário que se tinha em 2004/2005. O título refere-se ao estado dos Estados Unidos naquele momento. Fala de uma nação controlada pela nova mídia tendenciosa, e como o cantor não faz parte de uma “Agenda Redneck” descontente com o andamento das coisas. Foi lançado durante a campanha presidencial de 2004, quando George W. Bush foi reeleito.

Billie Joe Armstrong foi inspirado a escrever isso depois de ouvir uma música jingoística do Lynyrd Skynyrd sendo tocada no rádio do carro, enquanto dirigia para o estúdio. Ele disse à revista Q em maio de 2009: “Era como, eu tenho orgulho de ser um caipira e eu fiquei tipo, Oh meu Deus, por que você se orgulharia de algo assim? É exatamente isso que eu sou contra . Quando ele chegou ao estúdio, Armstrong furiosamente escreveu essa música. Ele disse: “Eu olhei para os caras como, você se importa que eu estou dizendo isso? E eles disseram: Não, nós concordamos com você. E começou a bola rolar.”

Essa faixa pode ser considerada um ponto de partida para a ambição grandiosa da banda em fazer o melhor disco de rock que pudessem. Ao menos foi o que eles expuseram ao produtor Rob Cavallo.
“Todos eles se comprometeram, e eu tive a sorte de estar lá no início desse compromisso. Eu ia lá na segunda-feira e saía na sexta-feira, e estaríamos no estúdio 12 horas por dia escrevendo e conceitualizando. Eles estavam tão focados e tão revigorados que honestamente, meu papel principal era ser o treinador deles, dizendo a eles que eu acreditava neles. Eles fizeram o resto.”


Jesus Of Suburbia

Jesus Of Suburbia é conceitualmente uma mini-ópera rock baseada no personagem criado após a criação da frase american idiot. Essa música foi uma espécie de renascimento para o Green Day, Armstrong explicou: “Ela quebrou todas as regras que as pessoas pensavam que o Green Day deveria ser. Liricamente, é tudo sobre o meu passado, mas ao mesmo tempo, escrito pensando no entorno também. Essa música é como purgar tudo, jogar pra fora.”

A MTV Armstrong explicou: “Senti que cruzou a linha entre igreja e estado ou política e religião. Eu pensei: ‘Como eu interpretaria a Bíblia mesmo que eu nunca a tenha lido?’ Então, não há sarça ardente, mas há cidades em chamas e ética.”

Esta música é dividida em cinco seções:

Parte I. Jesus Of Suburbia: Esta é uma introdução do personagem e fala sobre sua vida em casa.

Parte II. City Of The Damned: Isso acontece em um estacionamento do 11 de setembro, onde ele entrou em uma briga e percebeu que odiava seus amigos e sua casa: é onde está o coração, mas o coração de todos não bate igual.” A letra, “No final de outra estrada perdida”, refere-se ao grupo de crianças que ficam sob a estrada onde mais uma vez ele não se encaixa.

Parte III. Eu não me importo: é aqui que ele se torna um pária odiando tudo e todos, e também na história é onde St. Jimmy (um personagem que Jesus criou para curar a dor de uma namorada perdida) se liga, dizendo que odeia tudo agora. É aqui que ele pensa em sair de casa.

Parte IV. Caro Amado: Não se sabe muito sobre esta parte. Acredita-se que seja o crepúsculo pacífico, mas difícil, entre a raiva e a felicidade, onde você está contente.

Parte V. Contos de outro lar desfeito: Este é o lugar onde Jesus simplesmente desiste e vai embora. Ele não sabe para onde está indo, mas está indo para longe: “Fugindo da dor quando você foi vitimizado”. É aqui que ele está deixando todos que o odiavam e o magoaram, meio que recomeçando e começando uma nova vida.


Homecoming/Whatsername

Homecoming, assim como Jesus Of Suburbia, é mais uma mini-ópera rock dividida em partes. São elas “The Death Of St. Jimmy”, “East 12th St.”, “Nobody Likes You”, “Rock and Roll Girlfriend” e “Homecoming”. Nesta faixa a história do álbum American Idiot vai chegando ao seu final, a conlusão da história .

Um fato interessante é que eles praticamente samplearam o The Police na parte final de Homecoming, a música em questão que tem a passagem peculiarmente parecida com Born In The 50’S soa belíssima e ao fim começa a melancólica Whatsername.

O American Idiot foi gravado na ordem do disco. Então essa foi a última música, que uniu tudo. Quem participou do processo de criação do álbum junto com a banda – como por exemplo o diretor de cinema John Roecker – tiveram o sentimento de “dever comprido”.

Sobre a balada Whatsername, Armstrong falou a VH1 Storytellers: “Eu acho que o verdadeiro herói de todo o álbum é o personagem Whatsername. Ela é uma pessoa que nunca diminui; ela nunca cai em desgraça. Ela é aquela que meio que se prendeu às suas crenças e deixou todas as merdas para trás. O personagem Whatsername diz a Jesus of Suburbia/St. Jimmy o que eles não querem ouvir, mas inevitavelmente é isso que eles estavam procurando para começar, e essa é a reviravolta da coisa toda.”


Good Riddance (Time Of Your Life)

Aqui jaz um dos sons mais comoventes do Green Day e que é bastante popular em formaturas e casamentos (apesar do título de despedida “Good Riddance”). Billie Joe Armstrong escreveu ela abordando sobre um evento muito específico em sua vida, mas fica emocionado quando outros a relacionam com sua própria experiência.

Essa música trata sobre a então namorada do vocalista que se mudou para o Equador para morar com a família e continuar seus estudos. Ele tentou ser sensato sobre isso, mas para mostrar sua raiva, ele nomeou a música como “Good Riddance” e fez “Time Of Your Life” o subtítulo. “Trata-se de tentar ser legal, aceitando que, na vida, as pessoas vão em direções diferentes”, disse Armstrong à Rolling Stone . “As pessoas entram em sua vida e é maravilhoso, mas elas parecem sair de sua vida tão rapidamente quanto entraram.”

Algumas peculiaridades importantes dessa música: Ela foi escrita em 1993, por se tratar de uma balada ia muito na contramão do punk rock que a banda produzia na época em que foi concebida, em função disso ela ficou de fora do Dookie (1994) álbum de maior sucesso até então e do Insomanic (1995) que com menor expressão também foi bem. Ela foi incluída no álbum Nimrod em 1997 e essa foi a melhor e a pior decisão que poderiam ter tomado. Já que, como foi lançada primeiro como single, o seu sucesso comprometeu a venda do álbum por conta das pessoas buscarem o disco pensando que nele teriam mais músicas neste formato de balada.

Assim como o Pearl Jam, o Green Day passou por um período em meados dos anos 90 quando eles decidiram não fazer videoclipes, o que pareceu fazer a MTV amá-los ainda mais. “Good Riddance” ganhou o prêmio de Melhor Vídeo Alternativo no MTV Video Music Awards de 1998.

Além da melodia fantástica, temos um fato divertido na versão de estúdio da faixa. Ela começa com o guitarrista Billie Joe Armstrong tocando uma nota errada. Ele começa de novo, repete a nota errada e proclama “f–k!”. Então a música real começa. As versões de rádio, é claro, omitem isso.


Father Of All…

Essa música de rock de garagem crua e não filtrada mostra Billie Joe Armstrong desabafando sua frustração com o mundo caótico em que vivemos fazendo uma crítica ferrenha a indústria da música e os artistas de rock atuais. Falando com Zane Lowe no Beats 1 da Apple Music, Armstrong disse que queria que a música “fizesse as pessoas se sentirem mal”. Ele acrescentou: “O rock and roll tem se tornado tão manso… principalmente porque muitos artistas de rock estão sempre tentando procurar a música do ano ou algo assim. Tudo fica muito diluído e fraco, e acho que o rock deve fazer você se sente mal.”

Às 2:31, a música encontra o Green Day retornando às suas raízes. É uma das canções mais breves e sucintas dos grupos da Bay Area desde seus lançamentos de punk rock no início dos anos 1990. “Estou muito orgulhoso disso”, disse Armstrong à Kerrang . “Ele representa o Green Day de uma maneira nova, mas de uma maneira familiar, onde o jogo está pegando fogo. Isso me lembra muito (single de 1994) Longview de uma maneira estranha, só porque todos os elementos do Green Day estão explodindo. em uma música de dois minutos e meio.”

Apesar da melodia e forma em que o batera Tré Cool faz uma alusão a Fire de Jimi Hendrix, Billie Joe garante que a influencia é incrivelmente outra:

Queríamos criar um groove dançante com espaço entre a bateria e os vocais [inspirados pela] maneira como o [rapper] Kendrick Lamar faz as coisas ou a música da velha escola da Motown, onde lidera com o ritmo.

Durante a gravação desta música, Billie Joe Armstrong tentou algo que nunca ousou tentar antes: ele cantou em um falsete bem agudo.

“Sou uma pessoa muito autoconsciente”, revelou Armstrong à Kerrang . “Acho que há uma coisa sobre mim de onde – e talvez seja de onde eu venho, vindo de uma origem tão da classe trabalhadora – é sufocante. No fundo da sua cabeça, as vozes estão dizendo: ‘Quem você pensa que é? ‘nunca vai conseguir isso.’ Então você acaba se esforçando. Eu comecei a cantar em um falsete estranho, e então de repente você chega ao outro lado ‘Puta merda, eu não posso acreditar que acabei de fazer isso'”


Wake Me Up When September Ends

Pra finalizar, a música que carrega mais peso emocional para o vocalista e ao mesmo tempo a que o deixa mais puto por ela ter virado um meme que até ele zoou devido ao título.

Billie Joe Armstrong, escreveu esta música sobre seu pai, músico de jazz que morreu de câncer quando o vocalista tinha 10 anos, em 1º de setembro de 1982. No funeral de seu pai, Billie chorou, correu para casa e se trancou em seu quarto. Quando sua mãe chegou em casa e bateu na porta do quarto de Billie, ele simplesmente disse: “Acorde-me quando setembro acabar”, daí o título.

Algumas curiosidades que temos aqui, a linha “sete anos passaram tão rápido” é uma referência a banda Sweet Children de Billie Joe Armstrong e Mike Dirnt (que se transformaria em Green Day), que foi formada sete anos após a morte do pai do vocalista. Já “20 anos passaram tão rápido” representa o tempo desde a morte de seu pai até quando Billie Joe escreveu a música.

O vídeo clipe da música foi dirigido por Samuel Bayer, que dirigiu o vídeo de Smells Like Teen Spirit do Nirvana. Jamie Bell e Evan Rachel Wood estrelam o vídeo, trazendo uma abordagem diferente a original que fala sobre o pai de Armstrong. No vídeo há uma reflexão sobre o clima nos Estados Unidos após os ataques de 11 de setembro, com a conotação de guerra, de perda e falta de esperança. Em entrevista à MTV, Bayer disse que este vídeo foi de longe a melhor coisa que já fez. De acordo com o vídeo pop-up do VH1 , todas as explosões no clipe foram reais. Um cara de efeitos ainda teve que se esquivar de um foguete quando ele voou pela janela onde ele estava estacionado.

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: