RIP Rainha Elizabeth – 10 Músicas Sobre a Eterna Rainha da Inglaterra

Por Lucas Santos – Matéria Original NME

Elizabeth Alexandra Mary, mais conhecida como Rainha Elizabeth II, morreu nesta tarde 8 de setembro, aos 96 anos, sendo a monarca mais longeva da história por 70 anos. O relacionamento da Rainha com o mundo da música tem sido instável ao longo dos anos, com uma série de faixas imortalizando-a na música em vários graus de positividade. De Sex Pistols a The Smiths, aqui estão as 10 melhores faixas escritas em homenagem a governante mais tenaz de todos os tempos.


10. THE EXPLOITED – ROYALTY

A charmosa cantiga Royalty do The Exploited é dura na luta contra a monarquia com pouco espaço de manobra. Um argumento equilibrado, é justo dizer, não é o forte deles. E enquanto frases como “Mostre-me uma foto da Rainha agora / Dirty little bitch, fuck little cow” não são exatamente matizadas em seus sentimentos, pelo menos não podemos criticar a banda de Edimburgo por não falar o que pensa…


9. THE HOUSEMARTINS – FLAG DAY

Uma ode desesperada à mão dominante no topo da cadeia alimentar da sociedade, Flag Day percebe que todo tipo de “venda confusa” e “apelações do Blue Peter” não significam nada quando as pessoas no topo controlam os cordões da bolsa: “Tente agitar uma caixa na frente da Rainha/ Porque a bolsa dela está gorda e estourando nas costuras/ É uma perda de tempo se você sabe o que elas significam”.


8. LEON ROSSELSON – ON HER SILVER JUBILEE

O cantor/compositor e escritor de livros de histórias infantis Leon Rosselson pode não ter cobrado o mainstream com sua cantiga folclórica satírica On Her Silver Jubilee, mas suas letras divertidamente irônicas merecem uma revisão. Indo da promessa de um novo amanhecer em sua coroação em 1953 para a realidade desgastada de seu Jubileu de Prata em 1977, é uma queda nítida da instituição real polarizada. “E ela nunca se incomodava com a Receita Federal / Embora seja recompensada regiamente pelas coisas que não faz”, canta Rosselson. Sutíl.


7. PRIMAL SCREAM – INSECT ROYALTY

Vamos para uma mais conceitual agora, com uma faixa do pico crítico do Primal Scream. Atadas sobre batidas sinistras e dubby, as repetições de Bobby Gillespie de que “a realeza dos insetos vive dentro de mim” podem ser vistas como um aceno para o desamparo de nascer em um país ainda governado pela linhagem e não pelo mérito. Ou isso, ou há uma abelha rainha presa em algum lugar e alguém realmente deveria ajudá-lo.


6. BILLY BRAGG – RULE NOR REASON

Não se esquivando de fazer uma declaração social e política, Rule Nor Reason encontra Billy Bragg em uma forma surpreendentemente simpática, vendo o governante como uma figura trágica mais do que odiosa. “A rainha em seu trono toca discos de Shirley Bassey quando está sozinha/ E ela olha pela janela e chora”, ele canta sobre acordeões tristes.


5. THE BEATLES – HER MAJESTY

Uma cantiga acústica dedilhada e cantada por Paul que aparece no final de Abbey Road, Her Majesty é uma das poucas músicas na cultura popular a fazer referência à rainha de maneira neutra a positiva. Aqui, sua majestade é uma “garota muito legal”, embora ela “não tenha muito a dizer”. Não é uma referência impressionante, mas você tem que pegar o que puder, hein?


4. THE STONES ROSES – ELIZABETH MY DEAR

Um curto e doce interlúdio de um minuto no LP de estreia homônimo do The Stone Roses, Elizabeth My Dear oferece um refrão cortante de rima infantil ao som do padrão inglês antigo Scarborough Fair: “Tear me apart and boil my bones/ I’ll not rest till she’s lost her throne/ My aim is true/ My message is clear/ It’s curtains for you Elizabeth my dear”


3. MANIC STREET PREACHERS – REPEAT (STARTS AND STRIPES)

Não deixe a ‘Stars and Stripes‘ do título enganar você: Repeat é o Manics mirando na monarquia e seu poder de segunda mão e deixando rasgar em um ataque devastador. “Eu já vi isso acontecer antes/Esta é uma mensagem da Inglaterra ocupada”, começa antes de explodir em um chamado às armas: “Repita depois de mim, ‘Foda-se a rainha e o país’”.


2. THE SMITHS – THE QUEEN IS DEAD

The Queen Is Dead essencialmente faz o que diz na lata. Uma fantasia poética de assassinato retratando a morte da realeza, as letras farpadas habituais de Morrissey e o ponto de vista intransigente atingiram o pico nesta faixa de 1986. “Sua muito baixa com a cabeça na tipóia”, opina Moz. “Sinto muito, mas parece uma coisa maravilhosa.

Eventualmente, Morrissey acertou.


1. SEX PISTOLS – GOD SAVE THE QUEEN

O que mais? A mais famosa rebelião musical antimonarquia de todas, God Save The Queen, não apenas colocou dois dedos no hino nacional, mas também lançou seu gêmeo malvado e sarcástico no dia do Jubileu de Prata. Afastado do primeiro lugar pelo que muitos ainda acreditam ser uma solução interna, ele aproveitou o descontentamento de uma nação e o transformou em uma bola de três minutos de desprezo antagônico e arrogante. Deus, salve a rainha!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: