10 Álbuns Desconhecidos Mais Interessantes dos Últimos 5 Anos

Só porque você nunca ouviu falar em lugar nenhum, não quer dizer que eles não sejam bons. Dê uma chance e me conta quais você curtiu?


BASILICA – BASILICA (2021)

Estando na ativa desde 2016, só em 2021 que a banda americana Basilica tem somente um álbum, o seu debut autointitulado. O álbum homônimo trás um dos sons mais diferentes dentro do metal que escutei nos últimos ano. Trazendo uma mistura de Hardcore e muitas influências do Sludge Metal, a jovem banda sabe muito bem combinar diferentes elementos de gênero em um som que tem, embora dominado pelo Sludge, diversidade e identidade própria. Mesmo sem ser o álbum perfeito, Basilica é um trabalho pra lá de especial e que entrega muito potencial para futuros lançamentos da banda.

BLACK SITES – EXILE (2019)

O segundo álbum de estúdio da banda de Chicago, Black Sites, é um excelente disco de Heavy Metal. Exile combina influências do metal tradicional, NWOBHM e metal moderno perfeitamente. Cada riff, ponte, guitarra e virada de bateria constrói uma unidade que faz com que soem únicos. Seguindo na linha do seu primeiro álbum, uma evolução que mantém a qualidade com extrema competência.

EAGER PLATYPUS – STATES OF MIND (2019)

Eager Platypus é uma banda interessantíssima vinda da Espanha. O quinteto lançou o seu primeiro e único material de estúdio States Of Mind em 2019 que traz uma boa mistura de hard rock cru, melódico e pitadas de alternativo que se misturam muito bem trazendo um ótimo balanço durantes as 10 faixas. Um trabalho interessante de uma banda que tem como buscar melhores dias se manterem a pegada e as boas composições. No mais, Eager Platypus é uma boa pedida para quem curte um hard rock mais melódico e com pegadas alternativas. Não custa nada conferir.

EMBRACE OF DISHARMONY – DE RERVM NATVRA (2019)

O segundo álbum da banda italiana de Metal sinfônico de Roma, Embrace of Disharmony, é um lançamento experimental, pesado, e que chega com força, derramando uma porção de elementos que tinha tudo pra dar errado. A coragem para misturar tanto em suas músicas se funde com a competência de fazer tudo isso soar coerente. Não é uma audição fácil, mas é algo extremamente gratificante se for dada a devida atenção. De Rervm Natvra é uma incursão emocional, épica, divertida e fascinante, um álbum com todas essas qualidades sem fazer muito esforço. É uma fascinante jornada em um universo musical único, graças à sua linguagem original, com ambientes escuros, estruturas progressivas complexas, partituras orquestrais épicas, melodias de metal e um estilo vocal peculiar. A produção consegue dar espaço para todos os elementos do som da banda e equilibra cada elemento com maestria. Tudo nesse álbum se reúne exatamente da maneira certa. O resultado final é apaixonante, capaz de tocar e mexer com os mais profundos sentimentos e emoções. Poucas vezes o Metal sinfônico foi tão brilhante quanto aqui.

ASTRALIUM – LAND OF ETERNAL DREAMS (2019)

Também de origem italiana, Land Of Eternal Dreams é o primeiro e único álbum do Astralium. Imersivo e complexo, ele possui o intricado som do metal sinfônico, seguindo a linha de bandas como Nightwish e Epica, mas proporciona os ouvintes uma imersidão que nem sempre é conquistada por bandas do gênero. Um achado daqueles que nos fazemos acreditar que esse gênero, tão difícil de ter alguma reformulação, ganha uma sobrevida e um sopro de esperança pra lá de empolgante. Não sei dizer se a terra dos sonhos eternos é realmente um lugar fantástico, mas o caminho até lá vai te emocionar e mexer com sensações únicas que só uma voz lírica, bateria cavalgante e riffs pesados de guitarras podem trazer.

RAT FACE LEWEY – THE FALL OF MAN (2019)

Rat Face Lewey é um trio originalmente de Londres. Formado em 2010 pelos irmãos Jonny (vocal/guitarra) e Mav (baixo) com Gregg na bateria. Nascida em East Midlands, a banda logo partiu para o sul de Londres para começar a se apresentar no circuito da capital. The Fall Of Man é o segundo e último álbum de estúdio do trio. Com uma sonoridade que varia entre o punk, rock de garagem, grunge e rock alternativo, bem britânico em sua estética, o álbum mostra que eles são uma banda que acreditam em sua música, com paixão, energia bruta e ambição.

KHIRKI – ΚΤΗΝΩΔΊΑ (2021)

Esse talvez seja o meu álbum favorito da lista. Vinda de Atenas na Grécia, Khirki é um quarteto que toca um Hard Rock cru com várias influências da música grega. Um rock stoner quase de garagem com muita energia e poder. Certamente, também, um dos álbuns mais diferentes e interessantes e também pouco conhecidos dessa lista. (A capa desse álbum é a foto de perfil da minha PSN nos últimos 3 anos). O álbum de estreia Κτηνωδία vale muito a sua audição, assim como manter a banda no radar para futuros lançamentos.

I AM THE POLISH ARMY – MY OLD MAN (2017)

A banda de rock alternativo com um nome um tanto quanto inusitado, foi formada no Brooklyn e possui apenas um álbum de estúdio desde a data oficial de sua formação em 2016. Emma DeCorsey, grande mente por trás de todo o projeto, comanda o trio com uma voz suave e crua, com composições bem sombrias e um clima bem dark. A sonoridade do I Am The Polish Army se apoia em uma vibe Grunge, com pitadas de Rock Alternativo e Blues Rock. O estilo Indie Rock dos anos 90 também está presente e o foco é bem forte quando as harmonias começam. A voz de Emma passeia por uma melancolia de Kurt Cobain/Chirs Cornell e a instrumentação e produção são cruas e deliciosas. O resultado? Uma forte combinação de uma musicalidade áspera e sutil que checa vários quadrados da música que nos faz pensar sobre a vida.

HONEY CREEK – A WHOLE YEAR IN TRANSIT (2020)

A Whole Year In Transit é um debut de surra nostalgica de Pop Punk. Mesmo se comparado com os recentes trabalhos de grande bandas, os meninos do Honey Creek de Milwaukee dão um banho. Histórias de amor adolescente, fugir da cidade natal, escola e mais… Todos os clichês estão inseridos em 25 minutos aqui. E eu amo! Não consigo mensurar o barulho que o Honey Creek faria se tivesse surgido nos anos 2000. Boas lembranças.

FVNERAL FVKK – CARNAL CONFESSIONS (2019)

Poucas vezes me deparei com um nome de banda tão bizarro com o do Fvneral Fvkk, e poucas vezes também me deparei com um temática de álbum tão específica quanto em Carnal Confessions. O álbum de estréia desse ato de metal épico/doom metal alemão contém letras que seguem a simbiose entre religião e sexo que foi definida no EP Lecherous Liturgies (2017), abordando abusos sexuais na Igreja Católica com mais sinceridade angustiante e clareza assustadora. Ele é facilmente um dos melhores álbuns de doom metal do ano de lançamento (2019) e dos últimos ano. Me conquistou nesse estilo que dificilmente me agrada. A riqueza lírica de assuntos horrendos e grandes estruturas instrumentais aliados à uma ótima produção que encaixa perfeitamente na atmosfera apresentada são os grandes triunfos do álbum. Para os fãs, uma pedida obrigatória, para os aventureiros, uma ótima porta de entrada no gênero.

Deixe uma resposta