A História do Straight Edge Hardcore em 10 álbuns

Por Lucas Santos – Matéria Original TheVinylFactory.

Em 1980, o punk rock, um dos movimentos artísticos e musicais mais inovadores e confrontadores da era moderna, estava se preparando para o refrão “No Future” do hino do Sex Pistols, God Save the Queen. O baixista do Pistol, Sid Vicious, havia morrido, possivelmente cometendo suicídio, e um ano depois Darby Crash dos Germs o seguiu. O mantra romântico “viva rápido, morra jovem” estava se tornando cada vez mais uma realidade sombria, à medida que muitos punks empilharam drogas pesadas em cima de bebida, cola e maconha em abundância.

Ainda assim, do punk veio o hardcore, um estilo agressivo, rápido e despojado inspirado por pioneiros como Black Flag, Circle Jerks, Fear e Bad Brains. E o hardcore rapidamente geraria uma contracultura dentro da contracultura punk: crianças que acreditavam na verdadeira revolução punk estava em não usar drogas, em não beber até morrer. Apesar do que parecia uma rebelião anti-rebelde, o punk straight edge persiste como um elemento vibrante de muitas cenas musicais e como uma cultura importante por si só.

Embora o straight edge tenha muitos significados diferentes para muitas pessoas diferentes, um compromisso vitalício de se abster de drogas, tabaco e álcool continua sendo a pedra angular do movimento: não beber, fumar, não usar drogas recreativas. Muitos também falam contra “conquistar” o sexo ou usar outros para gratificação temporária. Além desses princípios básicos, os adeptos combinaram a linha reta com outros estilos de vida e ideologias. Muitos adotam dietas vegetarianas ou veganas. Alguns evitam a cafeína. Outros combinam sua identidade de ponta com (geralmente) políticas progressistas, como anti-fascismo/racismo, feminismo e direitos dos animais. Mas uma vida livre de substâncias continua a ser o alicerce da cultura straight edge, uma promessa para durar toda a vida.

Os adeptos do straight edge são mais reconhecíveis quando fazem o desenho de um X preto em suas mãos. O X começou sua marcha para se tornar o símbolo universal de straight edge através da capa do EP Minor Disturbance do Teen Idles, que apresenta as mãos cruzadas, cada uma marcada com um grande X, e reaparece em incontáveis ​​registros de straight edge. Originalmente destinado a distinguir fãs menores de idade em shows para que não bebessem álcool, o X se tornou um sinal de desafio em face da atitude punk autodestrutiva e uma cultura mais geral de embriaguez.

A performance ao vivo é onde o hardcore straight edge realmente brilha. O caos frenético do mosh pit atingiu novos níveis quando os garotos do hardcore incorporaram chutes de kung-fu, batidas maníacas e mergulhos acrobáticos em seu repertório de mosh. Durante os shows de hardcore mais transcendentes, a banda e o público são virtualmente indistinguíveis, enquanto a platéia literalmente rastejam umas sobre as outras para cantar no microfone e os mergulhadores irrompem no palco antes de mergulhar na confusão abaixo.

Apesar de algumas figuras do straight edger de alto perfil – o lutador profissional CM Punk, o jogador profissional de beisebol C. J. Wilson e, controversamente, James Hetfield do Metallica – o hardcore straight edge permanece notavelmente underground. Algumas bandas de sucesso, como Rise Against, Killswitch Engage e Throwdown, têm membros straight edge. Ainda assim, desde o seu início, o straight edge se espalhou pelo mundo, com vibrantes cenas de hardcore da Indonésia e África do Sul ao Brasil e Suécia. O que se segue é um breve tour pela história do Straight Edge usando algumas das bandas e álbuns para ilustrar momentos significativos na cena.


MINOR THREAT – MINOR THREAT (1984)

O Straight edge surgiu com a música de 46 segundos Straight Edge, produto da seminal banda de hardcore de Washington, D.C., Minor Threat, lançada pelo selo punk DIY Dischord Records. De acordo com a música, bebida e drogas são “muletas” e usuários de drogas são “mortos-vivos” – ser livre de drogas ou “straight” é uma “vantagem”, uma vantagem na vida.

O vocalista Ian MacKaye insiste que não tinha intenção de iniciar um movimento e que estava cantando sobre sua própria escolha pessoal e resistindo a uma cena que zombava de sua abstinência. Mesmo assim, a demanda direta por respeito sem drogas afetou os jovens nos Estados Unidos e além, e o Minor Threat continuou a inspirar as crianças em todo o mundo. A faixa-título do segundo EP da banda, Out of Step, explicitou a filosofia do straight edge em um verso simples: “(eu) não fumo/(eu) não bebo/(eu) não fodo/mas pelo menos eu consigo pensar ”. Shows na Costa Oeste, Nova York e Boston, junto com conexões com bandas como 7 Seconds, SSD e Youth Brigade, ajudaram a espalhar a filosofia do straight edge.

UNIFORM CHOICE – SCREAMING FOR CHANGE (1986)

O straight edge rapidamente se espalhou pelos Estados Unidos, incluindo o sul da Califórnia, onde as bandas Unity e mais tarde Uniform Choice se tornaram a base de uma cena florescente. A cena punk seguia o roteiro niilista, dependente de drogas e violento comum ao punk da época, capturado no clássico documentário The Decline of Western Civilization. De muitas maneiras, o Uniform Choice se tornou a menor ameaça da Costa Oeste, espalhando o evangelho do straight edge com canções como Use Your Head e Straight and Alert, e formando a Wishingwell Records, um selo DIY que publicou muitos importantes lançamentos de straight edge.

YOUTH OF TODAY – CAN’T CLOSE MY EYES (1985)

Em meados dos anos 80, o Youth of Today de Nova York transformou a coleção aleatória de indivíduos straight edge em um movimento crescente de bandas straight edge auto-identificadas. NYC gerou a era da “youth crew”, espelhando a música de mesmo nome da banda, apoiada pela Revelation Records e shows de matinê no icônico local CBGB. A faixa Positive Outlook ajudou a inspirar o tema da “positividade” da era, em si uma reminiscência do ‘PMA’ dos Bad Brains, ou atitude positiva mental. O álbum também prenuncia a eventual adoção da Consciência de Krishna por Cappo e o guitarrista Porcell, já que eles se comprometem a “juventude positiva e crescimento positivo”, tornando-se o limite, para alguns, parte de uma busca espiritual por desenvolvimento pessoal. No entanto, o movimento também se tornou cada vez mais hiper-masculino, marginalizando as mulheres e atraindo atletas mais interessados ​​em luta do que positividade. A música We Just Might sugeria que a violência dos bêbados seria correspondida da mesma maneira e refletia a reação que as crianças heterossexuais costumam sentir de seus colegas punks.

JUDGE – NEW YORK CREW (1988)

Nem todo mundo era apaixonado pela filosofia de vida limpa e muitos consideravam as bandas como Minor Threat em diante enfadonhas e críticas. Apesar de sua afirmada positividade, Youth Of Today enfrentou ataques em muitas frentes. Mike “Judge” Ferraro, que já tocou bateria para a banda, se juntou a Porcell para criar uma banda mais pesada e mais conflituosa, chamada Judge, essencialmente retratando a caricatura que seus críticos imaginaram. Os riffs inspirados no metal prenunciaram a próxima era do hardcore metálico e as letras vigorosas deixaram poucas dúvidas de onde a banda estava. A faixa de abertura Fed Up afirma: “Não terei essa merda [drogas] em volta de mim nunca mais”, enquanto o colapso de In My Way declara os usuários de substâncias “Você perdeu meu respeito”.

MANLIFTINGBANNER – TEN INCHES THAT SHOOK THE WORLD (1992)

Enquanto muitas bandas punk dos Estados Unidos usavam sua política em suas mangas, bandas jovens formadas pela filosofia straight edge tinham a mesma probabilidade de cantar sobre a cena, crescimento pessoal e serem francos por causa disso. Em contraste, o segundo álbum da banda holandesa Manliftingbanner abre com um discurso de propaganda anticomunista do infiltrado e informante do FBI Herbert Philbrick, seguido pela faixa Commitment, na qual o vocalista Michiel grita “Commitment to Communism!“. A capa do disco parafraseia radicais anteriores com uma mensagem rabiscada nas costas de um homem: “A humanidade não será feliz até que o último burocrata seja dissolvido no sangue do último capitalista“. Manliftingbanner exemplificou uma corrente anti-fascista, anti-patriarcado, anti-homofobia e anti-capitalista mais comum fora dos Estados Unidos (o Refused da Suécia é outro exemplo). A música Still Straight ecoou um tema comum direto: professar sua lealdade contínua ao straight edge, mesmo quando seus amigos “se venderam”.

EARTH CRISIS – FIRESTORM (1993)

Combinando o compromisso declarado do straight edge com a política direta do Manliftingbanner, o Earth Crisis de Nova York se tornou a face do straight edge ao longo da década de 1990. As primeiras bandas do straight edge defendiam o vegetarianismo em algumas de suas canções – por exemplo, Youth of Today (‘No More’), Insted (‘Feel their Pain’) e Manliftingbanner (‘Consume & Kill’) – mas como uma banda que se autodescreve como “vegan straight edge” , o Earth Crisis tornou os direitos dos animais (e o ambientalismo) centrais em cena, inspirando milhares de crianças a abandonar totalmente os produtos de origem animal.

A faixa-título de Firestorm, o segundo EP da banda, continua sendo um hino puro, predizendo um apocalíptico “Firestorm to purify” à todos, desde políticos corruptos e agentes da lei a chefes do tráfico. Apelando à “violência contra a violência” e declarando “guerra total”, a faixa captura as letras de confronto ao longo da discografia de EC. A ascensão da banda também correspondeu ao crescimento dos chamados straight edge “militantes” e “gangues”, como Courage Crew, grupos exclusivos de amigos em sua maioria masculinos que defendiam de forma vigorosa, até violenta, uma vida livre de drogas.

A convergência de ativismo “radical” pelos direitos dos animais, um som “metalcore” mais agressivo e equipes de hardcore levaram a histórias sensacionais na mídia sobre vigilantes heterossexuais caçando fumantes e bebedores e se engajando em eco-terrorismo. Várias agências de aplicação da lei nos Estados Unidos declararam o straight edge uma gangue e/ou organização terrorista e o Earth Crisis se tornou uma das bandas mais controversas da história da cena. Embora certamente existissem caras durões e as brigas fossem uma presença constante em algumas cenas, a “ameaça” do straight edge foi em grande parte uma criação da mídia, alimentada por programas de TV como o America’s Most Wanted.

UNBROKEN – LIFE. LOVE. REGRET. (1994)

Misturando hardcore rápido com riffs metálicos lentos e brutais, o Unbroken de San Diego sacudiu a cena com sua música que muda de ritmo e letras introspectivas. Lançado no influente selo de hardcore New Age Records, Life.Love.Regret partiu da positividade da época da juventude, explorando emoções mais sombrias, solidão, dor e suicídio. Várias canções refletem uma luta pela individualidade, paz e clareza em face da tecnologia industrial corrupta, religião enganosa e drogas viciantes. A pungente Final Expression pergunta “Vida, amor, arrependimento/Quanto valeu a pena?”. O Unbroken captura a emoção, a política e as inovações musicais do hardcore do início a meados dos anos 90, influências que ecoam em inúmeras bandas até o presente. Eles uniram os estilos de jovens e de metalcore enquanto criam algo único; Os shows da sua recente reunião esgotados em todo o mundo provam que seu impacto continua vivo.

CHAMPION – PROMISES KEPT (2004)

Construindo sobre a base lançada pela banda política de straight edge Trial, o Champion ajudou a transformar Seattle em uma das cenas mais vibrantes de straight edge hardcore do mundo, dando continuidade ao renascimento da equipe juvenil do final dos anos 90 liderado pelo Floorpunch. Em 2015, uma variedade de bandas de hardcore fizeram uma turnê pelo mundo, mas o Champion foi uma das primeiras a fazer uma turnê extensa além da Europa, visitando a América do Sul e a costa do Pacífico. Muitas das letras de Promises Kept capturam os sentimentos de ser decepcionado por amigos, enfrentando mudanças e desafios na vida, relembrando o passado e perseverando diante da adversidade, todos temas comuns.

As crianças da era estão agora na casa dos trinta e as crianças dos anos 90 começaram a transição para a idade adulta, se perguntando o que tudo isso significava e que lugar o straight edge pode ocupar em seu futuro. Em Perspective, eles cantam “E com o passar dos anos eu vejo o que construímos/Passamos todas as expectativas que estabelecemos”, enquanto a faixa final dos registros proclama que “Todos os nossos melhores dias estão por vir/Enquanto os seus estão muito atrás.

HAVE HEART – THE THINGS WE CARRY (2006)

Junto com Washington, D.C., Nova York e Southern California, Boston tem sido um centro de bandas influentes de hardcore e straight edge. Society System Decontrol (SSD) foram lendas do início dos anos 80, In My Eyes ajudou a liderar um renascimento da “youth crew” em meados dos anos 90, porém foi o Have Heart que emergiu, junto com o Champion, como a banda mais influente dos anos 2000, em turnê no mundo antes da dissolução em 2009. Comprometidas com a positividade e o engajamento político, canções como The Machinist apelavam à resistência não apenas às drogas, mas a qualquer força que pudesse sufocar o potencial humano: “Deixe nossas vozes formarem as armas”. Lançado no selo Bridge Nine – um dos mais importantes selos contemporâneos para o hardcore – The Things We Carry continua sendo um dos lançamentos mais vitais do straight edge hardcore dos anos 2000.

WOLF X DOWN – STRAY FROM THE PATH

Chegando em 2015, grande parte da energia política e criativa do straight edge estava fora dos EUA. Wolf Down, uma banda vegana e anarquista heterossexual da Alemanha, é o garoto propaganda do hardcore político. Com veemência contra a homo e a transfobia, a crueldade contra os animais, o nacionalismo e o racismo, a banda combina riffs pesados e colapsos metálicos brutais com um clamor retumbante por revolução. Turnês extensas, incluindo na Ásia, os colocaram no mapa global do straight edge. Até 2014, a cantora do Wolf Down era Larissa Stupar, que hoje integra a banda de death metal Venom Prison, infelizmente é a única mulher incluída nesta lista.


Outro: Esta lista deixa de fora mais do que inclui, como são as maiorias das listas. SSD, Larm, Insted, Bold, Chain of Strength, Floorpunch, Throwdown, Miles Apart e uma dúzia de outras bandas também deixaram sua marca.

Tivemos, no meio de 2015, estamos no meio de um show de reunião perpétua, com bandas de jovens (incluindo YOT e Judge) tocando em festivais de hardcore e fazendo turnês internacionais. Edições raras de muitos desses primeiros discos são vendidas por centenas, até milhares de dólares americanos. Isso é um sintoma das crianças dos anos 80 entrando na casa dos quarenta e sendo capazes de saciar sua nostalgia agora que muitos deles têm empregos estáveis e alguma renda disponível? Possivelmente.

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: