15 Bandas que se Reinventaram

Por Lucas Santos – Matéria original Loudwire

Ser um “pônei de um truque só” sempre foi um problema no mundo do rock. Embora não haja nada de errado em ter um estilo musical e mantê-lo, alguns músicos vão querer começar a explorar e inventar algo que ninguém ouviu antes. E ao invés de apenas testar, essas bandas pularam para um novo som primeiro e realmente se tornaram mais fortes depois disso. Considerando que a maior parte do rock ‘n’ roll pode ser uma explosão, tocar seu som de vez em quando é sempre muito mais divertido.


MEGADETH – YOUTHANASIA (1994)

Uma vez que a onda alternativa começou a aparecer durante os anos 90, muitas bandas de metal não sabiam mais para onde ir. Mas Dave Mustaine sabia, pegando o som thrash tradicional do Megadeth e tornando-o muito mais temperamental em músicas como A Tout Le Monde, o que deu a eles muito mais espaço de manobra para brincar com seu som no futuro. Countdown To Extinction não estava muito atrás, mas eles já tinham seus olhos em algo muito maior neste momento.

RUSH – GRACE UNDER PRESSURE (1984)

Para os fãs mais obstinados do Rush, o período dos sintetizadores é o momento em que o período clássico começa a minguar um pouco. No caso de Grace Under Pressure, os ícones canadenses colocaram muito mais músculos em suas músicas embebidas de sintetizadores com algumas das melhores letras que Neil Peart escreveu durante a década. Pode ter parecido que eles estavam se esgotando na época, mas nenhuma banda procurando ficar de olho no dinheiro poderia escrever algo tão sincero como Red Sector A.

SLAYER – SOUTH OF HEAVEN (1988)

O dia em que você ouvir a frase “Slayer é vendido” será provavelmente um sinal do apocalipse. Não havia nenhuma maneira de você encontrar Kerry King e companhia perseguindo tendências, e eles conseguiram ficar ainda mais sombrios quando tiveram Reign in Blood em sua discografia. Não tentando fazer o mesmo álbum de novo, é aqui que temos alguns riffs mais sombrios e ritmos mais lentos para criar algo muito mais ameaçador. Isso não era mais apenas punk misturado com metal. Esse era o tipo de metal com que o Black Sabbath apenas sonhava.

DEEP PURPLE – BURN (1974)

Você realmente não pode imaginar um caso melhor de mudança de estilo quando o vocalista da banda sai. Como Roger Glover e Ian Gillan deixaram o Purple nessa época, a aposta de um cara relativamente desconhecido chamado David Coverdale valeu a pena, com uma reviravolta em sua típica entrega de blues. Junto com a “Voz do Rock” Glenn Hughes, o Purple tornou-se verdadeiramente à prova de balas, obtendo riffs que o atingiram como uma marreta, ao mesmo tempo que se mantinham incrivelmente emocionantes.

DEFTONES – DIAMOND EYES (2010)

A história que levou a este álbum não é algo que você desejaria ao seu pior inimigo. Decidindo arquivar seus planos originais de álbum após o trágico e fatal acidente de carro do baixista Chi Cheng,o Deftones realmente entregou o que quer que fosse com Diamond Eyes. O álbum incluiu canções que o jogaram de volta para o White Pony, enquanto abraçava a nova escola de rock também. Músicas como a faixa-título e You’ve Seen the Butcher parecem o que Slayer soaria se eles passassem por uma fase de ouvir My Bloody Valentine. Como não amar?

QUEEN – THE GAME (1980)

Se houvesse um caso de “selling out” nessa lista, o Queen provavelmente o mereceria com o lançamento de The Game. Ou seja, se o álbum não fosse tão bom quanto qualquer um de sua discografia. Indo em uma direção muito mais pop do que seus primeiros dias, esse foi o ponto onde a banda foi de deuses do rock a superstars globais novamente, com músicas como Another One Bites the Dust ainda tocando nas rádios em todos os lugares que você vai hoje. Os dias de Bohemian Rhapsody eram uma coisa do passado… era hora de passar para a geração MTV.

GUNS N’ ROSES – USE YOUR ILLUSION I + USE YOUR ILLUSION II (1991)

Ao falar sobre os melhores álbuns de estreia da história, é melhor você reservar um lugar privilegiado para o Appetite for Destruction. Então, novamente, você pensaria que a banda estava tentando enterrar sua glória passada no álbum, dado que Axl Rose joga todos os estilos, de baladas de piano a canções acústicas, até arranjos orquestrais completos. E por algum milagre, funcionou, lançando o Guns na década seguinte com a força de canções como November Rain e Don’t Cry. Eles podem ter vindo da cena do hair metal, mas esses lançamentos estavam muito longe de bandas como o Poison.

ANTHRAX – SOUND OF WHITE NOISE (1993)

Quando os anos 90 começaram, o Anthrax poderia facilmente ter continuado com Joey Belladona no comando. Assim que eles tiveram uma queda, o rugido do leão de John Bush deixou algumas pessoas céticas sobre o quanto a banda mudaria. Se a música Only for alguma indicação, essas lendas do thrash não precisam se preocupar com nada. Pode ter sido uma roupa nova e um pouco de uma nova voz, mas o mesmo tipo de intensidade ainda estava lá.

PANTERA – COWBOYS FROM HELL (1990)

Os primeiros quatro álbuns que o Pantera lançou parecem que você está ouvindo duas bandas diferentes. Embora os irmãos Abbott fossem apenas crianças quando começaram a brincadeira, eles realmente cresceram quando chegaram ao Cowboys From Hell. Depois de um álbum para conhecer a banda, Phil Anselmo realmente se destacou aqui, tendo uma voz que poderia te assustar até a morte e ser introspectivo ao mesmo tempo. Sem este álbum, toda a versão do metal dos anos 90 teria sido muito diferente.

GREEN DAY – AMERICAN IDIOT (2004)

Nós realmente não esperavamos que muitas bandas de pop punk crescessem. Ao ouvir Dookie naquela época, teríamos jurado que o Green Day iria escrever canções punk arrogantes para o resto de suas vidas … então o governo Bush aconteceu. Depois de escrever a faixa-título de American Idiot, Billie Joe Armstrong montou uma ópera rock inteira centrada em crianças tentando encontrar sua identidade em um país que parecia estar se desintegrando. Em uma cena que era toda sobre letras adolescentes malcriadas, a coisa mais punk rock que você poderia ter feito era desafiar a tendência e lançar algo assim.

BRING ME THE HORIZON – SEMPITERNAL (2012)

Se você dissesse aos fãs de Count Your Blessings que o Bring Me the Horizon faria um álbum como este, suas cabeças iriam explodir. Depois de tentar sua sorte no deathcore por quase meia década, o Bring Me the Horizon usou o Sempiternal para ir aonde eles quisessem com o superprodutor Terry Date no comando. Alguns fãs mais endurecidos podem ter abandonado o barco por causa disso, mas este foi apenas o começo de ver o que BMTH realmente poderia fazer.

AEROSMITH – PERMANENT VACATION (1987)

Com base em quantas vezes eles conseguiram voltar do ostracismo, o Aerosmith pode na verdade ser uma banda com nove vidas. Recém-saído de sua colaboração rap-rock com o Run DMC, foi aqui que demos uma olhada na versão pop star da banda, com compositores como Desmond Child entrando na mistura. E na era do hair metal, isso se encaixou como uma luva, dando a eles sucessos como Angel para os fãs cantarem junto nos shows. A química entre Steven Tyler e Joe Perry não tinha ido a lugar nenhum, eles apenas precisavam redescobrir sua arrogância.

VAN HALEN – 5150 (1986)

E agora chegamos a uma das mudanças mais impensáveis na história do rock. Se qualquer outra banda tivesse alguém como David Lee Roth saindo, eles deveriam estar mortos na água. Quando sua banda é o Van Halen, você simplesmente segue em frente, com Sammy Hagar trazendo um estilo muito mais realista para a banda. Mesmo com a inclusão de mais alguns teclados em músicas como Dreams, a música nunca parou de se sentir como o Van Halen. Diamond Dave pode ter desaparecido, mas a magia sempre esteve na música com o Van Halen.

LINKIN PARK – A THOUSAND SUNS (2010)

Após o golpe duplo de Hybrid Theory e Meteora, o Linkin Park poderia facilmente ter encerrado a carreira e ainda assim ser chamado de lenda. Esses eram artistas, porém, e eles tinham apenas arranhado a superfície do que podiam fazer. A Thousand Suns foi um grande álbum conceitual sobre o que acontece após os efeitos da guerra nuclear. Embora as músicas eletrônicas não sejam tão difíceis comparado com algo como A Place For My Head, o que temos ainda são algumas das peças mais clássicas de seu catálogo. Dados todos os elementos sintéticos deste álbum, este é provavelmente o mais perto que o Linkin Park chegou de fazer algo como Kid A. do Radiohead.

METALLICA – METALLICA (1991)

Quando você fala sobre bandas de metal que foram capazes de ir além de seu público, o Metallica tem que ser o primeiro que vem à mente. Depois de se tornarem os reis do underground por quase uma década, o Black Album é onde eles voltaram seus olhos para o sucesso mainstream e fizeram um dos maiores álbuns de todos os tempos no processo. Embora a intensidade de algo como And Justice for All possa não estar muito presente, este é mais do que apenas um disco normal de hard rock. Este é o tipo de música que fez tantos fãs jovens amarem o metal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: