Review: Devise – Depois de Abrir Os Olhos

Por Roani Rock

Os guri mostraram um amadurecimento elevado com o novo trabalho. Sem rasgação de seda, lançaram o que podemos categorizar como o trabalho mais bem feito de forma independente dos últimos anos no Brasil. Como sugere o título, faz com que “depois que abrirmos os olhos” venhamos a perceber que rock britânico pode ser cantado em português, com músicas poderosas, de qualidade, passando uma verdade em sua mensagem sem parecer imitação de gringo, obtendo assim autenticidade.

Roani Rock

Confira mais Rock em 2021:
Hanson – Against The World
Blacktop Mojo – Blacktop Mojo
Cruzh – Tropical Thunder
Ressurection Kings – Skygazer
Mammoth WVH – Mammoth WVH

Gravadora: Independente
Data de lançamento: 26 /11/2021

Gênero: Britpop/Rock Alternativo
País: Brasil


Devise é uma banda que podemos chamar de batalhadora. Talvez “operários do rock” soe exagerado, mas depois de um trabalho interessante com Petricor de 2017, os mineiros souberam usar todo o lucro guardado do que foi feito com bom marketing e shows ao passar dos anos. O investimento proporcionou o que podemos chamar de “melhor trabalho independente já produzido por uma banda independente que ainda – ou talvez por enquanto – não atingiu uma grande massa popular de fãs“. Pode parecer uma rasgada de seda por conta de já termos sugerido eles no banda da semana e termos gravado um podcast com o vocalista falando sobre britpop, mas garanto que não é.

Eles usaram o momento de isolamento social de forma proveitosa para obter um crescimento de influências para completar as composições do álbum que temos em nossa frente que estava previsto pra ser lançado em 2020. Luís Couto (voz, guitarra e violão), Bruno Vieira (guitarra), Bruno Bontempo (baixo) e Daniel Mascarenhas (bateria) trazem 10 faixas que estão em equilíbrio com os períodos de pré-pandemia e “pós-pandemia” com ares de músicas de arena, todas com seus momentos e bons refrãos numa vibe similar a do disco Cosmotron de 2003 do Skank.

O Britpop é a força motriz aqui, algo perceptível até no título da faixa de abertura Mikechester, que possui um riff especial além de uma letra instigante. Seguimos com Aurora que provavelmente é a melhor música do álbum, um som que já nasceu um clássico e que conta com uma contribuição vocal valiosa da francesa Ysée que faz backing vocals no coro feminino na banda de apoio de Noel Gallagher, os High Flying Birds. O ex-líder do Oasis certamente é a maior influência do Devise, tanto em termos de processo criativo de composição de letras quanto de melodias. Por isso a presença da cantora aqui traz uma responsa e reconhecimento sem igual para os mineiros.

Além do Próprio Espelho, a terceira faixa do disco, foi a porta de entrada para muita gente conhecer a banda em 2018, quando ela foi lançada como single. Em 2020 ela ganhou uma versão acústica muito interessante, mas ela estar presente em Depois de Abrir Os Olhos com sua versão original elétrica é muito importante já que esta possui solos incríveis e uma força bem radiofônica. Difícil de ser ignorada, assim como sua antecessora, é como se fosse um clássico, mas nesse caso, cabe essa definição ao menos para os fãs da banda devido ao tempo em que ela já está circulando.

Entre Nós é a balada do álbum, um arranjo de muito bom gosto das guitarras e a voz limpa de Luís preparam o terreno para a banda entrar em seguida com precisão na batera de Mascarenhas e o baixo de Bontempo explorando as nota mais agudas do instrumento para trazer um climax na letra reflexiva. Em seguida a banda traz Nunca mais, aquela feita para puxar a galera pra pular devido a batida da batera bem pra frente e o refrão adrenalínico.

Onde Vai Chegar me fez lembrar de Tom Petty and Heartbreakrs em Mary Jane’s Last Dance. Apesar da semelhança com o hit do americano, o som dos guri mineiro tem suas propriedades e peculiaridades, principalmente pela parte sinfônica bem única tocada por duas feras: o italiano Frederico Puppi nos arranjos orquestrais e violoncelo e Pedro Mibielli no violino e viola.

Para não dizer que só há variantes de som inglês, elementos de outras frentes são entregues aqui. O vocalista da banda mineira de metalcore Pense, o cantor Lucas Guerra, faz um discurso voraz em De Quanto Em Quanto Tempo?. A faixa MCMX é inspirada em um oração do médium Chico Xavier (1910 – 2002) o que termina por trazer um pouco de brasilidade ao grupo além do fato de cantarem português e terem dentre tantas outras bandas Charlie Brown Jr. como influência.

Tempo Aberto nos traz de volta ao ambiente britânico, com uma bem característica batera por parte de Mascarenha servindo de introdução para a voz repleta de drive de Luís, contém o melhor solo do disco que surge das paletadas de Bruno Vieira. Por fim, Novo Céu termina o álbum que é repleto de adrenalina de forma divertida em um som otimista.

É um álbum para se colocar na estante de cabeceira da coleção física e favoritar nos streamings, botando os hits e porque não ele inteiro nas playlists de rock alternativo, de rock independente e sons de rock brazucas. o rock nacional atual vem sendo lapidado por uma galera muito boa e Devise ao meu ver não é só mais um, facilmente os caras podem ser um “homens de frente”, um dos pilares, talvez a torre no tabuleiro de xadrez, já que representam força e expressão com carisma, trabalho, divulgação e esforço como nenhuma outra consegue.

Nota final: 8,5/10

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: