Review: Jinjer – Wallflowers

Por Cleo Mendes

A música Vortex é um exemplo, onde a começa com relativa facilidade e rapidamente instila um senso de urgência apenas para terminar em um colapso violento que homenageia o estilo metalcore anterior da banda.

Cleo Mendes

Confira mais Metal em 2021:
Edu Falaschi – Vera Cruz
Accept – Too Mean To Die
Nervosa – Perpetual Chaos
Turnstile – Glow On
ERRA – ERRA

Gravadora: Napalm Records
Data de lançamento: 27/08/2021

Gênero: Metalcore/Metal Progressivo
País: Ucrânia


O Jinjer é uma daquelas bandas que não requer muita introdução para a sua grande maioria de fãs. O quarteto ucraniano abriu caminho para os holofotes internacionais com seu segundo álbum Cloud Factory (2014), e posteriormente conquistou seu próprio nicho com um som mais progressivo apresentado em King of Everything (2016). Aqui, o Jinjer se tornou associado a algumas texturas sônicas que imediatamente se tornaram a etiqueta de identificação da banda; um groove implacável, imprevisível, emparelhado com uma entrega lírica e vocal que é de excelência, prendendo o ouvinte à hipnose conjunta dos dois lados.

Depois de fazer inúmeras turnês e shows esgotados, receber aclamação da crítica a banda está entre um dos maiores nomes do metal moderno atualmente, e o seu aguardado quarto álbum de estúdio é uma gênese formada por uma longa e deliberada habilidade musical, composição de canções nos bastidores e inspirações emocionalmente tensas que são evidentemente influenciadas pelo estado dos assuntos globais atuais. O álbum instila uma atmosfera de pavor e desconforto que é fresca para o ouvido, mas também mantém muito do som de metalcore progressivo característico da banda.

Trabalhando como uma unidade, o baterista Vlad Ulasevich e o baixista Eugene Abdukhanov traçam o groove fundamental do álbum excepcionalmente bem, entrelaçando-se um com o outro como se estivessem envolvidos em uma valsa intensa e cheia de ação, enquanto também dão espaço um para o outro para adicionar surpresas aos seus papéis. Tatiana Shmayluk, embora conhecida por seu controle extraordinário e imediato de seu alcance vocal e dinâmica, supera suas performances anteriores com este álbum que captura suas linhas vocais magníficas e transições repentinas de uma maneira cativante. Certamente uma das vozes mais poderosas do metal extremo.

Temos com o guitarrista Roman Ibramkhalilov provavelmente o papel mais diverso no álbum. Várias composições se intercalam entre riffs estimulantes e frases ambientes suaves, garantindo que as guitarras do disco, sejam limpas, espaçadas ou distorcidas, atuem como uma cola entre todos os elementos de cada faixa. A música Vortex é um exemplo, onde a começa com relativa facilidade e rapidamente instila um senso de urgência apenas para terminar em um colapso violento que homenageia o estilo metalcore anterior da banda.

Do outro lado, faixas como Call Me a Symbol, Disclosure! e Copycat não hesitam em respirar, mesmo por uma fração de segundo, mantendo o groove da banda entre todos os instrumentos mesmo que ativados em momentos dinstintos. O disco tem um descanso momentâneo na faixa-título do álbum Wallflower; suave e inquieta, mas terminando de uma forma dramática, alta e ampla, sobre como uma pessoa se sente em sensação sutil de ansiedade antes do pânico que se segue em uma situação perigosa. O álbum retém a experiência de viajar por uma jornada sonora. Embora seja intencionalmente desconfortável e introspectivo, as composições e a produção do álbum proporcionam uma experiência cativante.

Wallflowers é um disco excepcional, capaz de dar as boas-vindas aos fãs da banda por horas intermináveis ​​de improvisações desenfreadas e também introduzir a banda a novos fãs. O Jinjer, sendo uma das bandas na vanguarda do metal progressivo, conduz seu navio firmemente para territórios desconhecidos, som na busca incessante pelo próximo impacto. Até o momento eles merecem sim todo os louvores da comunidade metaleira.

Nota final: 8,5/10

3 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: