13 álbuns de Rock e Metal Japoneses Essenciais que Você precisa Conhecer

Por Lucas Santos – Matéria original Kerrang!

Uma história cheia de sangue, escuridão gótica fantasmagórica, extravagância irresistível, magia do anime e extravagância do barroco francês, o rock japonês foi dominado por uma estética tão essencial para sua existência como a pintura de cadáver é para o black metal. Ao contrário das sensibilidades estereotipadas do heavy metal, a subcultura do visual kei flerta com cor, gênero e gênero de uma forma inteiramente única no Japão, com seus companheiros optando por mudar sua aparência e estilo não apenas entre os álbuns, mas frequentemente dentro do mesmo álbum.

Mas essa visão caleidoscópica da personalidade de um artista é apenas a ponta do iceberg do J-rock e metal. Aqui, apresentamos os 13 álbuns de que você precisa da cena japonesa em constante evolução – desde suas origens de cabelo de arranha-céu até seu presente que domina o planeta …

X Japan – Blue Blood (1989)

Trinta anos depois e ainda a personificação de Psychedelic Violence Crime Of Visual Shock. O uso ultrajante da milícia de metal de Chiba de cores kabuki, couro e penteados colossais teriam virado mais do que algumas cabeças em 1989 – uma visão reforçada pela ferocidade selvagem de seu ataque de heavy metal épico. Um casamento de rosas e vísceras, de selvageria tempestuosa e beleza devastadora, Blue Blood foi o X Japão em sua forma mais dinâmica e sedutora – seus desejos em sua forma mais sádica. Tokyo’s Dead End pode ter sido o primeiro álbum, mas com seu segundo trabalho, o X se tornou a força dominante na música japonesa.

D’erlanger – Basilisk (1990)

Trocando o speed metal sleaze pelas sombras temperamentais do pós-punk, em 1990 o D’erlanger havia se juntado às fileiras de Buck Tick e Zi: Kill como os precursores de um novo movimento prestes a consumir a década seguinte. A verdadeira encarnação do erotismo, Basilisk envolve tons de euforia gótica do Joy Division, enquanto o vocalista Kyo atrai seu público para um covil vibrante cheio de intriga sombria, enredando-os em sua teia de David Sylvian até que eles não possam mais se contorcer. Esses hinos aveludados envolveram uma geração com uma crescente intensidade erógena que a cena raramente viu desde então.

Luna Sea – Mother (1994)

Nos círculos de J-rock, 1994 será para sempre lembrado como o ano em que o visual kei rompeu sua pupa afrodisíaca com fervor extático. Ao lado do L’Arc-en-Ciel’s Tierra, Mother alcançou grande sucesso ao misturar o romantismo gótico dos álbuns anteriores com uma vibração radiante. Seu som rico domina o vasto espectro de vitalidade exuberante no coração da magnum opus do Luna Sea com Rosier, como seu hino emblemático. Mesmo em sua forma mais popular, o Mother provou que o rock japonês pode se deleitar com um peso glorioso.

Malice Mizer – Merveilles (1998)

Antes do gótico barroco do Moi dix Moix, antes que o vocalista Gackt se tornasse um superstar, esse conjunto quintessencial do Rococó embarcou em uma busca para reescrever o livro de regras. Pioneiro na união agora arquetípica da estética clássica europeia com o heavy metal, o Malice Mizer transcendeu em direção à elegância teatral, abraçando o piano antiquado e a fanfarra de violino, resultando em baladas sinfônicas e pompa de vanguarda mais pesada do que qualquer coisa nas ondas do ar na época. O que falta em riffs, seu álbum de maior sucesso, mais do que compensa em graça lírica e extravagância divina.

Dir en Grey – Vulgar (2003)

Um pesadelo pervertido de proporções sadomasoquistas, Vulgar é o Dir en Grey (e metal japonês) em seu mais ero guro: um submundo grotesco tão lascivo que deixaria Cenobitas com inveja. Um tomo encharcado de odes pecaminosas, com escuridão jorrando de suas artérias, a angústia de Vulgar é mais bem sentida em seu peso contorcido, arrancando suas cacofonias habilmente produzidas como pedaços de sua própria carne, embalado com suficiente grooves matadores e riffs abandonados para manter o desespero vivo.

Psycho le Cému – Frontiers (2003)

Vagando pelos confins de uma supernova de anime, o álbum Frontiers do Psycho le Cému ousou incorporar várias personalidades, ligando o passado triunfante da cena a um futuro incerto. Levando a reinvenção estilística a novos extremos, este grupo frequentemente ignorado abraçou um novo visual drástico a cada novo single, moldando o que deveria ser uma mistura blasfema de metal, rock, pop, psicodelia, EDM e hip-hop com resultados contagiantes.

MUCC – Kuchiki no Tou (2004)

Gotejando com angústia insaciável e salivando sua ameaça no tom inflexível do guitarrista Miya, o MUCC arrancou sua alma de seus peitos com o seu quarto álbum. Com teor assumidamente sombrio da melancolia, Kuchiki no Tou bateu em uma escuridão interior, infernal na implosão, e canalizou através dos gritos tragicamente arrebatadores de Tatsurou. Um álbum de catarse implacável, o MUCC mais tarde alcançaria o sucesso internacional com uma visão mais otimista, mas raramente superou esta montanha-russa emocional.

D’espairsRay – [Coll:set] (2005)

No início dos anos 2000, o álbum [Coll: set] do D’espairsRay desencadeou uma carnificina de metal industrial que o Japão ainda tenta que recriar. Confundido com melodias contagiosamente cativantes e refrões monumentais como Tsuki no Kioku-Fallen, Garnet e Hai to Ame, com a voz marcante de Hizumi – e uma sensação inquietante de mau presságio – [Coll: set] chamou a atenção do oeste quando o J-rock começou a assumir o controle o mundo.

Nightmare – The World Ruler (2007)

Alcançando um equilíbrio delicado entre a harmonia sentimental e o poder eletrizante, o quarto álbum do Nightmare parece uma mãe moderna, sangrando a majestade gótica do Luna Sea com a escuridão perigosa e o punk estridente de seus contemporâneos. Certamente não é coincidência, então, que The World Ruler suplementou o sucesso estrondoso no anime Death Note, como seu single principal – The World/Alumina – que abriu e fechou o show em 19 episódios. Um disco que personificava a tempestade perfeita da cena, isso deveria ter catapultado a banda para a estratosfera.

An Café – Gokutama Rock Cafe (2008)

Em meados dos anos 2000, duas bandas estavam na boca de todos: Alice Nine e An Café. Ame-os ou odeie-os, o An Café provou ser o antídoto perfeito para a malevolência ninhada do visual kei. Os dançarinos de rock Harajuku cultivaram um massivo oshare kei com sua música inescapavelmente otimista e roupas coloridas e, quando seu terceiro álbum foi lançado, começaram a subir nas paradas europeias. Ryuusei Rocket e Cherry Saku Yuki!! permanecem baldes de papoula até hoje.

Versailles – Jubilee (2010)

Parecendo que eles saíram de um baile barroco extravagante, exibindo seu metal sinfônico neoclássico com real realeza, você seria perdoado por confundir o Versailles com os aristocratas franceses do século 18. Alcançando a realeza e a grandiosidade dez vezes em seu segundo álbum, Kamijo e seus nobres ascenderam ao trono como maestros com odes dignas de um monarca, maliciosamente dando-lhes as boas-vindas à sua mascarada vampírica.

The GazettE – Dogma (2015)

Escolhendo Dogma ao invés de Dim (2009), o álbum definitivo no arsenal da banda que moldou uma geração? Existe um método para essa loucura, pois o oitavo trabalho do The GazettE não apenas arrastou o mundo mais fundo em uma escuridão invisível desde seu auge, mas serviu como um retorno surpreendente à forma. Abandonando os flertes eletrônicos em favor de um ataque ameaçador de brutalidade, Dogma ostenta alguns dos trabalhos mais elaborados da banda até o momento, um lembrete dilacerante de sua relevância quando uma nova onda espreita em suas sombras.

BABYMETAL – METAL RESISTANCE (2016)

Se você honestamente pensou que poderia escapar do Babymetal em uma lista como esta, você estava errado. A banda despertou o oni interno do globo quando invadiram o palco mundial com sua estreia homônima em 2014, mas foi Metal Ressistance – dominando as paradas de uma forma que nenhuma outra banda japonesa alcançou antes ou depois – que catapultou o conjunto Kobametal para o estrelato intergaláctico. Uma manopla de sucessos de tirar o fôlego e enlouquecidos pela dança floresceu em seu peso pop-tastic, e até mesmo se gabou de Herman Li e Sam Totman abrindo caminho em seu caminho para a vitória. Com o Metal Galaxy de 2019 continuando sua conquista do metal kawaii, a resistência ainda é inútil.

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: