Review: Holding Absence – THe Greatest MIstake Of My Life

Por Cleo Mendes

O talento do quarteto de Cardiff para entregar emoção em suas composições superou expectativas. Com a capacidade de contar histórias lembrando os gloriosos dias do My Chemical Romance e a abordagem emotiva em sua entrega à la The Cure tornam a sua delicadeza saudável bem cativante.

Cleo Mendes

Confira mais Metal em 2021:
Todd Lat Torre – Rejoice In The Suffering
Accept – Too Mean To Die
Nervosa – Perpetual Chaos
Gatecreeper – An Unexpected Reality
ERRA – ERRA

Gravadora: Sharptone Records
Data de lançamento: 16/04/2021

Gênero: Post-Hardcore
País: País de Gales


Apesar de seu álbum de estreia homônimo ter sido lançado há apenas dois anos, o Holding Absence aborda a sua música de uma forma bem diferente em seu segundo álbum de estúdio. The Greatest Mistake Of My Life introduz a mudança visualmente, vide os videoclipes teatrais, mas apresenta evolução sonora. O talento do quarteto de Cardiff para entregar emoção em suas composições superou expectativas. Com a capacidade de contar histórias lembrando os gloriosos dias do My Chemical Romance e a abordagem emotiva em sua entrega à la The Cure tornam a sua delicadeza saudável bem cativante.

Musicalmente à frente da atualidade a banda não faz segredos ao deixar você ouvir o título oximorônico do álbum em retrospecto. As melodias impressionantes de Drugs and Love falam do medo do vocalista Lucas Woodland dos caminhos que ele estaria disposto a percorrer se isso significasse que sua tristeza seria sufocada. Seu desespero é tão transparente que você sente uma conexão pessoal com sua história. Mesmo em toda a sua bela grandeza, é sem dúvida o momento mais sombrio da carreira do quarteto – mas também é o melhor.

Nomoreroses move a grandeza… de fracassos românticos para cinismo espiritual. É um desvio da norma da banda, não apenas conceitualmente, mas também tematicamente. Lucas resmunga sua falta de fé com passagens como “Quanto mais eu oro, mais você faz chover“, e as linhas de guitarra de Scott Carey raramente têm ritmo mais baixo. Sua postura intelectual endurecida parece agir como um interlúdio de limpeza antes que as cicatrizes emotivas sejam reabertas. Para todos os efeitos e propósitos – funciona.

O charmoso sintetizador baseado em Curse Me With Your Kiss destaca o desenvolvimento da banda mais do que qualquer outra coisa que o álbum possa se orgulhar. Com uma abertura irregular que dá lugar ao laço do baterista Ashley Green quebrando a paixão – a plataforma emocional ideal é construída para Lucas entregar os seus vocais previsivelmente colossais. Die Alone (In Your Lovers Arms) vê a banda trilhar novas águas também. Woodland compartilha funções vocais com sua irmã, Caitlyn – um toque adequado em um álbum tão pessoalmente invasor. Mas, independentemente do sentimento, a forma como seus ganchos elevados são manipulados em torno desta história emocionam de forma simples e divina.

Dizer que The Greatest Mistake Of My Life é um exemplo de lidar com ausências enquanto crescemos seria redutor. Em essência, o álbum de estreia da banda criou uma fórmula para eles que os teria visto existir confortavelmente se replicada. Mais do que maturidade, este álbum encontra os galeses descobrindo novas maneiras de elevar seu som a alturas até então desconhecidas. Em 2019 eles fizeram você se levantar e prestar atenção, e agora o Holding Absence entrou na mais alta pratileira do rock britânico.

Nota final: 9/10

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: