Review: Lionville – Magic Is Alive

Por Luis Rios

Neste novo álbum, há a aparição de um tecladista que trouxe algo mais requintado a base harmônica da banda e as músicas tem arranjos de teclas simplesmente sublimes. Não que A World Of Fools não tivesse composições de alto nível… pelo contrário. É um disco de alto gabarito, tanto nas composições, quanto no que concerne a participação individual dos músicos.Recomendo fortemente a audição!

Luis Rios

Confira mais Rock em 2020:
The Lemon twigs – Songs For The General Public
Dead Lord – Surrender
Seether – Si Vis Pacem Para Bellum
Blues Pills – Holy Moly!
Norah Jones – Pick Me Up Off The Floor
The Strokes – The New Abnormal

Gravadora: Frontiers Records
Data de lançamento: 7/08/2020

Gênero: Hard Rock Melódico
País: Itália

Podemos dizer que o Lionville é uma banda com duas encarnações distintas, mas com um DNA único. O Melodic Rock de alta qualidade dá o tom da personalidade desta banda que foi formada em 2010 em Genova, Itália. Stefano Lionetti (guitarra, vocal, teclados, produção) vem liderando a banda, que lançou seus dois primeiros álbuns em 2011 (Lionville) e 2012 (Lionville II), respectivamente, e que representam a primeira fase. São álbuns muito bons, porém a pouca experiência mostra alguma irregularidade. Em 2017, voltaram com uma formação um pouco diferente, mas sem perder a veia melódica. Muitas guitarras e teclados harmonizados, produzindo um belo Rock leve e suave, com notas belissimas de AOR.

A World Of Fools (2017) e, agora, Magic Is Alive, são os trabalhos que marcam a segunda fase desta competente banda italiana. Eles, na verdade, vem sedimentar aquilo que o Rock melódico provindo do país sempre proporcionou em termos de estética sonora com altas harmonias. Neste novo álbum, há a aparição de um tecladista que trouxe algo mais requintado à base harmônica da banda e as músicas tem arranjos de teclas simplesmente sublimes. Não que A World Of Fools não tivesse composições de alto nível… pelo contrário. É um disco de alto gabarito, tanto nas composições, quanto no que concerne a participação individual dos músicos. Recomendo fortemente a audição!

Fabrizio Caria (teclados) e toda banda fizeram agora, a meu ver, algo espetacular e com uma assessoria de respeito. Há a participação digna de nota do antigo tecladista e multi instrumentista Alessandro Del Vecchio (Hardline, Sunstorm, Jorn, Voodoo Circle, Level 10, Edge Of Forever e outros) e de outros compositores, letristas e arranjadores como Pierpaolo Monti (Raintimes/Room Experience), Gianluca Firmo (Room Experience/David Readman) e Robert Sãll (Work Of Art). Esse time ajudou na criação de canções de extrema qualidade. Muitas influências de Toto, Chicago e claramente de bandas da cena atual, como a própria Work of Art, do ótimo vocalista Lars Sãfsund, Grand Design (chamada de Def Leppard sueco) e Heat. Aliás, como temos boas bandas neste segmento!

Percebemos, ouvindo com mais atenção o novo trabalho, que os solos de guitarra são muito elegantes e na medida, se adequando bem aos arranjos. Stefano Lionetti lidera as guitarras, mas também ajuda nos teclados e vocais e produz o álbum. Dou um especial destaque para o baixista Giulio Dagnino (ele também foi engenheiro de som e mixou o álbum), com linhas belíssimas de baixo que emergem em momentos em que temos mais teclados ou pianos aparentes. Sua atuação juntamente com Martino Malacrida (Bateria), traz um movimento rítmico todo especial. É visível que a banda tem um entrosamento incrível e também é nítido que os vocais de Lars Sãfsund se fundem magistralmente a esse arcabouço melódico com pulsação própria que só bandas afiadas tem.

Ainda sobre as guitarras, temos a presença discreta de algumas “acustic guitars”, dando leveza principalmente nas baladas e os solos que me marcaram muito pela singeleza. Os riffs e a colocação dos acordes retumbam deliciosamente nos ouvidos. A música desses italianos é realmente encantadora e ímpar. Temos ótimas canções aqui e numa escuta um pouco mais acurada, sobressaem Nothing Without You, You’re Not Alone, Finally You’re With Me, Runaway (minha predileta!) e I’ll Never Give My Heart Away. Em outras canções, que compõe a obra, encontramos “grooves“, quebras melódicas, pianos e teclados que mixam seus acordes com a guitarra e uma “performance” vocal suave e sem excessos, com refrões agradáveis e cativantes.

Lionville é mais uma banda que se impõe com respeito no universo do Melodic Rock/AOR. Se você ainda não ouviu este álbum, faça isso com urgência. Inclusive aproveite pra ouvir A World Of Fools e os álbuns da outra banda do vocalista Lars Säfsund (Work Of Art). Música boa, feita com capricho, nós temos que admirar! Magic is Alive é um deleite!

Nota final: 8,5/10

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: