Review: Thundermother – Heat Wave

Por Lucas Santos

A primeira metade do álbum é realmente muito vibrante e animada. Loud And Alive é uma ótima faixa de abertura, cheia de potência e atitude Punk Rock. As faixas seguintes carregam a mesma energia inicial e o início atinge o ápice com a canção Into The Mud, com uma bateria viceral, de execução simples mas muito forte.

Lucas Santos

Confira mais Rock em 2020:
Room Experience – Another Time And Place
The Night Flight Orchestra – Aeromantic
Blended Brew – Shove It Down
Confess – Burn ‘Em All
H.E.A.T – H.e.a.t II
Dirty Shirley – Dirty Shirley

Gravadora: AFM Records
Data de lançamento: 31/07/2020

Gênero: Hard Rock
País: Suécia

Fundado em 2010, o quarteto feminino do Thundermother nunca fugiu de suas referências. O som formado em volta dos riffs do AC/DC, atitude Punk Rock e energia do Motörhead é uma marca registrada da banda. O som 70s reinventado com o Hard Rock moderno sempre funcionou bem para elas, e mesmo não sendo uma banda fantástica e fora de curva, sempre foi muito divertido de ouvir.

As meninas do Thundermother tem grandes planos com uma base sólida. O que a banda busca no novo álbum Heat Wave é um som ainda mais grooveado, mais recheado e mais energia, uma veradeira onda de calor. Esse mix especial cria uma sonoridade que atrai fãs de Rock ‘N’ Roll, Blues, Punk e música pesada. Esses planos chegam a funcionar no quarto trabalho de estúdio mas acabam esbarrando em problemas que qualquer banda que tenta fazer o que elas fazem. Eu explico aqui em baixo.

A primeira metade do álbum é realmente muito vibrante e animada. Loud And Alive é uma ótima faixa de abertura, cheia de potência e atitude Punk Rock. As faixas seguintes carregam a mesma energia inicial e o início atinge o ápice com a canção Into The Mud, com uma bateria viceral, de execução simples mas muito forte. A faixa título quebra um pouco o andamento, com uma pegada mais Blues perdendo um pouco de energia.

Driving In Style é o “último suspiro” da ótima primeira parte. Free Ourselves tem uma pegada bem AC/DC e um dos riffs mais legais de todo o álbum, mas a partir daqui o nível cai muito. O resto é muito parecido, tenta ter a mesma pegada, mas as músicas simplesmente não funcionaram para mim. Não são ruins, o álbum todo é bem redondo e vai direto ao ponto, mas o fim perde bastante intensidade e termina quase sem fôlego.

Os problemas com Heat Wave são básicos. Por mais energética e grooveada a música soe, existe uma mesmice que é difícil de se expandir no Hard Rock. Com isso, e com o fato do álbum ser longo – 50 minutos – e ter uma falta de variação dentro das músicas, tudo acaba se tornando bem repetitivo em poucas audições. Um forte começo acaba se perdendo e fazendo com que o fim seja bem arrastado e tedioso.

Ainda sim o Thundermother consegue entregar uma boa dose de Hard Rock direto e sem floreios. As meninas não conseguiram sair da quase inevitável armadilha quando se toca o gênero. Mesmo assim, Heat Wave vai agradar aos ferozes fãs do estilo que sempre buscam um “mais do mesmo” diferente.

Nota final: 7/10

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: