Review: Ambush – Infidel

Por Cleo Mendes

Eles não fogem muito da sonoridade dos seus compatriotas do Screamer e do Enforcer, além de claramente usarem Judas Priest e Accept – principalmente da época do Metal Heart (1985) – como referências bem claras, que formulam um som simples mas poderoso, bem esteriotipado, porém agradável.

Cleo Mendes

Confira mais metal em 2020:
Body Count – Carnivore
Marko Hietala – Pyre of the Black Heart
Sons Of Apollo – MMXX
Seven Spires – Emerald Seas
Sepultura – Quadra
Vengeful Spectre – Vengeful Spectre
Code Orange – Underneath

Gravadora: High Holler Records
Data de lançamento: 13/03/2020

Gênero: Heavy Metal
País: Suécia

Às vezes o heavy metal mais simles pode ser muito complicado de se fazer. Dois álbuns depois, o Ambush está de volta mais uma vez, para acelerar as coisas com seu último lançamento, Infidel. Eles não fogem muito da sonoridade dos seus compatriotas do Screamer e do Enforcer, além de claramente usarem Judas Priest e Accept – principalmente da época do Metal Heart (1985) – como referências bem claras, que formulam um som simples mas poderoso, bem esteriotipado porém agradável.

A faixa-título é pé na porta, a quebrando com energia e atitude. Os riffs clássicos da velha escola são combinados com vocais altos e gritos épicos, para garantir que seja um headbanger desde o início; ótimo jeito de começar o álbum. Os harmônicos de pitada no estilo arena dos anos 80 e o silenciamento eficaz de palma lembram o Van Halen, capturando perfeitamente esse estilo retrô. Leave Them to Die segue o exemplo com um riff de introdução cativante, que soa como uma fusão impecável de cada hit de heavy metal dos anos 80. Esta é uma faixa enérgica com um refrão composto por vocais melódicos e gritos à moda antiga por baixo, com alguns gritos épicos espalhados por toda a parte. Hellbiter mostra a amplitude e variedade no Infidel, com um som mais incomum, apesar de ser cheia de clichês, tem ótimas guitarras gêmeas.

The Demon Within é o clássico Ambush, chugging, riffs agressivos e vocais épicos melódicos misturando-se perfeitamente com harmonias e, novamente, um toque não tão sutil de harmônicos beliscantes na medida. A Silent Killer é Judas Priest à todo momento. O intrincado trabalho de guitarra, deslizando por baixo das harmoniosas melodias vocais, funciona muito bem aqui, criando uma faixa diversa e atraente. Iron Helm of War se desprende do usual e vai para o lado do power metal europeu, uma faixa que se espalha com energia e paixão. Os vocais fortes e altos do estilo e os temas líricos sombrios aqui, criam uma faixa única e épica.

Heart of Stone inclina bastante pro Accept, com uma introdução difícil e rústica guiando-os para o que se torna uma faixa clássica do álbum, completa com harmonias arrebatadoras e vocais melódicos. Lust for Blood termina o álbum no verdadeiro estilo da banda. Talvez procurando pelo um ar mais vintage, o som carece de plenitude e é pouco preenchido em partes importantes.

O Ambush é um ótimo exemplo de nova onda acessível de metal pesado tradicional; o que eles se propõe a fazer está claro e bem entregue. Suas habilidades musicais e de composição são óbvias e eles criaram com sucesso uma homenagem gloriosa aos anos 80, mantendo as coisas divertidas e agradáveis ​​sem abrir mão do poder e da paixão. Fãs de bandas já citadas anteriormente e da cena da NWOBHM podem achar boas coisas em Infidel, um álbum muito divertido.

Nota final: 7/10

um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: