The Rock List: 8 Shows Documentário Para Ver Na Quarentena

por Roani Rock

Nesse momento de reclusão, devido a pandemia causada pelo Covid-19, popularmente conhecida como corona vírus, decidimos trazer a você alguns filmes documentários que mostram músicos defendendo causas nobres e de apoio a países que passaram por guerras, desastres naturais, doenças epidêmicas e a pobreza por assim dita com shows reunindo diversos artistas. Há também no meio destes, aqueles shows em que simplesmente são celebradas a vida e o legado de algum mestre ou banda, uma homenagem com uma coleção de monstros sagrados fazendo versões atemporais de seus clássicos nos fazendo ficar boquiabertos por conta de suas performances. Fique em casa e se deleite!

CONCERT FOR BANGLADESH

Na década de 70, o Beatle George Harrison, aliado a seu mentor Ravi Shankar, fez provavelmente o primeiro grande festival para uma causa nobre da história da música nas duas noites dos Concertos para Bangladesh.

Shankar abriu os olhos de Harrison para a situação calamitosa em que estavam os refugiados famintos, no antigo Paquistão Oriental, que estavam sofrendo os efeitos do ciclone Bhola de 1970 e da “Guerra de Libertação” em seu país. Cinco dias antes do show, em 27 de julho, George lançou seu single ‘Bangla Desh’ no rótulo da Apple, trazendo a crise humanitária à atenção do mundo de uma maneira que somente um ex-Beatle mundialmente famoso poderia. No dia do lançamento do single, George e Ravi Shankar realizaram uma conferência de imprensa para anunciar seu ambicioso concerto que seria realizado alguns dias depois.

Após os ensaios em Nova York, os dois shows ocorreram no dia 1º de agosto às 14h30 e 20h em Manhattan, diante de mais de 40.000 pessoas. O público foi tratado com um projeto espetacular que incluía Eric Clapton , Bob Dylan , Shankar, Leon Russell , Ringo Starr , músico Hindustani Ali Akbar Khan, Billy Preston , Klaus Voorman, Bobby Whitlock, Don Preston, Jesse Ed Davies, Carl Radle e entre outros, a banda assinada pela Apple, Badfinger .

O conjunto triplo de caixas LP foi lançado nos EUA em 20 de dezembro de 1971 e 10 de janeiro de 1972 no Reino Unido. “Harrison & Friends Dish Out Super Concert for Pakistan Aid” foi a manchete da reportagem da revista Billboard na edição de 14 de agosto. 

Quase todas as músicas refletiam o que deveriam ter sido os sentimentos de cada músico que dedicou seu tempo e tremendos esforços de graça para ajudar um país desamparado.

Veja o show na íntegra!

SOUL POWER

Para a luta mais importante da carreira de Muhammed Ali resolveram fazer o acontecimento ter uma questão racial, social e humanitária, muito maior e mais importante do que o esporte ou a bolsa de apostas americana. Primeiramente, o palco escolhido para os lutadores foi Zaire (atual República Democrática do Congo ) e o combate ocorreu no dia 30 de outubro de 1974. Esse é só o começo do porque o chamado Rumble in the jungle ficou conhecido “sem dúvida como o maior evento esportivo do século XX“.

Poderia falar sobre todas as questões que antecederam o evento como Muhamed Ali ter sido banido do boxe por três anos por não querer servir ao exército e a questão da espécie de apartheid americano que rondou todo os anos 60 dos EUA em um clima de tensão e que já estava em extremo vigor na Africa. Mas, como o assunto aqui é música, aquilo que antecedeu o boxe foi o concerto Zire 74 promovido por Don King , como parte da preparação para do confronto Ali-Foreman. Esse mini festival seria responsável por deixar os moradores locais e mais todos os turistas admiradores de boxe no grau para o evento principal.

Interessante como a questão racial foi a principal chave para o evento ocorrer em Zaire. Lá era a terra de um ditador chamado Mobutu Sese Seko que arcou com os custos de um festival que teve figuras como James Brown que cantava músicas de cunho social que dão a população negra um reconhecimento e estimulo a lutar por seus direitos e igualdade.

O documentário Soul Power, feito em 2008, traz a música tocada no palco que compõe cerca de metade do tempo de execução, mas também apresenta clipes de documentário sobre o evento, incluindo imagens dos músicos e planejamento dos bastidores, como a montagem do palco.

Os artistas em destaque incluem os principais artistas de R&B e soul dos Estados Unidos, como o já citado James Brown , Bill Withers , BB King e The Spinners, além destes artistas africanos também participaram com destaque Miriam Makeba, TPOK Jazz e Tabu Ley Rochereau são alguns dos nomes que podemos citar.  Celia Cruz e o Fania All-Stars também estiveram lá, o último tem como empresário musical Jerry Masucci que foi responsável pela seleção dos artistas.

Assista ao trailer!

LAST WALTZ THE BAND

Segundo David Fear, da revista Rolling Stone, o filme de Martin Scorsese, que representa o lendário show de despedida da The Band, foi responsável por mudar a maneira como a música ao vivo é sentida na tela.

o guitarrista Robbie Robertson, o baterista Levon Helm, o baixista Rick Danko, o pianista Richard Manuel e o mestre multi-instrumental Garth Hudson. A formação original presente tendo entre os convidados Bob Dylan, Eric Clapton, Muddy Waters, Neil Young, Neil Diamound, Van Morrison, Dr John, Joni Mitchell, entre tantos outros, apresentou todo um catálogo de grandes canções por 5 horas ou mais que foram captadas de maneira épica por Scorsese.

O filme batizado em bom português de “A Ultima Valsa” foi um arranjo do líder da The Band, Robbie Robertson com o dono do palco do Filmoure, numa camaradagem com o promotor de São Francisco Bill Graham, sem custos, para os músicos poderem se despedir com classe. Para a The Band bastava filmarem o show que duraria algumas horas e separarem as melhores partes. Mas para Scorsese, na época com 35 anos, não era o suficiente, ele tinha que contar a história da banda de apoio de Dylan que conseguiu sobreviver sozinha com excelentes álbuns mas com muita dificuldade financeira.

Embora não tenha chegado aos cinemas até abril de 1978, The Last Waltz é a cápsula do tempo sobre a qual falamos quando pensamos sobre o show do bicentenário; para alguns fãs que nunca viram a banda em seu apogeu feliz, é geralmente a primeira coisa que vem à mente. 

Mais do que os comandos de bandas de bar de Ronnie Hawkins, os amigos no porão de Dylan e os facilitadores do folk elétrico, ou mesmo os caras que nos deram o Music From Big Pink, eles são os caras naquele palco de Winterland, rasgando os blues de gutbucket , Rave-ups de Nova Orleans e baladas caipiras.

David Fear

O filme é também uma verdadeira aula de cinema. O designer de produção Boris Leven vestiria o salão de baile com peças emprestadas da produção de La Traviata da San Francisco Opera House , incluindo lustres usados ​​em Gone With the Wind.(Embora Graham tenha afirmado, ao longo dos anos, que surgiu com o conceito.). Um roteiro que detalhou o set list e as letras de cada música foi montado, para que Scorsese e o diretor de fotografia Michael Chapman pudesse traçar onde as câmeras precisavam estar para cada número. E, em vez de girar as lentes para a platéia, o foco seria apenas nos músicos no palco. “Vimos os melhores filmes do público-alvo em Monterey Pop, e certamente Woodstock ” , disse o cineasta a Richard Schickel na entrevista com o livro Conversations With Scorsese.Isso foi diferente. A forma disso era importante para mim – o movimento da câmera para a música, a edição, a captura das performances ao vivo. ” 

Abaixo uma das performances do filme com um dos maiores clássicos da The Band eternizado no documentário.

THE CONCERT FOR KAMPUCHEA

Também conhecido como “Rock for Kampuchea“, The Concert For Kampucha é um filme do show beneficente feito para arrecadar dinheiro para o povo de Camboja que sofria com o reinado ditatorial e miserável de Pol Pot.

O evento foi capitaneado pelo Beatle Paul McCartney e apoiado por Kurt Waldheim (que era então secretário-geral da ONU). Os shows ocorreram entre os dias 26 e 29 no Hammersmith Odeon em Londres, contou com artistas  do panteão do rock como o próprio McCartney, The Who e Queen, assim como a geração mais nova como The ClashPretenders e Elvis Costello.

Esse show é tão importante que marcou a última apresentação do Wings, banda a qual Paul montou ao fim dos Beatles. Uma seleção com os melhores momentos do evento foi lançada em 1980 no filme Concert for Kampuchea, com versões em EP e LP lançadas no ano seguinte. O álbum duplo, trazia um lado só de Paul McCartney, com os Wings e comandando a poderosa Rockestra.

A chamada Rockestra é um supergrupo monstruoso que contou simplesmente com todos os membros do Wings , John Paul Jones e John Bonham do Led ZeppelinDavid Gilmour do Pink FloydRonnie Lane do the Faces , Kenney Jones e Pete Townshend do WhoHank Marvin do the Shadows. Eles gravaram duas composições de McCartney, o instrumental “Rockestra Theme” e “So Glad to See You Here”.

O Rockestra foi remontado para uma grande turnê onde contou com os conhecidos Wings, John Paul Jones, Bonham e os adicionados Robert Plant, Rockpile, James Honeyman-Scott e a volta de Townshend. Hank Marvin não estava disponível e Gilmour, por razões fiscais, teve que declinar, pois estava com o resto do Pink Floyd em Los Angeles, Califórnia, onde eles haviam acabado de gravar o The Wall e estavam no meio dos ensaios para uma tour.

Abaixo, Let It Be.

BOB DYLAN 30º ANNIVERSARY CONCERT

“Três décadas depois, poderia ter sido fácil começar a ignorar Bob Dylan . Seu hiato de composição incomum no início dos anos 90 talvez tenha obscurecido as coisas também. Em seguida, um grande concerto comemorativo foi realizado em 16 de outubro de 1992. Mais tarde lançado como The 30th Anniversary Concert Celebration , esse show serviu como um lembrete abrangente.”

Começa assim a matéria da Ultimate Classic Rock sobre esse memorável show. A ideia do espetáculo veio por parte de Dyln mesmo, Neil Young batizou a ocasião de Bobfest. Gravado em 16 de outubro de 1992, no Madison Square Garden, em Nova York , ele captura a maior parte do show, que contou com muitos artistas tocando músicas clássicas de Dylan, antes de terminar com três músicas do próprio.

A banda que armou todo o cenário e abriu o tapete para os convidados especiais de honra, foram os membros sobreviventes de Booker T. e MG : Booker T. Jones no órgão, Donald “Duck” Dunn no baixo e Steve Cropper na guitarra. Juntando-se a eles estava o baterista Anton Fig, substituindo o falecido Al Jackson, além de Jim Keltner. O líder de banda de longa data do Saturday Night Live, G. E. Smith, atuou como diretor musical.

Dentre os convidados que prometeram contar suas próprias histórias, estava os Irmãos Clancy que representavam o sistema radicular do velho mestre. Richie Havens começou a bater nos mesmos bares populares do Greenwich Village. Dylan mais tarde colaborou com Eric Clapton (sempre ele), os Byrds , George Harrison , Johnny Cash , Ron Wood , Stevie Wonder , Willie Nelson , Johnny Winter , os O’Jays, John Mellencamp e Tom Petty e, claro, The Band. Tracy ChapmanEddie Vedder e Mike McCready, do Pearl Jam e mais a Sinnead O’ Connor representaram a próxima geração.

Sim, esses artistas são por si só interessantes de ver e causaram ao público presente de quase 20 mil pessoas a curiosidade em ver como seria a interpretação de cada para o repertório extenso de Dylan.

Lou Reed desenterrou “Foot of Pride“, vinda de uma coletânea de Infidels de 1983 que foi conscientemente escolhida para ajudar a promover uma compreensão da profundidade do vasto catálogo de Dylan. Vedder e McCready ajudaram a demonstrar o impacto contínuo de Dylan com uma versão acústica de “Masters of War”. Os maiores sucessos ficaram a cargo de Stevie Wonder (Blowin ‘In The Wind), Johnny Cash (It’ain’t Me, baby), Clapton, que cantou um dueto com Dylan em “Sign Language” de No Reason to Cry , de 1976 , deu a “Don’t Think Twice, It’s Alright” uma nova persona do blues que, é claro, incluía um solo icônico de guitarra.

Esse mega show merece ser apreciado no mais alto volume e atentamente! Fique com uma das versões. Essa foi a animal e marcante presença de Neil Young em All Along The Watchtower.

MUSIC FOR MONTSERRAT

Essa lista vai ter muitos artistas repetidos, mas como se trata de questões humanitárias e celebração aos amigos, figuras como Eric Clapton e membros dos Beatles sempre estão presentes, como no caso de agora. Para este show idealizado por George Martin no ano de 1997 conseguimos ter a honra de ver não só McCartney e Clapton, mas também outros grandes nomes como Elton John, Mark Knopfler (Dire Straites), Phl Collins (Genesis), Carl Perkins e Sting (The Police).

1hora e 53 minutos dedicados por cada a Montserrat, que sofreu mutas perdas devido à erupção de um vulcão que se encontrava inativo há cerca de 400 anos. Os músicos envolvidos com a causa beneficente chegaram a gravar álbuns no estúdio AIR music encontrado na ilha caribenha. O espetáculo ocorreu no Royal Albert Hall, Londres.

Uma das coisas mais importantes desse show é a dobradinha entre Mark Knopfler e Eric Clapton no clássico atemporal Layla. Os artistas Arrow e Jimmy Buffet com a canção Vulcano parecem fora da curva mediante a grandiosidade dos outros envolvidos, mas se encaixam perfeitamente por ter um artista de Montserrat. Sting também canta com Knopfler, mas o destaque vai para a execução da música Every Little Thing She Does Is Magic do Police. Elton John traz o clássico mor Your Song e Don’t Let The Sun Go Down On Me, já Golden Slumbers é o grande momento de Paul McCartney e fora o início dos trabalhos através de Phil Collins de forma impressionante cantando Take Me Home e Carl Parkins com Blue Sued Shoes. Realmente é um dos melhores shows destes dedicados a uma causa beneficente.

Abaixo o show na íntegra!

VH1 STORYTELLERS: THE DOORS

o Storytellers do canal VH1 quis fazer uma edição do programa com o The Doors. Para celebrar a banda que lançara seu último álbum com Jim Morrison a 30 anos. O Doors usou o programa como mediador para ver quem iria assumir o posto do lizard king para uma turnê.

É importante observar que embora as comparações com o vocalista original Jim Morrison sejam inevitáveis, os três membros restantes do The Doors reuniram-se a vários cantores de bandas mais recentes. Lá estavam seis diferentes cantores: Scott Weiland do Stone Temple Pilots, Scott Stapp do Creed, Perry Farrell do Jane’s Addiction, Pat Monahan do Train, Travis Meeks do Days of the New e por fim Ian Astbury, a voz do The Cult.

The Doors! The Doors! O verdadeiro The Doors”, assim gritava um entusiasmado Perry Farrell, logo ao final da canção “L.A. Woman”, música responsável por abrir esse DVD. A expressão estampada na face do músico era de quem estava vivendo um sonho. Essa, certamente, era a realidade de cada pessoa presente na plateia naquela noite e também em cada profissional envolvido naquela produção.

As comemorações já haviam começado. No final de 2000, havia sido lançado Stoned Immaculate, um álbum tributo ao The Doors com a participação dos próprios músicos. E foi isso que levou Marco Moir, roadie de Robby Krieger, a entrar em contato com a VH1 e sugerir a criação de um especial com bandas da nova geração tocando músicas do The Doors. O rapaz disse que, caso topassem, os músicos poderiam aparecer no estúdio para tocarem uma música juntos.

Claro que a emissora ficou interessada na proposta, mas eles sabiam melhor do que ninguém de que o ponto alto da atração seria a participação dos músicos originais. O público estaria muito mais interessado em ver a reunião de Ray Manzarek, Robby Krieger e John Densmore, do que uma série de covers. Portanto, entraram em contato com Danny Sugerman, biografo e empresário da banda, e fizeram a proposta para que eles se reunissem por uma única noite. Os rapazes hesitaram um pouco, mas acabaram topando. Afinal, eles também estavam curiosos em saber se ainda seriam capazes de fazer aquilo, se a parceria ainda dava liga.

As escolhas dos cantores não foi aleatória, com os remanescentes do Doors de acordo em fazer o show, eles resolveram a questão da falta de um vocalista chamando caras que fizeram parte do disco tributo. Todos toparam de prontidão e mostraram todo seu respeito a banda lendária. Scott Weiland, que é um dos destaques, conhecido por se mexer bastante no palco, preferiu ficar contido e mais preocupado com seu desempenho vocal. O único que parecia um pouco mais confiante e que manteve a pose de rockstar foi Ian Astbury, não atoa virou o vocalista da turnê onde a banda assumiu a alcunha de The Doors of The 21st Century e Riders On The Storm.

Abaixo, Five to One por Scott Weiland, um dos melhores momentos do show.

SOUND CITY

Pra finalizar, esse documentário excepcional de 2013 feito pelo líder do Foo Fighters com o intuito de celebrar um dos melhores e mais clássicos estúdios de Seattle, responsável pelas gravações do Nirvana para o aclamado Nevermind.

No fim das contas, o documentário apresenta Dave Grohl entrevistando diversas figuras da música e histórias incríveis para você ver que álbuns foram gravados através daquele pessoal presente no estúdio e o poder da mesa de som NEVE. O New York Times chamou Grohl de renascentista por conta deste doc.

“Sound City” não é apenas um elogio daqueles dias que foram para o estúdio, que foi encerrado em 2011. São realmente três filmes. O primeiro terço é um olhar agradável e de certa forma brilhante para os álbuns que foram feitos lá e para as estrelas que os fizeram, com histórias de Fleetwood Mac, Rick Springfield e muitas outras que serão doces para os fãs de rock de várias gerações. O estúdio, um lugar de aparência imponente, para dizer o mínimo, tinha o talento de lançar um grande álbum exatamente quando parecia à beira do fracasso: o auto-intitulado álbum de 1975 de Fleetwood Mac e “Rumors” dois anos depois, o Sr. Springfield “Working Class Dog” em 1981, o seminal do Nirvana “Nevermind” em 1991.

Em seguida, o filme então se torna uma crônica da lenta morte do estúdio, uma operação analógica cujo coração era uma mesa de som Neve gravada em fita, que na década de 1980 começou a ser suplantada pela tecnologia digital. Grohl tornou-se um preservacionista musical, e ele e outros lamentam a perda do elemento humano da era analógica e o surgimento de músicas criadas e manipuladas em computadores. Não é um argumento antidigital – Trent Reznor, do Nine Inch Nails, defende a tecnologia digital como uma ferramenta criativa – tanto quanto um argumento contra a clandestinidade.

E então Grohl volta sua atenção para fazer novas músicas, o que torna tudo mais interessante e diferenciado. Ele comprou a mesa Neve quando o Sound City fechou e instalou em seu próprio estúdio, em seguida nós vemos ele e a maior parte dos entrevistados colocando-a em uso. Um dos momentos de maior primor é a união do Nirvana com Paul McCartney para a criação da faixa Cut Me Some Slack. Há também a presença de Stevie Nicks nos vocais de uma das canções e gente da música contemporânea como Corey Taylor do Slpiknot e Josh Homme do Queens Of Stone Age.

Grohl colocou muito carinho nesse filme, e isso mostra. Um dos toques mais agradáveis ​​pode passar despercebido. Nos créditos finais, uma música cativante chamada “Sound City” toca. Os vocais são creditados a Doug Deep e Paula Salvatore – a Sra. Salvatore foi a gerente do estúdio na década de 1980. No começo do filme, ela havia falado melancolicamente sobre ter sonhado com sua própria carreira musical.

Abaixo a parceria com Corey Taylor, a poderosa From Can To Can’t

Muitos dos shows você só conseguirá achar através de torrents e/ou compactados no youtube, dailymail ou vimeo. Se acharmos links deles completos compartilharemos. o ideal seria as gravadoras criarem streams de vídeo com todos esses shows de graça. Como não rola, busquem os torrents! Fiquem em casa, lavem as mãos bem e aproveitem ao máximo essas dicas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: