Review: Sylosis – Cycle Of Suffering

Por Cleo Mendes e Lucas Santos

A execução de todo o disco é realmente impressionante. Os riffs são tudo o que você espera de um disco do Sylosis, alternando entre vibrações monstruosas, graciosas e contundentes, nos momentos certos, para dar golpe certeiro nas áreas mais delicadas.

Cleo Mendes

Confira mais metal em 2020:
Surgical Strike – Part of a Sick World
Marko Hietala – Pyre of the Black Heart
Sons Of Apollo – MMXX
Serious Black – Suite 226
Seven Spires – Emerald Seas
Sepultura – Quadra
Vengeful Spectre – Vengeful Spectre

Gravadora: Nuclear Blast
Data de lançamento: 07/02/2020

Sylosis ficou um tempo sem aparecer, mas eles finalmente voltaram. e mais majestosos como sempre. Os guerreiros do metal estão em uma espécie de hiato nos últimos anos, com o vocalista, guitarrista e membro fundador Josh Middleton dando um passo para trás à banda, a fim focar em sua performance no Architects em consequência da morte prematura de Tom Searle – ele entrou apenas como guitarrista. Ao se juntar a eles permanentemente, alguns meses depois, Middleton afirmou que ainda faria parte do Sylosis, e após cinco anos de indas e vindas, Cycle Of Suffering está aqui.

Os singles principais I Sever e Calcified serviram como a introdução perfeita para a nova era da banda, demonstrando que eles ainda estão seguindo a mesma estrada. Riffs grandisoso, ousados, bateria impressionante e entrega vocal acima da média, todos colidem perigosamente, decorados com pistas e harmonias técnicas e brutais. O som produzido pelo grupo – heavy metal clássico misturado com thrash da Bay Area e metalcore moderno – está de volta.

A abertura Empty Prophets traz influências do Gojira, combinando proezas técnicas e características thrash. Apex Of Disdain é um ataque implacável de poder, influenciado pelo hardcore com vocais mais rasgados com doses de veneno. Todas as músicas de Cycle Of Suffering são implacáveis, mal diminuindo o ritmo ou tirando o pé do acelerador por mais de um mero momento. Shield e Empty Prophets são outros pontos fortíssimos do álbum.

O único respiro real é a faixa de encerramento Abandon, mudando completamente a vibração para tons mais amplos e destacados. Facilmente a música mais lenta do disco, ela coloca cordas e acordes de piano ao lado de sua instrumentação usual para criar uma paisagem sinfônica e melancólica, trazendo o registro para um final surpreendente, mas grandioso, em um ambiente vívido e bonito.

A execução de todo o disco é realmente impressionante. Os riffs são tudo o que você espera de um disco do Sylosis, alternando entre vibrações monstruosas, graciosas e contundentes, nos momentos certos, para dar golpe certeiro nas áreas mais delicadas. No entanto, é um álbum muito técnico, feito com muita destreza sem que o peso absurdo seja perdido.

O Sylosis adotou a receita clássica do thrash metal, lançando pitadas saborosas de metal moderno, cheio de técnica mas com muito feeling e emoção. Cycle Of Suffering é um triunfo do metal, um dos trabalhos mais memoráveis desse ano, uma volta gloriosa do quarteto inglês.

Nota final: 9/10

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: