Review: Serious Black – Suite 226

Por Lucas Santos

Com essa pausa mais longa o Serious Black teve tempo de revisar todos os erros e trabalhar com mais calma em Suite 226 , talvez retomar os bons momentos do início. Infelizmente o disco é cheio de problemas.

Lucas Santos

Confira mais metal:
Surgical Strike – Part of a Sick World
Opeth – In Cauda Venenum
As I Lay Dying – Shaped By Fire
Marko Hietala – Pyre of the Black Heart
Sons Of Apollo – MMXX

Gravadora: AFM Records
Data de lançamento: 31/01/2020

Suite 226 era um dos álbuns mais aguardados deste ano para mim. Eu escrevi: “Já se vão 5 anos da estréia do “supergrupo” internacional Serious Black. Depois da ótima estreia em 2015 com As Daylight Breaks a banda penou um pouco nos dois últimos álbuns e não conseguiu manter a ótima performance do seu debut. Espero que os 3 anos inativos sejam o suficiente para que eles possam botar tudo no lugar e finalmente acertar em cheio. A torcida é grande.”

A torcida é sim grande porque sempre acreditei que a banda -que majoritariamente faz um power metal melódico- pudesse fazer um trabalho até melhor que sua estreia. Mirrorworld (2016) é um bom álbum e Magic, que veio logo no ano seguinte, decepciona bastante. Com essa pausa mais longa o Serious Black teve tempo de revisar todos os erros e trabalhar com mais calma em Suite 226 , talvez retomar os bons momentos do início. Infelizmente o disco é cheio de problemas.

A começar que a gravação que é a pior de todos os discos até agora. Um som meio abafado que não da muita relevância as guitarras e acaba reprimindo os outros instrumentos. Os vocais de Urban Breed acabam oscilando em diversos momentos e atrapalham a experiência. Se tratando de performance, temos muitaq técnica e músicos extremamente talentosos, os problemas são o conjunto e o produto final.

As músicas são pouco memoráveis. Poucas conseguem se destacar, Fate of All Humanity e Castiel se sobressaem mas em um nível muito mais baixo. O restante das 8 faixas tem pouquíssimos momentos de interesse e se embolam em uma mistura de clichês e pouca inspiração.

Não se engane, a primeira audição vai causar um certo interesse, mas depois disso as armadilhas de repetições e estereótipos do gênero tornam o disco totalmente esquecível com o passsar (do pouco) tempo.

Suite 226 não é um album ruim, mas é decepcionante… denovo. Parece que o Serious Black se perdeu depois do Mirrorworld e nunca mais voltou nos trilhos. O disco se perde dentro da discografia confusa e certamente vai se perder com a enxurrada de novos álbuns do estilo que estão programados para sair neste ano.

Nota final: 5/10

6 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: