The Rock List – 9 Das Mudanças Culturais Mais Importantes No Metal

Por Lucas Santos – Matéria original da Kerrang!

Dentro de qualquer gênero musical, a mudança é inevitável. Os modismos vêm e vão com base na progressão sônica, que por sua vez leva a subgêneros que dominam a esfera musical por períodos de tempo. No entanto, com o heavy metal, isso tem uma tendência épica – porque seu som é enorme e ensurdecedor, e seus fãs são muito dedicados e apaixonados, pequenas mudanças na cultura do metal logo são desproporcionais e acabam esculpidas em pedra no santificado salões dos deuses do metal.

Mas enquanto novos gêneros e tendências extremas costumam parecer frívolos e divertidos em retrospecto – Cara, lembra-se de quando todos nós somos piores JNCOs? – mudanças culturais são importantes e valiosas na música. Esses não são apenas os novos sabores do mês, são transições amplas na mentalidade e na atitude daqueles que fazem um certo tipo de música. E no domínio do metal, um gênero construído com base nas reações intestinais a um som elaborado, essas mudanças são especialmente importantes porque estão em contato com instintos às vezes desconhecidos do mundo ao seu redor.

Aqui estão 9 das mudanças culturais que forjaram o metal no que é hoje…

A INCORPORAÇÃO DO PUNK

Parte da razão pela qual podemos apreciar plenamente o metal clássico como Iron Maiden e Saxon hoje em dia é porque há alternativas mais pesadas. Mas no início dos anos 80, essas bandas eram únicas na cidade, enquanto o punk e o hardcore tinham seus próprios undergrounds prósperos e um tanto intimidadores. Isso causou uma quantidade de conflito que pode surpreender os ouvintes hoje – os punks viam os metalheads como cabelos compridos nerds, enquanto os heshers viam os punks como vítimas de moda estranhamente elitistas. O metal se enterrou ainda mais em seu buraco florido e exagerado, adicionando mais solos e espadas sem nunca ficar realmente furioso.

Quando bandas como Exodus, Metallica, Slayer e Anthrax começaram a incorporar a velocidade do punk, a raiva e a crise endurecida nos riffs de heavy metal, eles salvaram o gênero como um todo. Sem thrash, o metal seria todo feito de cabelo, spandex e Tolkien, mas com o rancor da cena punk, ele se transformou em um gênero que tinha que ser levado a sério. Hoje em dia, quando se pensa em metal como um todo, geralmente se imagina o thrash, e isso foi em grande parte graças ao Black Flag, The Misfits, Dead Kennedys e todas as bandas punk que expulsaram os cavaleiros brancos do peso.

O “SATANIC PANIC”

Obviamente, o Satanic Panic – uma onda de paranóia cristã nos anos 80 que reivindicou coisas como heavy metal e Dungeons & Dragons estava levando a abuso infantil e erosão moral – não foi perpetuado por bandas de metal. A caça às bruxas em questão foi conduzida, como sempre são, por pessoas que poderiam lucrar com o medo. Figuras como Lawrence Pazder e Michelle Smith, a equipe psiquiatra-paciente que escreveu o best-seller de “crime verdadeiro” insano e inteiramente fictício Michelle Remembers, usaram o movimento para ganhar milhões; enquanto o pregador Bob Larson ia ao circuito de talk shows avisando aos pais que seus filhos morreriam se ouvissem Slayer.

O que o movimento fez, no entanto, foi promover transparência e honestidade entre a comunidade do metal. A idéia de que você poderia cantar sobre fazer sexo com um cadáver e depois ir para casa e beijar seus filhos era uma novidade para o público cristão, mesmo que fizesse todo o sentido para quem gostava de teatro ou filmes de terror. O Satanic Panic resultou em várias bandas de metal revelando que eram apenas artistas. Embora isso tenha arruinado a magia de alguns fãs obstinados, também fez com que todos os aspirantes a “investigadores ocultos” parecessem idiotas quando tentaram provar que os floridianos embriagados como os membros da banda Deicide eram de alguma forma cavaleiros a serviço de Satanás.

O NASCIMENTO DO GROOVE NOVENTISTA

No final dos anos 80, o metal estava fora de contato com suas raízes. Enquanto o glam estava ficando mais brilhante e raso a cada minuto, o thrash tentava se livrar de sua imagem de festa, sendo tecnicamente acrobático, de vento longo, brutal demais ou os três. A menos que você goste de delineador, épicos thrash de sete minutos sobre o meio ambiente ou Possessed, o gênero aparentemente não tem muito a lhe oferecer. À medida que o grunge e as alternativas reintroduziam os fãs do rock xarope do rock clássico, parecia que o metal havia esquecido o que tornava o Black Sabbath tão interessante em primeiro lugar.

Então o groove metal salvou tudo. Enquanto bandas como Pantera, White Zombie, Prong e Exhorder injetavam chocolaty, chugs de baixo preço e balançando riffs de rock sulista em suas músicas, eles adicionaram um nível sem precedentes de peso e acessibilidade ao som áspero do metal. Não era apenas o metal pesado novamente, mas era cativante e meio legal de um jeito sujo. O subgênero também abriu o caminho para formas de metal semelhantes, embora um pouco mais especificadas – a desgraça gótica do Type O Negative, o gemido chapado de Sleep, o lodo doente de Eyehategod e, eventualmente, o salto assombrado do Korn. Hoje em dia, podemos pensar em groove metal como um cara rouco sem camisa, mas nunca devemos esquecer o quão vital foi em seu tempo.

A SEGUNDA ONDA DO BLACK METAL

Os fãs de black metal são rápidos em mencionar que a primeira onda do gênero não foi a que queimou igrejas e cometeu crimes de ódio. Bathory, Celtic Frost e Venom foram tecnicamente os inventores do black metal, usando tons desagradáveis ​​de guitarra e ritmos furiosos de overdrive para adicionar sombria escuridão ao speed metal. Eles também cunharam a moda do black metal com seus arreios de escravidão e a pintura de cadáver de esqueleto. Mas no final do dia, eram bandas de thrash – geladas, lo-fi thrash, claro, mas bandas de thrash do mesmo jeito.

A segunda onda, no entanto, nos deu black metal, como sempre lembraremos. Não apenas as bandas foram mais difíceis em todas as direções – produção pior, letras mais satânicas, picos maiores, pintura facial mais estranha – mas deram ao gênero a sua própria característica. Mesmo hoje em dia, a atitude no mosh/no core/no smiles defendida por bandas como Mayhem, Burzum e Darkthrone é uma idéia que infectou todos os aspectos do heavy metal na mentalidade pública. E embora não possa ser tolerado, a atividade criminosa dessas bandas foi um lembrete absoluto de que o metal não era para pessoas normais e que existem cantos sombrios por aí que nem mesmo o obstinado obituário comum está pronto para explorar.

A APARIÇÃO DA GUITARRA DE SETE CORDAS

Uma das razões pelas quais o perigo do hip-hop eclipsou o do metal nos anos 90 foi sua extremidade baixa. As batidas de hip-hop caíram como pesos de mil toneladas, soprando subwoofers e fazendo a serra elétrica do thrash metal parecer levemente oca. O violão, ao que parecia, havia perdido sua vantagem em comparação com o toca-discos e a bateria eletrônica, e para uma nova geração de garotos criados em rap, música industrial e eletrônica, um solo de lamentações simplesmente não conseguiu. Algo tinha que ser feito.

Foi aí que entrou a guitarra de sete cordas. Originalmente, o instrumento de um virtuoso, mas mais tarde utilizado, mais notavelmente por bandas como Korn e Deftones, a corda extra-baixa do instrumento forneceu aos riffs uma trituração espessa e chocalhadora que de repente transformou as guitarras em instrumentos de percussão. Mais ainda, eles ajudaram a fixar o poder delimitador dos riffs de salto do nu-metal, aquelas partes de guitarra nascidas de notas dobradas que soam perfeitas para saltar para cima e para baixo (o que, na verdadeira maneira cultural, acabaria levando a corda de sete cordas a ser difamado por fãs de “metal verdadeiro”). Com as sete cordas, o metal passou oficialmente de algo que você ouviu a algo que você sentiu na pele.

O RETORNO DO SOLO DE GUITARRA

A desvantagem do domínio do violão de sete cordas foi que ele se livrou de todos os gemidos selvagens e wagnerianos que tornaram tão divertidos os primeiros dias do gênero. O violão do heavy metal sempre teve uma sensação de aventura virtuosa, que o fez sentir mais emocionante e, no final do dia, mais rock’n roll, do que o de seus pares. Mas o som grosso e cinético do nu-metal foi uma rejeição aos tropos clássicos do heavy metal, e o que foi cortado mais rapidamente foi o solo da guitarra. Em troca, a maioria das bandas de nu-metal usava sussurros, pontes vocais distorcidas ou apenas tocava a melodia central da música como um “solo” – não exatamente alto.

Dois gêneros diferentes salvaram os solos de guitarra de metal. O primeiro foi o metalcore, cujo amor pelo metal extremo europeu também se traduziu em reverência a artistas como Dio e Iron Maiden. O segundo foi o pop-punk, que idolatrava os metaleiros suburbanos de queijo dos anos 80 e cujas bandas cobriam semi-ironicamente atos como Slayer, Twisted Sister e Judas Priest. Como resultado, o solo da guitarra e a apreciação e o respeito por ele floresceram mais uma vez.

O DEATH METAL MELÓDICO SE TORNA UMA MINA DE OURO

Durante sua infância, o death metal melódico era o mais mórbido e hostil possível, mesmo sendo ultra-cativante. Entombed, Dismember e Dark Tranquility podem ter escrito as lambidas mais gostosas que se possa imaginar, mas suas letras estavam mergulhadas em nada além de referências a filmes de terror e tanatologia. Quando o At The Gates lançou seu épico épico de 1995, Slaughter Of The Soul, sua intenção não era agradar ninguém a um movimento maior, mas gritar diante da autoridade. Melodeath começou como qualquer outro gênero de metal – um grito de guerra contra a normalidade.

Mas quando as bandas de metalcore começaram a espalhar riffs melódicos de death metal em suas faixas ouvíveis, mais e mais artistas perceberam o quão divertido esse gênero era. Os riffs ficaram mais melódicos, mais infecciosos; bandas contemporâneas de death metal como The Black Dahlia Murder começaram a mesclar o som com tons mais brutais, enquanto atos que os pioneiros do melodeath uma vez idolatravam – Kreator, Destruction, Exodus – adicionaram elementos do gênero à sua nova música. O Arch Enemy, que já foi um fenômeno underground sueco, logo se tornou a maior banda de metal do mundo. Ao ouvir o desmembrar Like a Everflowing Stream, é difícil imaginar que esse gênero se tornaria o preferido do metal, mas hoje essa verdade é inegável.

A ACEITAÇÃO MAINSTREAM DO PROGRESSIVO

A inacessibilidade do prog metal era uma faca de dois gumes. Um lado era que o gênero era incrivelmente técnico, e muitas vezes exigia algum nível de conhecimento em teoria musical para apreciar completamente … ou muitos fãs jovens eram exaustivamente informados pelos drogados e fãs de música que o adoravam. Isso levou à razão número dois: os fãs de prog metal eram frequentemente muito protetores e guardiões, e pareciam desconfiados de qualquer metaleiro casual que alegasse amar Queensryche ou Dream Theater. O resultado foi um gênero frequentemente apontado como nerd e mais velho, que fez um desserviço às muitas músicas impressionantes da cena.

Tudo isso mudou com bandas como Mastodon e Meshuggah. Esses atos não tiveram medo de mesclar ritmos instáveis ​​do prog e imagens galácticas com seus próprios gêneros mais abrasivos, com grande efeito. De repente, os fãs de death metal e thrash estavam percebendo que não se importavam com uma assinatura de tempo estranha aqui e ali, e que missões épicas e questões filosóficas combinavam bem com a pressão certa de maconha. Como resultado, o metal parou de se levar muito a sério e se permitiu abraçar aqueles conceitos insanos e distantes que antes eram seu cartão de visita.

A ASCENSÃO ANTI FASCISTA

Mesmo se descontarmos as óbvias subculturas extremas do NSBM e do hardcore skinhead, o heavy metal ainda reteve grande parte de suas armadilhas politicamente questionáveis ​​nos anos 2010. Eles se apresentaram de maneiras pequenas, mas grosseiras – os comentários preconceituosos dos artistas sendo varridos para o tapete como “sentidos sombrios de humor”, as amizades de músicos famosos com membros da comunidade do poder branco sendo ignoradas (não posso esperar que eu concorde com todas as políticas de meus colegas são a desculpa para relaxar com os músicos que pediam limpeza racial) e bandas com fortes proezas técnicas sendo aclamadas em todos os artigos como “de frente para a mulher” ou “com diversidade racial”. O metal havia percorrido uma grande distância , mas ainda estava preso nos modos antigos.

Talvez tenha sido a eleição de Donald Trump que lançou a atual onda de sentimentos antifascistas no metal. Ou talvez as campanhas Me Too e Black Lives Matter, colocando a verdadeira feiúra do mundo diretamente na frente delas, inspirassem as bandas a se posicionarem além de “apenas se divertir”. Qualquer que seja sua origem, o metal antifascista agora é inerentemente parte do cena, dando às bandas políticas algo para reunir e bandas veementemente apolíticas algo para criticar. Às vezes, falar alto é mais do que aumentar para o volume 11.

E pra você? Qual mudança cultural foi a mais impactante no metal?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: