Review: Crystal Viper – Tales of Fire and Ice

Por Cleo Mendes

Embora positivo em receber toda a atenção dos vocais masculinos que respiram a boca, antes o que era corajoso, suado, agressivo, adotou um visual de metal mais glamouroso encontrado em quase todas as bandas sinfônicas de metal.

Cleo Mendes

Confira mais metal:
Dragonforce – Extreme Power Metal
Opeth – In Cauda Venenum
As I Lay Dying – Shaped By Fire
Of Mice & Men – EARTHANDSKY
Screamer – Highway of Heroes
Knocked Loose – A Different Shade Of Blue

Gravadora: AFM Records
Data de lançamento: 22/11/2019

A banda polonesa Crystal Viper voltou com mais um lançamento depois do retorno Queen of the Witches de 2017, o primeiro a acompanhar os problemas de saúde da vocalista Marta Gabriel em 2013 (após o lançamento de Possession), que lançou uma sombra sobre o futuro da banda.

Quando o primeiro single e videoclipe – Still Alive – ​​foi revelado, parecia que suas composições estelares e consistentes se curvaram ao cofre, glamour e mais da cena saturada de metal sinfônico. Isso seria fatal para os fãs de longa data, pois o o grupo sempre manteve um pé no metal mais tradicional. Embora existam algumas faixas notáveis no trabalho, a contaminação do metal sinfônico pode sinalizar uma mudança direcional completa e perigosa … um ponto de morte da banda.

A cena saturada de metal sinfônico vem lutando por algo para animar o que rapidamente se tornou uma inundação de composições obsoletas e vocais operativos terríveis. Para bandas como o Crystal Viper, que tem uma base de fãs decididamente da velha escola de metal, ver esse vídeo foi de partir o coração. O estilo vocal de Marta na maior parte do álbum é mais limpo e seguro. Embora positivo em receber toda a atenção dos vocais masculinos que respiram a boca, antes o que era corajoso, suado, agressivo, adotou um visual de metal mais glamouroso encontrado em quase todas as bandas sinfônicas de metal.

Poderia piorar? Imediatamente após o horror da faixa de abertura, Crystal Sphere leva a banda a meio caminho de volta ao normal – uma boa faixa mais nada de mais. Bright Lights segue isso e traz a banda de volta ao território mais familiar. Mesmo com um pouco de esperança, o veneno do que soa como uma mudança drástica de som não foi totalmente sugado para fora das composições neste momento.

De repente, Neverending Fire– outra faixa fraca e de ritmo médio. Under Ice até aumenta um pouco o ritmo, mas os vocais difíceis e irregulares de Marta agora são cantados em um estilo fonético suave e seguro. Nos fazendo perguntar cade a pressão? Cade os momentos épico, os recheios, a forte pegada?

One Question resolve a “questão” disparando a primeira música verdadeiramente digna do passado. A velocidade e o metal puro estão todos lá e Marta parece mais fiel ao seu formato vocal, esse é o destaque do álbum. Tomorrow Never Comes é outro ótimo momento – eles acertaram aqui -. A faixa de encerramento é Tears of Arizona – uma balada útil e segura. O bônus de Dream Warriors do Dokken é interessante mas totalmente esquecível.

Infelizmente, Tales of Fire and Ice marca uma mudança nas composições e sonoridade do Crystal Viper, mudança essa que não caiu muito bem para o quinteto… por enquanto. Carecendo de uma produção mais precisa e composições mais acertadas o álbum peca por algumas escolhas não tão agradáveis, que até mesmo os fãs irão se perguntar o que está acontecendo.

Nota final: 5/10

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: