The Rock List – 13 dos Álbuns de Rock e Metal Mais Melancólicos de Todos os Tempos

Por Lucas Santos – Matéria original Kerrang!

É inverno no hemisfério norte, os dias são mais curtos, o sol cresce minguante no céu. A existência cotidiana torna-se uma caminhada nas trevas para trevas adicionais, com apenas um frio cortante e a miséria do dia de trabalho entre elas. Quando o mês de dezembro se aproxima, a maioria das pessoas está olhando para as festas de fim de ano, mas os verdadeiros miserabilistas e misantropos sabem que o fim escuro do ano lhes pertence. Em ‘celebração’, compilamos nosso resumo dos 13 lançamentos niilistas mais sombrios e diretos da história do rock e metal.

Prepare-se para se sentir miserável…

13. GODFLESH – STREETCLEANER

ds

Trinta anos desde 13 de novembro de 1989 acabaram de se passar e a obra-prima monolítica dos metalúrgicos industriais de Birmingham, Godflesh, ainda oferece aquela sensação de pavor oco no estômago tão severamente hoje como na primeira vez. Streetcleaner podee enfrentar forte concorrência nas apostas sombrias, mesmo dentro da própria discografia da banda, mas sua atmosfera apocalíptica e seu impacto de mudança de cena são insuperáveis. Pegando no trabalho dos roqueiros americanos Swans e seus irmãos Brummie do Napalm Death, músicas com o poder sufocante de Like Rats, Dream Long Dead e Devastator ajudaram a definir o subgênero industrial ainda emergente e estabelecer um nível que ainda é discutível.

12. BLACK FLAG – MY WAR

Seria impossível montar uma lista como essa sem pelo menos uma menção ao lendário punk californiano do Black Flag. Representando o escuro ventre do Golden State, os progenitores do hardcore enfrentaram isolamento social, paranóia, pobreza e neurose ao longo de sua carreira (de fato, a estréia em 1981, Damaged, poderia facilmente fazer parte dessa lista, exceto por seu puro espírito pugilista). My War de 1984 foi o auge de seu niilismo. Reunidos em condições precárias durante quatro anos tensos, em que a banda não conseguiu lançar material por razões legais – e durante os quais o lendário vocalista Henry Rollins estava se tornando cada vez mais um barril de pólvora durante as apresentações ao vivo – faixas como Beat My Head Against The Wall e The Swinging Man tem oceanos de miséria sob seus exteriores de alta energia.

11. GALLOWS – GREY BRITAIN

Quando os punks de Watford, Gallows, assinaram um contrato de gravadora com a Warner Bros. e chegaram ao estúdio com o renomado produtor Garth Richardson, mesmo os fãs de longa data não podiam deixar de pensar que seus heróis haviam vendido suas almas por um pote de ouro. Espetacularmente, Frank Carter e seus homens não tão alegres fizeram o oposto, emergindo do estúdio com um dos registros nipilistas mais apologeticamente imagináveis. “A Grã-Bretanha cinzenta está queimando“, tocou a letra de abertura The Riverbed. “Seremos enterrados vivos antes de nos afogarmos“. Essas ilhas justas podem realmente ter deslizado ainda mais para o esquecimento na década desde então, mas a trilha sonora permanece a mesma…

10. MANIC STREET PREACHERS – THE HOLY BIBLE

O terceiro LP do Manic Street Preachers, banda galesa de rock alternativo, continua sendo um marco miserabilista tanto no rock quanto no gênero indie mais popular que a banda iria habitar nos 25 anos seguintes. Gravado enquanto o lendário guitarrista/letrista rítmico Richey Edwards estava sofrendo de depressão, alcoolismo, auto-mutilação e anorexia, ele se desdobra como um diário torturado de sua experiência. As músicas refletem sombriamente seu estado mental, referenciando assuntos tão problemáticos quanto prostituição, assassinos em série, auto-inanição, pena de morte, fascismo e suicídio e apresentam um sentimento avassalador de raiva e resignação. Richey desapareceria infamemente pouco mais de cinco meses após o lançamento do disco, em 1º de fevereiro de 1995. O álbum continua sendo um monumento angustiante ao seu gênio torturado.

9. TYPE O NEGATIVE – WORLD COMING DOWN

Escrito na sequência de uma série de mortes na família do vocalista Peter Steele, World Coming Down penetra em um notável poço de escuridão, mesmo para os prodigiosos depressivos góticos metaleiros do Brooklyn. Com o título provisório de Prophets Of Doom And Aggroculture, o quinto álbum da banda viu uma partida dos temas líricos de amor, sexo e mágoa com os quais eles fizeram seu nome, em favor de assuntos muito mais desolados, como o vício em cocaína (White Slavery), o luto (Everyone I Love Is Dead) e angústia existencial (Everything Dies). Incorporando instrumentação industrial fria e backmasking vocal invertido, ao lado do canto gregoriano e da música de órgão, oferece um pavor agitado com dinamismo real.

8. KILLING JOKE – KILLING JOKE

Quando a estréia do Killing Joke foi revisada pela K!, o revisor concedeu ao álbum uma pontuação perfeita de 5/5, mas optou por adicionar uma classificação de 1/5 de “moralidade” e alertou que a música contida nela pode ser “corrosiva” para a alma. Ele tinha razão. Desde a obras de arte da capa que descrevem o uso de gás CS pelas tropas britânicas contra manifestantes pacíficos em Derry, Irlanda do Norte, até o estranho pós-punk industrializado de Wardance, Requiem e Bloodsport, Jaz Coleman soltou a trela. Sua escuridão também se espalhou pelo mainstream rock, quando Dave Grohl nomeou o álbum entre os seus favoritos de todos os tempos, e quando o Metallica fez o cover de The Wait no EP Garage Days Revisited de 1987.

7. NIRVANA – IN UTERO

A versão final do Nirvana antes da morte de Kurt Cobain se desdobra com uma visão de mundo cáustica e previsível. ‘A angústia adolescente valeu a pena‘, ele canta em Serve The Servants, traindo uma visão de mundo ameaçadoramente encoberta, ‘agora estou entediado e velho…‘ Kurt originalmente queria nomear o álbum I Hate Myself And I Want To Die. Buscando um som abrasivo e naturalista durante a gravação, o álbum combina de forma audível. É quando analisamos os temas mais sombrios subjacentes que as coisas ficam realmente sombrias. Scentless Apprentice reconta o surrealismo sombrio do perfume de Patrick Süskind: a história de um assassino. Milk vê os amantes como parasitas unidos, alimentando-se dos resíduos corporais um do outro. Heart-Shaped Box reinventa o cordão umbilical como um laço, e Rape Me fala mais ou menos por si mesmo… Não é um álbum feliz.

6. SHINING – V: HALMSTAD

Quando uma banda se autodefine como “black metal suicida-depressivo”, você sabe que a saída deles nunca será a mais animada. O quinto LP, no entanto – com uma foto monocromática de uma jovem mulher com uma arma na boca na capa – continua sendo o momento mais profundo e sombrio. Começando com um trecho assustador do poema de William Hughes Mearns, em 1889, Antigonish – ‘Quando subia a escada, encontrei um homem que não estava lá. Ele não estava lá novamente hoje. Eu gostaria, eu gostaria que ele fosse embora … ‘- a faixa Ytterligare Ett Steg Närmare Total Jävla Utfrysning (mais um passo em direção ao isolamento completo da merda), ele simplesmente não desiste.

5. NAILBOMB – POINT BLANK

O primeiro e único lançamento do ‘supergrupo’ industrial de metal Nailbomb foi um exercício sombriamente intransigente. Reunindo Max Cavalera, vocalista do Sepultura/Soulfly e o extraordinário Alex Newport, fundador/produtor do Fudge Tunnel (cujos vocais são creditados simplesmente como “Mouthful Of Hate ”) junto com um punhado de co-conspiradores, Point Blank é uma parte implacável da crueldade sônica. Se a imagem de capa da arma de um soldado americano pressionada contra a cabeça de uma lutadora vietcongue não deu uma idéia do puro niilismo contido nela, títulos de músicas como Blind And Lost, Sum Of Your Achievements and Cockroaches certamente dão.

4. MY DYING BRIDE – TURN LOOSE THE SWANS

Os lendários doomsters de West Yorkshire, My Dying Bride, tem várias outras coisas “lindas” em qualquer lançamento individual que pode fazer parte dessa lista. O fato do segundo álbum, Turn Loose The Swans, de 1993 ultrapassar o som de Feel The Misery de 2015, em termos de pura tristeza, deve indicar o quanto de um mergulho na escuridão sufocante é o trabalho. Muito mais lento e mais considerado que sua estreia The Flower Withers, a banda mergulhou na tristeza e complexidade da marca que se tornou sua marca registrada em faixas como The Songless Bird e The Snow In My Hand. Álbum mais próximo Black God até tira suas letras do poema escocês do século XVIII Ah! O Destino Triste do Pastor – e não fica muito mais abandonado do que isso.

3. ALICE IN CHAINS – DIRT

A performance de Layne Staley no segundo LP do Alice In Chains pode ser a mais dolorosa e comovente da história da música. Referenciando especificamente o uso de heroína e seus efeitos devastadores em faixas como Sickman, Junkhead e God Smack, o registro foi uma janela para a experiência pessoal em espiral de Layne. O conceito segue vagamente a angústia e a incerteza do uso até a conclusão final de que o vício em si não é uma fuga do sofrimento, mas a prisão que mantém o usuário atado. Tanto Layne quanto o baixista Mike Starr acabariam morrendo de overdose, sublinhando a realidade sombria no coração dessas músicas.

2. NINE INCH NAILS – THE DOWNWARD SPIRAL

Depois da estréia de 1989, Pretty Hate Machine havia estabelecido a nova marca de efeito industrial dominante na pista de dança, o Nine Inch Nails, dominava a indústria da dança, e poucos esperavam que o movimento se transformasse em uma escuridão muito mais fria que se seguiria. O líder Trent Reznor montou um álbum conceitual sem nenhum single pronto para o rádio que registrasse a descida de um homem desde o início de sua ‘espiral descendente’ até seu eventual suicídio. Cortando a controvérsia de comentaristas sociais conservadores, culpando o massacre de Columbine e passando a movimentar mais de quatro milhões de unidades em todo o mundo, ele continua sendo o lançamento de rock mainstream mais controverso da história.

1. WARNING – WATCHING FROM A DISTANCE

Não há histórico público notório em Watching From A Distance, nenhum contexto lúgubre em que deve ser visto. Suas imagens se desdobram com uma sensação de romance de cortar o coração, sem expor todos os detalhes torturados, mas em grande parte abstratos. As profundezas da angústia evocadas pelo vocalista Patrick Walker (agora com o 40 Watt Sun), no entanto, ainda são totalmente incomparáveis. Sua música fala, como fala. Partindo de uma paleta de cinzas sem esperança e tons sépios desbotados, as cinco faixas desta obra-prima de 2006 se desenrolam em um ritmo fúnebre, toda a agitação terrena e vocais assustadores, conjurando uma atmosfera potente e atemporal de melancolia. Em shows recentes de reunião, o álbum foi tocado na íntegra, e homens adultos foram vistos chorando abertamente. Para entender completamente o porquê, você precisa ouvir…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: