The Rock List – Os 8 álbuns mais caros de todos os tempos.

Por Lucas Santos – Matéria original Kerrang!

Confira mais The Rock List:
Autobiografias indispensáveis
Álbuns de cover que você precisa ouvir
Lineups insanos de shows e turnês
As melhores músicas de metal (até agora…)
12 bandas que foram pioneiras em um estilo

Não podemos colocar um preço na criatividade. Podemos, no entanto, colocar um preço em coisas como equipamento, espaço de estúdio, membros da equipe e estilo de vida das estrelas do rock, tudo que ocasionalmente faz os custos do álbum dispararem. Embora algumas obras-primas sejam montadas quase sem fundos, quando a maioria das bandas tem acesso a enormes somas de dinheiro, geralmente acabam encontrando maneiras de gastá-la.

My Bloody Valentine – Loveless (1991)

Custo: Supostamente £ 250.000, seu contrato recorde.

Inicialmente programado para ser gravado em apenas cinco dias, os pioneiros do shoegaze, My Bloody Valentine, levaram dois anos e meio e usaram nada menos que 19 estúdios para fazer seu segundo álbum. A natureza stop-start de tudo isso, muitas vezes abandonando as músicas por meses, vinha basicamente do perfeccionismo do vocalista Kevin Shields, uma fonte de tensão sem fim com a equipe do estúdio, que ele insistia que estivesse lá apenas para apertar os botões. A gravadora quase teve um colapso nervoso tentando convencê-los de terminar a gravação.

Para onde foi o dinheiro? Ainda em discussão de veracidade, Kevin Shields afirma que Alan McGee, chefe da Creation Records, exagerou sobre quanto dinheiro foi gasto no álbum como um golpe publicitário. Vai saber?!

Metallica – The Black Album (1991)

Custo: US$ 1.000.000 e três casamentos…

Parece que não foi muito divertido para o Metallica gravar o seu gigantesco Black Album. Houveram numerosos confrontos, tanto dentro da banda quanto com o produtor Bob Rock, que sentiu que James Hetfield poderia escrever melhores letras. A banda achou toda a experiência tão estressante que 75% deles se divorciaram durante a realização (apenas Hetfield permaneceu casado até o final). Visando a perfeição significava fazer infinitas tomadas de tudo, com uma abordagem de ‘continue indo até que seja impecável‘. Valeu a pena. O álbum vendeu mais de 31 milhões de cópias em todo o mundo. Lars Ulrich disse à Rolling Stone: “Você acha que um dia algum filho da puta vai te dizer: ‘Você tem o recorde número um na América’ e o mundo inteiro vai virar de cabeça pra baixo.” Eu estava lá no meu quarto do hotel, e chegou um fax dizendo: ‘Você é o número um’. E era como, ‘Bem, tudo bem’. Era apenas mais um fax do escritório. “

Para onde foi o dinheiro? Oito meses de gravação, mixagem, regravação, remistura e reingresso de tudo. Além da orquestra ocasional.

AC/DC – For Those About To Rock (1981)

Custo: Estima-se cerca de US $ 1.000.000, além de 40 anos subsequentes carregando canhões para todos os lugares…

Fannying around” foi como Malcolm Young, do AC/DC, descreveu grande parte do processo de gravação de For About About To Rock, enquanto seu irmão Angus disse que estava “entediado”. O produtor Mutt Lange passou os primeiros 10 dias da sessão tentando aperfeiçoar o som da caixa em vários estúdios parisienses antes de declarar que era uma tarefa impossível. No momento em que eles gravavam o álbum por três meses – durante os quais a banda recusou uma oferta de um milhão de dólares para fazer uma turnê com os Rolling Stones – Parecia que nada mais fazia sentido para Malcolm Young: “Eu não acho que ninguém , nem a banda nem o produtor, podiam dizer se parecia certo ou errado. Todo mundo estava farto do álbum.

Para onde foi o dinheiro? Múltiplos estúdios (incluindo um portátil que Mutt Lange havia transportado de Londres para Paris), vários engenheiros e um ou dois canhões (rs).

Foo Fighters – One By One (2002)

Custo: Mais de US $ 1.000.000, e a sensação de perda de tempo…

O Foo Fighters não gastou um milhão de dólares gravando One By One. Eles, no entanto, gastaram um milhão de dólares gravando 29 músicas, antes de começar o álbum inteiro novamente e fazê-lo de forma rápida, barata e, na época, satisfatória. Dave Grohl disse mais tarde: “Nós já gastamos três meses e um milhão de dólares em algo que jogamos fora. A diferença entre a versão original de All My Life e a versão do álbum] foi que aquela custou um milhão de dólares e soou uma porcaria, enquanto a versão final nós fizemos no meu porão por meia hora e se tornou a maior música que a banda já teve.

Para onde foi o dinheiro? Meses e meses de estúdio, com todos os membros gravando separadamente, enquanto uns ficavam sentados jogando pebolim e gritando uns com os outros.

The Darkness – One Way Ticket To Hell… And Back (2005)

Custo: £ 1.000.000 (mais várias amizades e sanidade) …

O primeiro álbum do The Darkness, Permission To Land, vendeu três milhões e meio de cópias e os levou ao estrelato, somado à todos os benefícios adicionais que a fama proporciona (cargas e cargas de drogas). O segundo trabalho de estúdio, o alegre e ridiculamente chamado One Way Ticket To Hell … And Back, começou com o som de uma linha de cocaína sendo aspirada, uma forma sátira da luta do vocalista Justin Hawkins com vício. Porém, gravar não foi só diversão – a banda quase se dividiu completamente, com o baixista Frankie Poullain saindo no meio da gravação.

Para onde foi o dinheiro? Contar com o produtor Roy Thomas Baker (conhecido por seu trabalho com o Queen e os Rolling Stones) não foi barato, eles exageraram ao gravar algumas músicas, incluindo 120 partes de guitarra em camadas, algum dinheiro também teria sido gasto em o tocador de gaita de foles durante a sessão, mas parece que a maior parte do custo foi devido ao estilo de vida da banda naquela época.

Korn – Untouchables (2002)

Custo: US$ 4.000.000 …

O Korn tinha grandes objetivos com o projeto do Untouchables, unindo-se ao produtor Michael Beinhorn, eles tentaram fazer “um incrível disco de rock que nunca mais poderia ser feito novamente“. Passaram dois anos trabalhando nisso – cinco meses apenas nos vocais, um mês trabalhando no som da bateria antes de gravar qualquer coisa- com dias ocasionais em que Jonathan Davis aparecia no estúdio, cantava uma nota e dizia que sua voz não era a que ele queria no dia, e acabava voltando pra casa.

Para onde foi o dinheiro? Untouchables ​​foi o primeiro álbum gravado em 96K de alta definição, controverso na indústria da música devido ao equipamento de ponta necessário para detectar a diferença. Isso exigiu uma nova tecnologia (ou, como Davis descreveu, “havia alguma merda que não havia sido feita – tivemos que conseguir alguém para fazer relógios para registrar as taxas de amostragem“), elevando os custos. No entanto, uma banda e uma equipe de 15 pessoas que simplesmente viviam com pesadas retenções mensais fizeram muito do trabalho. Fieldy disse a Kerrang!: “Nos mudamos para Phoenix e alugamos cinco casas por US $ 10.000 por quatro meses. Viemos para LA, alugamos mais cinco casas por US $ 10.000 por mais quatro meses. Fomos ao Canadá e alugamos uma casa por US $ 8.000. Isso é uma semana, não um mês.

Def Leppard – Hysteria (1987)

Custo: US$ 4.500.000, mais a sanidade de vários engenheiros…

Um álbum de 62 minutos, com três hits, o Hysteria do Def Leppard chegou ao ponto em sua data de lançamento que precisaria vender em torno de cinco milhões de cópias apenas para empatar os custos da produção.

Para onde foi o dinheiro? O álbum foi cercado por todo tipo de atraso que podemos nomear. Houveram problemas com o pessoal, o que levou as sessões iniciais da gravação fossem descartadas. Haviam problemas de saúde – principalmente pelo acidente de carro do baterista Rick Allen, que lhe custou um braço e exigiu que ele passasse um ano aprendendo a tocar sem ele, mas o produtor Mutt Lange também sofreu um acidente de carro, e o cantor Joe Elliott foi até retirado de ação por caxumba. As técnicas de gravação do produtor Lange eram muito demoradas e exaustivas, com meses e meses gastos na recriação de sons de bateria em um sintetizador. No entanto, com o álbum vendendo posteriormente incríveis 25 milhões de cópias, eles mais que empataram os custo do Hysteria.

Guns N’ Roses – Chinese Democracy (2008)

Custo: US$ 13.000.000 (mais de uma década de vida de muitas pessoas) …

Quando o Chinese Democracy finalmente foi lançado em 2008, era o primeiro álbum de inéditas do Guns N ‘Roses desde Use Your Illusion I & II, em 1991, e o primeiro álbum que eles fizeram desde The Spaghetti Incident, de 1993. Durante esse período, uma quantidade ridícula de músicos foi contratada e demitida, a maior parte da formação original foi encerrada, vários produtores foram recrutados e soltos, e um monte de material gravado foi descartado. Os únicos membros constantes da banda foram Axl Rose e Dizzy Reed.

Para onde foi o dinheiro? Músicos, engenheiros e produtores mantinham enormes retenções mensais, apesar de frequentemente ficarem meses sem fazer nada, enquanto os equipamentos alugados e o espaço do estúdio acumulavam poeira. Tom Zutaut, da A&R, descreveu a situação como “Essas pessoas estão recebendo muito dinheiro e estão sentadas sem fazer nada, porque Axl não está vindo ao estúdio e não podia levá-lo ao telefone“.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: