The Rock List – 12 Bandas que foram pioneiras em um estilo

Por Lucas Santos – Matéria original da Kerrang!

Como certos gêneros de música começam pode ser um mistério. Normalmente, um grupo de bandas em um momento específico começa a experimentar certos sons ou temas similares, e eles começam a influenciar um ao outro e a excursionar juntos (metalcore) ou a mídia os coloca juntos em um único movimento (grunge). Uma vez que o gênero é estabelecido, os fãs passam anos discutindo sobre quem realmente começou, ou qual banda sintetizou aquela cena.

Mas de vez em quando, uma banda com clareza de visão ou um som único em um som clássico pode lançar um gênero sozinho. Algo sobre seu perfil estético ou sonoro faz com que milhares de fãs virem suas cabeças e digam: “Ah, legal – eu quero fazer isso.” Às vezes, essas bandas estão preenchendo um vazio, reunindo influências de outros gêneros de maneiras que ninguém tinha tropeçou antes. Mas muitos deles são atarefados cuja abordagem específica foi evitada ou injustamente despercebida no início de suas carreiras, até que um dia todos começaram a se perguntar como uma banda como essa inspirou tantos outros.

Aqui estão 12 bandas que lançaram sozinho gêneros de rock:

The Misfits

Antes dos The Misfits o “horror punk” simplesmente não existia. Havia bandas punk em que usavam maquiagem, e bandas que usavam imagens de filmes de terror, mas aquela dedicação completa ao hardcore encharcado em grindhouse schlock ainda não era uma realidade. Com a atitude, um visual único e canções gigantes “Sing along” sobre sexo alienígena e assassinato de lobisomem, os garotos de Jersey instantaneamente deram à luz o que é agora um pilar fundamental do punk rock. Sempre que você ouve uma música sobre zumbis com enormes “Whoas“, só há uma banda para agradecer.

A Day To Remember

Pop-punk encontra o hardcore – parece uma combinação óbvia nos dias de hoje. Afinal, em meados dos anos 2000, as bases de fãs de ambos os gêneros pareciam muito semelhantes, e a maioria das crianças do pop-punk estava indo para shows de hardcore, quando queriam se ramificar em um território mais difícil. Mas foi apenas com o A Day To Remember, da Flórida, e sua própria mistura patenteada de melodia inspiradora e peso esmagador, que as pessoas viram o benefício de unir esses dois estilos. E enquanto outras bandas estavam experimentando essa ideia na época, é difícil argumentar que toda a cena atual se origina da nova abordagem desses caras.

Venom

Venom criou o termo “black metal”, criando assim o gênero. O estilo da banda era a base para toda a forma de arte – aquela marca de metal de rua sem graça e obcecada por Satã, mais interessada em atitudes puras do que em tecnicismo ou bravata. Venom fez tudo primeiro, do couro de cativeiro espartado até os crânios de animais e as melodias espinhosas sobre cadáveres enquanto Baphomet assistia. Embora bandas posteriores como Bathory e Hellhammer rapidamente pegaram a tocha, o black metal realmente deve tudo aos garotos de Newcastle.

Suicide Silence

No minuto em que a maioria dos fãs ouviu sobre o deathcore, eles também ouviram falar do Suicide Silence. Mesmo que tenha sido desprezado por grande parte do mundo do metal, no instante em que se tornou popular, o deathcore foi momentaneamente o mais excitante novo gênero da música extrema, e isso estava especificamente ligado à força bruta deste quinteto californiano. Claro, bandas como The Red Chord foram extremamente influentes na cena, mas foi a total falta de hesitação do Suicide Silence em seus dois primeiros álbuns – 2007 The Cleansing e 2009 No Time To Bleed – que fizeram até mesmo os cínicos tomarem nota da força inegável do deathcore.

Blink-182

Haviam muitas bandas tocando punk rock convencional nos anos 90. Mas apesar de terem feito o punk ser amigável ao rádio, o Green Day e The Offspring não eram exatamente “pop-punk” – ainda não, de qualquer forma. O blink-182, por outro lado, era pop-punk definido: divertido e sobrecarregado, autodepreciativo a uma falta hilariante e totalmente despreocupado em ser punk o suficiente ou se encaixar com os puristas moicanos. A banda levou o punk infeccioso de forma “alternativa” e manteve-se em seus próprios pés, inspirando inúmeros fãs a vestir suas bermudas cargo e sair andando com seu skate como um louco.

Nightwish

Hoje, um grande pedaço de metal gótico é composto por fãs de ópera românticos e com muita sintetização, e isso tudo graças ao Nightwish da Finlândia. O que a banda fez de diferente foi remover ou alterar muitos dos elementos modernos que bandas como Lacuna Coil focalizaram, e abraçaram os elementos clássicos do Power Metal. Eles não apenas cunharam esse nicho específico (e extremamente popular) de heavy metal, mas também conquistaram o mundo enquanto ninguém olhava, especialmente com o lançamento de Once, de 2004. Um minuto, esses finlandeses são um fenômeno underground; no próximo, todos na terra querem vê-los vivos e centenas de imitadores estão surgindo em todo o mundo, até os dias de hoje.

Korn

Dado o quão bizarro Korn era para o mundo do rock na época, é justo que eles lançassem seu próprio gênero: nu-metal. Não era rap-rock como o Rage Against The Machine, ou gótico como Coal Chamber, mas nu-metal: heavy metal com toda a besteira removida e a angústia aparecendo. Foi apenas com a mistura especializada de Korn, vulnerabilidade e poder cinético repugnantemente pesado que o gênero foi verdadeiramente definido. E como uma pílula concentrada de fealdade sonora, sua música atingiu o caldeirão americano e mudou para sempre a composição química do metal.

Portal

Muitas das bandas na obscura nova onda de death metal cavernoso – Gatecreeper, Outer Heaven, Tomb Mold – tornaram-se mais amplamente reconhecidas do que Portal, mas nenhuma delas estaria aqui sem o quinteto australiano. A música extrema viscosa, ecoante e misantrópica encontrada em álbuns como Outre (2007) e Vexovoid (2013) foi mais pesada e mais fascinante do que qualquer coisa que as pessoas já ouviram na época. Isso também inspirou fãs e músicos a olhar para os cantos mais escuros do metal underground, para aqueles artistas que se apoiavam na atmosfera e na loucura opressiva, em vez de apenas velocidade e volume. Um pioneiro aterrorizante, com certeza.

Pertubator

Synthwave foi definitivamente um gênero borbulhando abaixo da superfície do rock por um tempo, nascido de uma marca única de nostalgia dos anos 80 que adorava John Carpenter. Mas foi o ato futurista francês Perturbator que deu ao gênero a sua identidade misturando a energia do metal e a falta de autoconsciência com os sintetizadores brilhantes dos filmes e videogames dos anos 80. Enquanto bandas como Kavinsky e Justice se concentravam em fazer música pop com racks de synthwave, o mentor do Perturbator, James Kent, estava escrevendo a trilha sonora banhada a laser para a montagem de exercícios em seus sonhos. Empurre até o limite.

Code Orange

O revigoramento moderno de hoje do nu-metal é uma fera aterrorizante, e o Code Orange é a banda que devemos agradecer por isso. Sua abordagem árdua e lúdica da música extrema no nível da rua deu um duro tiro na cena do metal, anunciando ao mundo que o impacto do nu-metal dos anos 90 e os sons triturantes da cena hardcore moderna faziam perfeito sentido juntos. A encarnação inicial da banda, como o hardcore Code Orange Kids, estabeleceu bases sólidas para o desenvolvimento musical deles. Mas foram os álbuns que lançaram ao deixar as “crianças” do seu nome para se tornar simplesmente Code OrangeI Am King (2014) e o gigantesco Forever (2017) – que as revelaram para o gênero que agora conhecemos.

Black Sabbath

É incrível considerar quão amplamente reconhecido é que o Black Sabbath sozinho criou heavy metal. Claro, Led Zeppelin e AC/DC fizeram a sua parte, mas sempre há um entendimento vago de que eles influenciaram o metal, mas não eram eles mesmos. Sabbath, por outro lado, foi indiscutivelmente a primeira banda de metal, e é de seu estilo riff distinto e meloso que todos os outros subgêneros de heavy metal derivam. Tudo o que foi preciso foi uma mão desfigurada de um guitarrista, bateria como artilharia, baixo como uma jibóia e o cantor mais assustador do mundo!

Van Halen

O movimento do glam metal de Los Angeles nos anos 80 tem um único culpado, os irmãos Van Halen. Das letras despretenciosas às performances teatrais, os efeitos revolucionários nas guitarras e o visual extravagante – cabelos com laque, calças apertadas e muita maquiagem tomaram conta da sunset strip. O rock de arena nunca mais foi o mesmo depois do álbum honônimo de 1978. Quando se fala de hair metal lembramos de Motley Crue, Ratt e Cinderella, mas todos tiveram uma mesma influência, e devem agradecer ao Van Halen.

5 comentários

    1. Quais partes nao estão coerentes? E se voce leu bem a parte do ACDC está bem claro que eles “Fizeram sua parte” no quesito de disseminar o heavy metal. Sendo bem claro que são uma banda de Rock N Roll.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: