Revisando Clássicos – 50 anos de Major Tom e 55 do filme A Hard Days Night

Por Roani Rock

Dois pontos importantes na vida de artistas diferentes em momentos distintos que foram cruciais para ascensão de suas carreiras. A década era a de 60 e cada um, a sua maneira, fez experiências para que pudessem alçar voos maiores.

Para lançar seu terceiro disco no dia 10 de Julho de 1964 veio a notícia de que não seria só um álbum e sim a trilha sonora para um filme. Os Beatles investiram em sua popularidade para ingressar nos cinemas, bem inspirados por ídolos como Little Richards e principalmente Elvis Presley que influenciaram em suas decisões de virarem músicos.

Se você precisasse explicar o impacto dos Beatles na (música pop) para um estranho, você mostraria a trilha de A Hard Day’s Night. As músicas, nascidas em um quarto de hotel em duas semanas, eram cheias de ousadia e velocidade. Tinha aventura, reconhecimento, amor e charme abundante

Bob Stanley em seu livro Yeah! Yeah! Yeah!: The Story of Pop Music(2013)

Tudo começou após a aparição da banda no Ed Sullivan Show quando eles – na palavra dos próprios Beatles – pararam a América com o maior recorde de audiência para um programa televisivo até então. O sucesso enorme fez com que empresas vissem a possibilidade dos garotos ingressarem nos cinemas e isso soou bem para os ouvidos do empresário Brian Epstein que cuidava dos interesse deles.

Epstein assinou um acordo com a United Artists que escolheu o produtor Walter Shenson para o filme. No acordo o empresário dos Beatles assinou para a produção de três longas com o retorno de 7% das vendas de ingressos e financiamentos com marketing. Para a direção o nome do diretor Richard Lester foi o escolhido e os Beatles indicaram o nome de Alun Owen como roteirista. Owen era de Liverpool, assim como os Beatles, e já tinha realizado alguns roteiros para a televisão.

Atualmente é mais perceptível tudo que o primeiro filme dos Beatles gera. Ele era uma mescla de baseado em fatos reais com comédia e isso foi muito bom para tornar os rapazes mais populares, não só entre as garotas mas pelo público masculino também, acentuando a beatlemania. Muitas pessoas puderam se enxergar em Ringo Starr na sua cena em que se sente posto de lado. No George Harrison tímido mas piadista. No John Lennon carismático flertando e até com o ar blasé de Paul McCartney e terem que lidar com o seu tio mala.

Saindo um pouco da questão filme, o A Hard Days Night álbum trouxe outra evolução pra banda, é o primeiro que contém todas as músicas com a autoria de Lennon/McCartney e as contribuições de Harrison com sua guitarra Rickenbacker de 12 cordas.

O filme conseguiu o feito de ser indicado ao Oscar em duas categorias de roteiro Original e pela trilha sonora. Já o álbum alcançou o certificado de platina nos EUA e Canadá. Ainda configura a lista dos 500 Melhores Discos da Rolling Stone(ocupando o 307º lugar), e entrou para os 1001 Álbuns Para Ouvir Antes de Morrer, de Robert Dimery.

Cinco anos depois, com os Beatles tendo passando por diversas transformações sonoras, com mais 10 discos lançados pós A Hard Days Nght e mais dois filmes virando os artistas mais influentes na cultura pop, surge David Bowie, uma figura diversas vezes taxada como esquisita com um cabelo vermelho bagunçado e olho bicolor. Ele que se chamava inicialmente de David Jones amargurando tentativas frágeis de alcançar o sucesso no ano de 1969 se preparava para lançar seu segundo disco que possui uma música contando uma história sobre o espaço sideral e um personagem peculiar, o Major Tom.

A literária canção conta que Major Tom encontra um fim trágico no espaço após ganhar um teor existencialista, principalmente por conta da conexão que o protagonista tem com o mundo terrestre e sua visão privilegiada do universo. A canção nos traz um diálogo do Major Tom com segunda voz que conversa com ele por rádio, o “ground control“, ou “controle terrestre”. Esta fala sobre o sucesso da missão, dizendo que Tom se tornou popular ao alcançar o espaço: “Os jornais querem saber quais roupas você usa”.diz um trecho da canção. Mas o sucesso da missão se faz irrelevante após Tom ver a insignificância humana e própria mediante a imensidão do mundo.

Vendo o imenso potencial da canção, a gravadora Mercury Records quis apressar o lançamento para que coincidisse com a chegada da Apollo 11 na Lua. A emissora britânica BBC tocou a canção durante a cobertura do acontecimento histórico, o que gerou uma popularidade nacional para Bowie.

Todavia, o próprio Bowie explica que a música é baseado no filme de Stanley Kubrick no filme 2001: Uma Odisseia no Espaço.

Na Inglaterra, sempre presumiram que essa música foi escrita sobre a chegada da humanidade à Lua, porque a música saiu quase simultaneamente, mas na verdade, não foi isso. Eu a escrevi porque fui assistir a 2001: Uma Odisseia no Espaço e achei o filme maravilhoso. Eu estava meio fora de mim, fiquei muito chapado e então fui assisti-lo várias vezes seguidas. Foi uma revelação. Isso fez a música fluir.

Bowie em entrevista para a Performing Songwriter

David Bowie chegou a interpretar o personagem Major Tom em um vídeo promocional de pouco menos de 30 minutos chamado Love You Till Tuesday. O média-metragem mostra o cantor interpretando várias de suas canções até aquele 1969. O que é totalmente plausível se for ligado o fato de que muitos analisarem Major Tom uma caricatura própria de Bowie.

O personagem Major Tom vez ou outra reapareceu nas músicas do inglês. 11 anos depois de Space Oddit ele reaparece em Ashes to Ashes outra das músicas mais consagradas de Bowie. que por sinal o colocou no topo das paradas de mais tocadas do Reino Unido na época. Outra que tem a presença de ajor mesmo que indiretamente é Hallo Spaceboy.

Na música Blackstar, responsável por dar nome ao último álbum de Bowie em vida, de 2016, o personagem finalmente tem sua história concluída. Um astronauta morto é descrito na narrativa, seu esqueleto é levado por uma alienígena.

Para mim, aquele era 100% o Major Tom!

Johan Renck, diretor do clipe da música, em declaração a um documentário da BBC

Incrível como dois momentos da música se coincidem mesmo que por uma questão de mês ou dia, em diferentes anos com músicos que apesar de amigos ou conhecidos muito tem a ver, seja pela regravação de Across The Universe e parceria com John Lennon na música Fame ou várias fotos ao lado de Paul. O certo é que Julho é um mês de conquistas para o rock e a música em geral.

Bowie junto aos recortes dos Beatles em suas versões cartoon do filme Yellow Submarine

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: